Análise LG 42LB670V com WebOS: um sistema operativo a sério para TV

LG WebOS (1)

Já não é a primeira vez que testamos televisões, no entanto este caso tem um objectivo claro, o novo sistema operativo WebOS para televisões. Será que está no caminho certo? Leia a análise.

Características e Acessórios
Design e Ecrã
História do WebOS
Análise ao WebOS
Veredito: LG 42LB670V com WebOS

Não há muitas dúvidas que os sistemas operativos para televisões ainda estão muito embrionários, com lacunas e longe do que todos imaginamos como “televisão inteligente”. No entanto, este ano já começámos a ver anúncios das principais fabricantes mais sérias. A Samsung está a otimizar o Tizen para televisão e a própria Google apresentou o Android TV.

A verdade é que a LG percebeu que os atuais sistemas operativos das televisões não estavam a corresponder e lançou-se primeiro neste novo mercado, sendo que já tem televisões com WebOS à venda, enquanto a Google apenas apresentou o sistema operativo e a Samsung só referiu que o Tizen ia chegar às televisões.

Com a antecipação da LG, será que a LG consegue dar um passo à frente das outras fabricantes? Será que temos o primeiro sistema operativo que podemos chamar de “inteligente” para a nossa televisão? É o que vamos tentar perceber na nossa análise.

Características e Acessórios

  • Peso: +/- 12kg
  • Tipo de TV: 3D IPS TV
  • Tamanhos: 42/47/55
  • Resolução: Full HD, 1920x1080p
  • Portas HDMI: 3
  • Portas USB: 3
  • 3D e óculos: 3D passivo, 2 pares
  • Aspect ratio: 16:9
  • Sistema Operativo: WebOS
  • Dual Play: SIM
  • Som: 2.1 (14W+14W)
  • DLNA
  • Wifi incorporado, Miracast, MHL
  • CI Slot: SIM
  • Comando normal incluído
  • Comando mágico universal incluído

LG WebOS (3)As características são boas, sem dúvida, mas não é mais do que o esperado para esta gama de televisões. Conta com dois comandos, um comando normal e o “famoso” comando universal criado pela própria LG, Smart Magic, que já vai na segunda versão e está bem melhor. Além de ser um comando da televisão, também é universal e permite controlar outros dispositivos da sua sala, como uma box de televisão, bluray, entre outros.

Além de dois pares de relógios para o dual play, também contamos com dois pares de óculos 3D. Infelizmente são, apenas dois pares para o 3D, sendo que as versões do ano passado continham 4 pares, mas por outro lado, os óculos que adquirimos na sala de cinema também funcionam nesta televisão, já que a mesma utiliza tecnologia 3D Passivo. Mesmo assim, não desculpa um televisor deste preço incluir, apenas, dois pares de óculos 3D.

Design e Ecrã

LG WebOS (16)A LG tem apostado forte para melhorar o design dos seus produtos, como também o verificamos na análise ao LG G3, e nas Smart TVs não é diferente, com uma alteração de design entre o modelo do ano passado para este ano, com um estilo que parece metálico.

Entre o modelo do ano passado e o modelo deste ano, além de um melhoramento no design, nota-se que a televisão é mais leve e mais fina, pois com as colunas, o modelo do ano passado ficava um pouco mais grosso na parte de baixo.

Até na base acaba por haver melhoramento, com uma base metálica, ao contrário do plástico. Mas não é só pontos positivos, é que o modelo analisado não permite movimentar a televisão, o que obriga a mexer toda a base e, assim, limita a movimentação da televisão. No meu caso, em comparação com o modelo do ano passado que permitia essa movimentação, permite mover a base e a televisão, melhorando o ângulo de visualização para outros pontos da sala, o que neste modelo LB670 não permite. Apesar de visualmente ser bem mais bonito, não é tão prático para a utilização. Na imagem seguinte, podemos ver a nova LG, comparativamente ao modelo do ano passado e verificar que consegue ser movimento um pouco mais que a anterior.

