Google obtém uma licença bancária: Bancos ganha um novo concorrente

28 de Dezembro de 2018
13 Partilhas 120 Visualizações

A banca tem passado por tempos complicados nos últimos tempos, onde foi verificado diversas falências e só nos últimos dois anos é que começámos a verificar uma recuperação deste sector. No entanto, há novos desafios já ao virar da esquina, com as novas “fintech”.

E é nesta nova área de negócio que a Google quer entrar e já tem o necessário para isso. A Google acaba de obter uma licença bancária na Lituânia e esta licença vai permitir que a empresa norte-americana possa oferecer diversos serviços financeiro em todos os países da União Europeia.

Foi durante esta semana que mais uma “bomba” caiu no setor bancário, com o anúncio de que a gigante norte-americana obteve uma licença bancária na Lituânia, o que permite dar o primeiro passo no setor bancário, o que coloca todo o setor em alerta máximo, numa situação que já muito se falou e sobre o que gigantes como a Google podem fazer neste setor.

Com esta licença, a Google, neste caso o Google Payment que é a área da Google que obteve esta licença e que irá operar este serviço, a empresa dá o primeiro passo para se aproximar do que conhecemos como banco, apesar de não poder ser um banco tradicional e ter as suas limitações.

A partir de agora, o Google Payment pode processar pagamentos, remessas internacionais, depósitos e transferências bancárias. E, como obtém uma licença em espaço europeu, pode disponibilizar os seus serviços em qualquer país europeu. O mesmo tipo de licença que já foi obtida pelo Facebook na Irlanda e pela Amazon no Luxemburgo, e em ambos os casos com alcance europeu, mas as empresas ainda não estão a utilizar operar nesta área.

Ao Jornal de Negócios, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, assinalou que as extensas bases de dados das gigantes tecnológicas, aliadas a uma assinalável capacidade analítica e de processamento de dados colocam grandes desafios aos bancos.
Estes, apesar da reputação e do valor fiduciário, têm “bases de dados limitadas geograficamente em comparação com as das empresas tecnológicas à escala global e assentam em sistemas ‘legacy’ pesados, que se caracterizam pela pouca agilidade”, referiu o governador, à data.

Fonte: El Economista

Artigos interessantes

Xiaomi demonstra o melhor sensor de impressões digitais no ecrã até ao momento
Destaques
32 Visualizações
Destaques
32 Visualizações

Xiaomi demonstra o melhor sensor de impressões digitais no ecrã até ao momento

Bruno Peralta - 16 de Janeiro de 2019

Os fabricantes de smartphones estão retirando lentamente os tradicionais leitores de impressão digital em favor dos sensores no ecrã, mas…

Falhas de segurança no jogo Fortnite põem dados dos utilizadores em risco
Jogos / Consolas
31 Visualizações
Jogos / Consolas
31 Visualizações

Falhas de segurança no jogo Fortnite põem dados dos utilizadores em risco

Daniela Azevedo - 16 de Janeiro de 2019

Um grupo de investigadores da empresa de cibersegurança Check Point descobriu vulnerabilidades no famoso jogo Fortnite, que afetaram os dados…

Oppo oficializa um sensor ótico 10x e um sensor biométrico no ecrã maior
Destaques
28 Visualizações
Destaques
28 Visualizações

Oppo oficializa um sensor ótico 10x e um sensor biométrico no ecrã maior

Bruno Peralta - 16 de Janeiro de 2019

A Oppo teve um evento durante o dia de hoje onde apresentou uma nova configuração de uma câmara de 10x,…

Comente

O seu email não será publico