GM revela carro autónomo sem volante

Red Magic 3S

A Cruise, divisão de carros autónomos da General Motors, revelou um veículo elétrico futurista chamado ´Origin´, que ´encosta´completamente para o lado, um motorista humano. Não se destina a uso privado. Em vez disso, a ideia é que um dia as pessoas serão capazes de chamar o carro a partir do seu smartphone. A Cruise introduziu pela primeira vez o conceito de um Chevy Bolt sem volante na CES em 2018. Qualquer veículo sem equipamento como volantes ou pedais de travão e acelarador, devem atender às normas SAE Level 4 para operar em algumas vias públicas.

A Cruise, claro, não está sozinha na sua busca: Enquanto empresas como a Daimler e BMW – que tem o seu próprio carro sem volante – pressionarem em direção à criação de sistemas autónomos capazes de autonomia de nível 4, startups como Zoox, Nuro e Driven estão já a realizar uma série de testes. Waymo da Alphabet anunciou planos há um ano para abrir o que chamou de primeira fábrica do mundo dedicada à produção em massa de veículos autónomos.

Sobre o carro: É espaçoso graças à falta de volante, eixo de engrenagem ou pedais, com espaço para seis passageiros sentados em bancos opostos. As portas do carro são abertas por um código. E há o obstáculo tecnológico: a Cruise também precisará provar o software e os sensores que o Origin precisará para navegar com segurança no complexo ambiente de uma cidade, num momento em que as expectativas de carros autónomos arrefeceram. E enfrenta forte concorrência de Waymo, que já está em testes de minivans totalmente sem motorista em Phoenix, Arizona, e a Ford, que prometeu lançar um serviço de táxi autónomo em Austin e Texas no ano que vem. O veículo também vem com air bags, botões “Start Ride”, um botão SOS e uma câmara no telhado do interior, presumivelmente para implantar um computador com modelos de visão que podem fazer coisas como analisar o sentimento dos pilotos.

Nenhum preço, data de produção ou local de produção foram partilhados num evento realizado em São Francisco, que ironicamente ocorreu num antigo Concessionária Honda. A notícia foi partilhada ao lado da visão contínua da empresa de um futuro onde os carros são autónomos, as pessoas não possuem mais veículos, e todos os carros são elétricos de modo que o mundo veja poucas mortes do veículo por ano, menos poluição, e menos tempo desperdiçado.

OK, e quando vai chegar às estradas? Ah, sim, sobre isso. O carro não estará numa rua perto de nós tão cedo. Embora a Cruise afirma vai começar a testar o Origin em San Francisco “num futuro próximo”, existem muitos obstáculos regulamentares para resolver em primeiro lugar. Em 2018, a empresa Solicitou uma isenção às Normas Federais de Segurança automóvel, regulamentos que exigem testar o carro nas estradas. Ainda não foi concedida, e não tem aprovação do estado local também. A Cruise também não disse quantos veículos planeia fabricar, ou se Começou a testar o veículo numa pista privada. A Cruise da GM está em lançamento do veículo autónomo elétrico Origem, produto de 3 anos de trabalho entre a General Motors, Cruise e Honda.

O Cruise Origin é projectado sem um motor combustível ou um motorista, decisões que o CEO da Cruise , Dan Ammann diz dar às pessoas mais espaço. O Origin pode acomodar até 6 pessoas, com 3 passageiros de cada lado de frente uns para os outros num veículo de tração traseira. A General Motors adquiriu a startup de veículos autónomos Cruise em 2016. Através de investimentos de empresas como a Honda, o Cruise agora tem uma avaliação de US$ 19 bilhões (cerca de 17 Mil Milhõoes de Euros).

No mês passado, Dan Ammann referiu num post que o mundo precisa ir além dos veículos de ocupação única movidos pelo homem e argumentou que hoje há uma lacuna deixada por sistemas de transporte público, serviços de partilha de viagens e aplicativos de micromobilidade para aluguer de scooters ou bicicletas. Analistas como Karim Lakhani e Marco Iansiti, autores do recém-lançado ´Competing in the Age of AI, argumentam que os veículos autónomos podem integrar a indústria automóvel e remodelar os mercados adjacentes na busca para tornar os carros mais como smartphones gigantes sobre rodas.

Os serviços com a condução automática podem variar de levar as pessoas a trabalhar ou à escola, para trazê-los a fazer compras em determinadas empresas, para publicidade direta, vendas e entretenimento, experiências para os ocupantes do carro que assim se libertam da preocupação com a condução. O engenheiro-chefe da Cruise Jason Fischer comenta sobre o Origin se recusou-se a partilhar detalhes sobre o tipo de autorização que pode ser usado para operar o veículo, mas disse o veículo está abaixo de 10.001 libras (cerca de 11.800€).

O CEO da Cruise , Ammann disse no verão passado que a empresa planeia lançar um serviço de táxi sem motorista até o final de 2019. A Cruise opera atualmente um serviço de ridesharing em São Francisco, mas só está disponível para os seus funcionários usarem. Ammann falou sobre um futuro que poderia incluir a entrega de carga, além de partilhar boleias. Ammann alegou que veículos como o Origin pouparão ao residente médio de São Francisco até US$ 5.000 (cerca de 4500€ ) por ano e poderão operar dia e noite por até um milhão de milhas ao longo do ciclo de vida de um veículo.

Fonte: TechnologyReview

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here