LG-WebOS-rotação-base

Em relação aos comandos também temos alterações. Enquanto o comando normal continua… normal, o Smart Magic, como a LG intitula, está melhor, está mais ergonómico e encaixa melhora na mão que o anterior modelo, que tinha uma “cabeça” mais grossa. No entanto, as funcionalidades do comando mantém-se praticamente os mesmos do modelo do ano passado, apenas adicionando os “botões coloridos” que ficaram famosos no teletexto, mas que com as atuais boxes já não são tão utilizados.

LG WebOS (14)Em termos de ecrã, a LG utiliza a tecnologia IPS, muito utilizada pelos fabricantes de televisões e que é de excelente qualidade. Tanto o contraste, ângulos de visualização, brilho, pretos, é o que esperamos. No entanto, reparámos que os cantos estão um pouco escurecidos, algo estranho, mas que é visível nesta televisão.

O processador utilizado nesta televisão é o Triple XD Engine, um processador que tem sido utilizado pelas fabricantes para as televisões Smart TV.O som é surrond 2.1, com boa qualidade.

História do WebOS

O nome WebOS não lhe é estranho? É normal, é um sistema operativo já com alguns anos, mas que viveu tempos complicados nos últimos anos. A criadora do sistema operativo foi a Palm, empresa que foi comprada pela HP e que já nem existe. Aliás, foi na HP que tive os seus grandes tempos, em 2011, quando foi anunciado o primeiro tablet com esse sistema operativo, o HP TouchPad.

LG WebOS (16)A razão do sucesso de vendas não foi o início de vendas do tablet, mas quando a HP decidiu descontinuar o tablet e o sistema operativo WebOS, colocando-o no mercado a um preço muito baixo, que Colocou muitos consumidores a “correrem” atrás do tablet. A partir daí, a HP ficou sem saber o que fazer ao sistema operativo e lançou-o em Open Source, nas expetativa que os programadores pegassem no sistema e fizessem alguma coisa dele. Infelizmente, manteve-se na sombra e os rumores sobre a possível venda do sistema operativo começaram a circular.

Foi só no início de 2013 que a LG adquiriu o WebOS e logo na altura afirmou que não seria para os dispositivos móveis, até porque o Android já tinha conquistado o mercado. A LG surpreendeu tudo e todos quando afirmou que o objetivo era tornar o WebOS um sistema operativo para as SmartTVs. Necessitou de quase um ano para aperfeiçoar o sistema para as SmartTVs e foi no início de 2014, na CES 2014, que decorreu em Las Vegas que foram apresentadas as primeiras televisões com WebOS.

Análise ao WebOS

LG WebOS (7)Os televisores são cada vez mais parecidos, praticamente diferenciando no preço. Mas há uma coisa que difere em todos eles, a utilização com a Smart TV que têm sistemas proprietários, no entanto a Google já apresentou o Android TV, bem como a Samsung também vai adaptar o Tizen à TV. Mas neste caso a LG conseguiu antecipar toda a concorrência e foi no ano passado que anunciou a adaptação do WebOS às televisões, sendo que logo no início do ano, na CES 2014, ficámos a conhecer o sistema operativo WebOS e as primeiras televisões com este sistema, que já estão disponíveis no mercado português.

Assim é o WebOS o grande destaque desta televisão, que finalmente nos leva a caminho do “verdadeiro” Smart Tv. Até ao momento, os sistemas utilizados nas televisões são lentos, isto acontece com todas, mas finalmente a LG encontrou o sistema operativo ideal para as televisões e tornou-o de rápida utilização. Se gosta de Smart TV e mudar para o WebOS, irá notar um aumento de velocidade de resposta muito grande.

O WebOS mantém o “rato” que é detetado assim que mexemos com o Smart Magic e que facilita, muito, a utilização do comando e a navegação pelos vários menus, bem melhor do que a televisão da Panasonic que analisamos anteriormente.

