Covid-19 e a escala do desafio das aplicações de rastreio de contactos

O rastreio de contactos não é uma ideia nova. Tudo o que realmente significa é tentar identificar pessoas que podem ter contraído uma doença específica, geralmente perguntando a alguém que sabe que a tem onde esteve e com quem tem estado em contacto.

Mas com o Covid-19 a escala do desafio é muito maior do que o normal, dado quantas pessoas já o têm e quão facilmente se espalha. Assim, em vez de questionar indivíduos, as aplicações de rastreio de contactos estão a ser concebidas para automatizar o trabalho. Uma coisa que saiu da pandemia Covid-19 em curso é o desenvolvimento de um novo tipo de app.

Estas são conhecidas como aplicações de rastreio de contactos, e seriam executados em segundo plano no seu telefone, rastreando onde esteve e com quem tem estado em contato. Se alguém estiver em contacto com testes positivos para covid-19 (inserindo esses dados na app), então a aplicação alerta-o para isso, para que saiba isolar-se ou ser testado. A principal aplicação de rastreio de contactos utilizada nos EUA é provável que saia de uma joint venture da Apple e da Google, pelo que é claro que a mesma aplicação funcionaria tanto no iOS como no Android.

Alimentada por Bluetooth, a aplicação trocaria ´sinais de farol’ anónimos com todos os que contactasse (assumindo que também estão a usar a aplicação). Então, se alguém testar positivo para o covid-19, eles são capazes de registar isso com a aplicação de rastreio de contactos, e alerta aqueles com quem a pessoa entrou em contacto e que tinham sido expostos ao vírus.

Ao contrário dos EUA e do Reino Unido, que ainda estão a desenvolver e testar as suas aplicações e sistemas no momento da escrita, a Austrália lançou já a sua aplicação de rastreio de contactos coronavírus. O nome dá-lhe a ideia central do que estas aplicações fazem – essencialmente permitindo que os utilizadores identifiquem se podem ter estado em contacto com alguém infetado com o coronavírus.

No entanto, enquanto vários países em todo o mundo planeiam começar a usar aplicações de rastreio de contactos (e em alguns casos já começaram), as aplicações e sistemas variam de um lugar para outro, e a Techradar resume agora o que as aplicações de rastreio de contacto fazem. Como já referido, é um método não só de rastrear quem já tem Covid-19, mas de potencialmente colocar os países em segurança, e funcionar novamente enquanto esperamos por uma vacina.

Embora, claro, quão eficaz seja, não depende apenas da tecnologia de cada aplicação específica de rastreio de contactos, mas também de quantas pessoas têm a app realmente a funcionar nos seus telemóveis. O alerta só pode chegar dias depois, uma vez que a pessoa infetada pode não ter sabido inicialmente que estava infetada, e a aplicação de rastreio diz no contrato que apenas descarrega “periodicamente” os dados de todos os que deram positivo na região de um utilizador.

Importante, estas chaves são anónimas – por isso, se receber um alerta de que esteve em contacto com alguém infetado, não saberá quem, quando ou onde. Mas tudo bem, porque se a maioria das pessoas estiver a executar a aplicação, todos os envolvidos serão alertados de qualquer forma. Os utilizadores também terão de dar consentimento para que a app partilhasse o facto de terem sido diagnosticados com Covid-19 (mesmo que seja mantido anónimo).

Mas o sistema não parece estar sem os seus problemas. Por um lado, requer que a Bluetooth Low Energy funcione, o que significa até dois mil milhões de telefones em todo o mundo. Entretanto, o foco na privacidade também poderá dificultar a sua eficácia. Além de exigir que as pessoas optem no facto de não usar dados de localização também pode limitar a capacidade de identificar hotspots coronavírus e mapear transmissões virais. Como tal, existem aplicações rivais em desenvolvimento.

