Tribunal brasileiro ordena retirada do Filme do Porta dos Fundos, mas é revogada pelo Supremo

Vésperas de Natal e são muitos os canais que dedicam a sua programação à época. Foi o caso do canal Porta dos Fundos que criou um filme Especial de Natal com o título “A primeira Tentação de Cristo”, na Netflix. Neste filme a personagem de Jesus Cristo é homossexual. O filme não provocou só gargalhadas.

Muitos se opuseram e criticaram, de tal forma que a Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura interpôs mesmo uma providência e o Tribunal ordenou a retirada do filme e aplicou uma multa de 33 mil euros por dia. Enquanto o filme estiver disponível a multa aplica-se. Foi na passada terça-feira que o Juiz Desembargador Benedito Abicair, no Rio de Janeiro ditou a ordem. Foi exatamente este mesmo juiz que absolveu Jair Bolsonaro de homofobia em 2011 quando este ainda não era presidente do Brasil.

O filme centra-se na celebração do dia de aniversário de 30 aos de Jesus Cristo quando este apresenta à sua família o seu convidado especial: o namorado Orlando.

Esta sátira bíblica pode sair bastante cara à Porta dos Fundos que já sofreu a revolta das pessoas quando na véspera de Natal a sua sede foi atacada com coktails molotov. Não houve feridos a registar na sequência destes desacatos. Alguns deputados também manifestaram a sua reprovação a esta comédia negra que obviamente toca no que de mais profundo as pessoas têm: a sua fé. É muito ténue a linha que separa o que é aceitável e o que não é e cabe aos tribunais decidirem se na comédia vale tudo ou se também aí há limites.

O filme conta com os humoristas Gregório Duvivier e Fáio Porchat e é considerado irreverente. Encontra-se legendado em inglês, espanhol, francês e português do Brasil.

A ordem já foi revogada pelo supremo

Como seria de esperar, tendo em conta a liberdade de imprensa, o Supremo Tribunal de Justiça decidiu revogar, na passada quinta-feira, a decisão do tribunal que indicava que a Netflix tinha de retirar o filme do ar.

“Não se descuida da relevância do respeito à fé cristã (assim como de todas as demais crenças religiosas ou a ausência dela). Não é de se supor, contudo, que uma sátira humorística tenha o condão de abalar valores da fé cristã, cuja existência retrocede há mais de 2 (dois) mil anos, estando insculpida na crença da maioria dos cidadãos brasileiros”, concluiu o Presidente do Supreno Tribunal de Justiça do Brasil, Dia Toffoli.

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here