Para aceder ao menu do WebOS, basta carregar no botão Home/Smart do comando, que faz aparecer um menu da parte de baixo, deixando a imagem da televisão num fundo mais escuro, mas permitindo manter o som da televisão. Se neste menu carregarmos no lado esquerdo, é-nos apresentado um novo menu com as aplicações recentes, um estilo de aplicação “abertas”, que podemos encarar como um multi-tasking. No menu principal, se for para o lado direito, somos enviados para um menu mais pequeno, com pequenos ícones onde podemos ver todas as aplicações instaladas na nossa televisão e acedê-las através daí.

Ao colocarmos o rato sobre uma aplicação é aberta uma janela com a informação do que essa aplicação pode fazer, o que é bem interessante se está a iniciar-se nas Smart TVs, mas com o tempo é um pouco incomodativo.

Uma funcionalidade que achei bem interessante é o guia do WebOS. Todas as novidades necessitam de um tempo de habituação e apesar de o WebOS ser bastante intuitivo, não deixa de ser importante um bom guia e, sem dúvida, que me deu muito jeito a mim, para “perceber tudo” sobre o novo WebOS.

As funcionalidades não param por aqui, e temos o Smart Share para podermos partilhar ficheiros de forma mais rápida, o que é bom para podermos mostrar aquelas fotografias que tirámos hoje com o nosso smartphone. Além disso, também experimentei o Miracast, que foi excelente no smartphone, mas quando tentei ver um filme através do computador, houve bastante lag e arrastamento, portanto o melhor é mesmo usar uma pen USB, até porque com três portas e a leitura de legendas da televisão, funcionou tudo perfeitamente.

LG WebOS (10)Sem dúvida que a grande curiosidade que eu tinha era na utilização do browser, mas que não foi de encontro às minhas perspetivas. A utilização do browser na televisão continua lento, apesar de este comando facilitar a utilização, mas ainda não há justificação para a lenta abertura de sites.

Como muitas das atuais televisões já permitem a gravação de conteúdos da televisão, a LG tem o Time Machine, que permite gravar qualquer conteúdos que esteja a ser visualizado na televisão para um disco rígido ou mesmo uma pen drive. No entanto, esta funcionalidade só aparece se conseguir ver o canal através do Live TV.

Como uma televisão inteligente que é, também temos uma loja de aplicações, mas que ainda tem poucas aplicações. Mas quando estava a pesquisar na Loja de aplicações, pensei: Para quê? A LG Store tem algumas aplicações, como o Goal.com, para obtermos informações sobre desporto, ou Sapo e Meo, mas jogos na TV? Facebook na TV? É algo que não me vejo a fazer no próprio interface na TV.

Aqui temos de falar do controlo por voz, uma funcionalidade das Smart Tvs. No WebOS a interpretação das nossas palavras é muito boa, o mesmo acontecia com o modelo anterior, portanto não é, propriamente, um melhoramento do WebOS, esse trabalho já foi bem desenvolvido pela LG.

Veredito: LG 42LB670V com WebOS

LG WebOS (4)O LG 42LB670V é, sem dúvida, uma excelente televisão, com um preço bastante interessante, mas a recomendação é graças à sua nova interface. No entanto há pequenos pormenores a destacar negativamente, a base da TV não roda, bem como os cantos aparecem um pouco escuros e também podemos falar das poucas aplicações na LG Store.

Mas as aplicações serão, alguma vez, úteis nas televisões? Será que iremos começar a ver o Facebook na TV, ou ver as notícias sobre desporto? Tenho as minhas dúvidas, mas a verdade é que o WebOS é o sistema operativo que está mais perto de tornar isso possível.

Se o sistema operativo é importante para si, não se vai arrepender, o WebOS na televisão LG é o melhor interface que podemos ter, até agora, para as Smart TV. O WebOS é o mais perto do verdadeiro Smart TV.

Pontos a Favor:

  • WebOS é o melhor sistema Smart TV
  • Design
  • Preço

Pontos Contra:

  • Base da televisão não permite rodar
  • Falta de aplicações (Será que precisamos?)

Agradecemos desde já à LG por nos ter fornecido a televisão LG 42LB670V para testes e, assim, podermos experimentar o novo WebOS. Pode encontrar a televisão à venda nas lojas de retalho por um preço recomendado de 799,99€ para o modelo de 42 polegadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here