Utah, por exemplo, está a trabalhar numa aplicação de rastreio de contactos chamada Healthy Together, que utiliza dados de GPS e localização, bem como Bluetooth. Note que a aplicação Apple/Google ainda não tem um nome. Na verdade, não é provável que seja uma única aplicação.

A aplicação real pode variar de país para país, mas as duas gigantes tecnológicas disseram que vão limitar o uso do sistema a uma aplicação por país, exceto onde há um sistema federado em vigor, como os Estados Unidos. Assim, a aplicação a que tem acesso pode acabar dependendo do estado em que se está, e em alguns casos – como no Healthy Together – poderá não estar a utilizar o sistema da Google e da Apple.

Embora a iniciativa Apple/Google que está a ser usada nos EUA tenha sido uma opção para o Reino Unido, o NHS ( National Health Service ) decidiu seguir uma direção diferente, usando uma app desenvolvida pelo NHSX (divisão digital do NHS). Esta decisão parece ter sido tomada porque o NHS favorece um sistema centralizado e não descentralizado, a diferença é que, enquanto um sistema descentralizado realiza tudo com os smartphones dos utilizadores, um centralizado usa um servidor de computador para descobrir a quem enviar alertas.

Não existe um nome oficial para a aplicação no momento deste artigo, mas de certa forma soa semelhante ao modelo Apple/Google, na medida em que é alimentado por Bluetooth, permitindo-lhe iniciar sessão quando entrar em contacto com qualquer outra pessoa que utilize a aplicação. Resumindo, se alguém que usa a aplicação for diagnosticado com Covid-19 ou relatar que tem sintomas, será enviado um alerta a referir que esteve em contacto com uma pessoa potencialmente infetada.

Este alerta pode chegar dias depois, no entanto, se eles só tiverem um diagnóstico pouco tempo depois de entrar em contato. Tal como acontece com o sistema de rastreio de contactos Apple/Google, tudo isto é anónimo – não saberia quem era a pessoa infetada, apenas que alguém com quem se cruzou foi diagnosticado ou apresentava sintomas. No entanto, a utilização de um sistema centralizado significa que os dados são potencialmente mais vulneráveis a serem mal tratados pelas autoridades ou acedidos por hackers.

Por outro lado, numa conversa com a BBC, o NHS argumentou que ter um sistema centralizado facilita a auditoria do sistema e adaptá-lo rapidamente com base nas últimas evidências científicas. Outra desvantagem para este sistema é que a aplicação do NHS terá de acordar sempre que o seu telemóvel detetar outro dispositivo que executa a aplicação, o que não deve ser exigido no sistema da Apple e da Google. É uma diferença que provavelmente significa que a aplicação do NHS usa mais da bateria do seu telemóvel.

A aplicação chama-se CovidSafe e está disponível para quem está na Austrália a descarregar a partir da Apple App Store ou da Google Play Store. Fazê-lo não é obrigatório, mas quanto mais pessoas o usarem, mais eficaz será. Para configurar a aplicação CovidSafe ser-lhe-á pedido o seu nome (ou um pseudónimo), o seu número de telefone, faixa etária e código postal, que serão armazenados num servidor governamental encriptado.

Em seguida, a aplicação funcionará como a maioria das outras aplicações de rastreio de contactos – utilizará Bluetooth para registar automaticamente (e anonimamente) outros utilizadores de aplicações com os quais está em contacto, os dados a partir dos quais permanecem no seu telemóvel a menos que entre em contacto com alguém infetado.

Se alguém estiver infetado com covid-19, e concordar em partilhá-lo com a app, enviará então identificações anonimizadas de todos com quem estiveram em contacto nos últimos 14 dias para o servidor seguro do governo, permitindo que as autoridades de saúde relevantes entrem em contacto com as pessoas afetadas. Ter uma base de dados centralizada como esta vem com questões de privacidade e segurança, mas a aplicação não rastreia a localização, e o governo australiano assegurou aos cidadãos que os dados só podem ser acedidos por autoridades de saúde relevantes, e apenas para rastreio de contactos

Fonte: Techradar

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here