Facebook. Alteração de política permite eliminar conteúdo que “incentive à violência”

20 de Julho de 2018
11 Partilhas 60 Visualizações
Passatempo Phone House

Poucas horas depois dos polémicos comentários de Mark Zuckerberg, que defendeu o direito de quem nega o Holocausto de publicar esse tipo de conteúdo na sua plataforma, o Facebook afirmou já ter começado a remover “desinformação” que contribua para a violência.

Este é o último episódio numa discussão pública que vem ganhando forma sobretudo desde as eleições americanas de 2016: qual é a linha que separa a liberdade de expressão e o incentivo à violência?

“Há certos tipos de desinformação que contribuíram para danos físicos, e nós estamos a fazer uma alteração de política que nos irá permitir remover esse tipo de conteúdo,” referiu a empresa numa declaração pública. “Nós iremos começar a implementar a nova politica durante os próximos meses.”

Sob esta nova política, o Facebook irá começar a verificar publicações que são falsas ou enganosas, e que sejam criadas ou partilhadas com a intenção de causar violência ou danos físicos.

Como é que a avaliação de intenção será feita?

O Facebook afirma que irá trabalhar com localizações locais e agências de inteligência para determinar melhor que tipo de publicações e conteúdo podem incentivar a violência e causar danos físicos. É uma linha ténue e que, segundo o que está a ser adiantado pelo Facebook, envolverá sempre uma avaliação humana especializada.

Assim sendo, segundo as palavras da empresa, este sistema não envolverá inteligência artificial: o objectivo é que o conteúdo removido por “incentivar à violência” passe sempre por análise humana.

Apesar desta nova política ter sido anunciada na quarta-feira, o Facebook afirma já ter feito a alteração há um mês. O primeiro teste ocorreu no Sri Lanka, onde diversas publicações acusavam falsamente muçulmanos de ter envenenado a comida de budistas foram removidas após uma investigação. Recorde-se que no início deste ano o Facebook foi temporariamente removido do país devido ao discurso de ódio que circulava na plataforma ter resultado em diversos episódios de violência.

Fonte: The Verge

Artigos interessantes

Lenovo Z5 Pro GT é o primeiro smartphone do mundo com Snapdragon 855 e 12GB de RAM
Destaques
48 Visualizações
Destaques
48 Visualizações

Lenovo Z5 Pro GT é o primeiro smartphone do mundo com Snapdragon 855 e 12GB de RAM

Wagner Pedro - 18 de Dezembro de 2018

No mesmo evento de lançamento do Lenovo Z5s, a fabricante chinesa também apresentou o Lenovo Z5 Pro GT com Snapdragon…

Sensores de reconhecimento facial são seguros? Enganados por cabeça 3D
Destaques
39 Visualizações
Destaques
39 Visualizações

Sensores de reconhecimento facial são seguros? Enganados por cabeça 3D

Bruno Peralta - 18 de Dezembro de 2018

Os sensores de desbloqueio dos equipamentos são cada vez mais versáteis. Se há uns anos, iniciou-se o sensor de impressões…

Novo smartphone da Xiaomi é certificado pelo TENAA
Telemóveis
32 Visualizações
Telemóveis
32 Visualizações

Novo smartphone da Xiaomi é certificado pelo TENAA

Wagner Pedro - 18 de Dezembro de 2018

Um novo smartphone da Xiaomi, que traz o número de modelo "M1901F9T", foi certificado pelo TENAA, que revelou algumas de…

Comente

O seu email não será publico