Como a Inteligência Artificial Pode ser Usada de Modo Malicioso contra a Segurança Cibernética

Se existe uma expressão que incita a imaginação e a curiosidade dos amantes de tecnologia, esta é inteligência artificial. Muitas vezes resumida na sigla AI (em inglês) ou IA (em português), a inteligência artificial sintetiza conceitos que envolvem capacidades, mecanismos e funções que permitem maior autonomia aos dispositivos tecnológicos em relação às pessoas, tornando-os “agentes inteligentes”.

As funcionalidades dos seus aplicativos (como reconhecimento facial, vocálico ou digital), as atualizações do seu computador, a integração entre vários componentes da sua casa e tantos outros elementos são apenas alguns exemplos de como a inteligência artificial faz parte do nosso mundo contemporâneo.

Não é difícil imaginar, portanto, como ela pode ser usada também num viés negativo. Assim, neste artigo, vamos explorar os modos como isso pode se dar e dar algumas dicas de como você pode se proteger, fazendo uso, por exemplo, de uma VPN para seu Android.

A Inteligência Artificial não é o futuro, é o presente

Quando falamos sobre IA, pensamos em cenários futuristas e desdobramentos científicos numa projeção temporal muito adiantada. Embora a própria ficção científica tenha colaborado muito para com nossos desenvolvimentos científicos, nós podemos sentir a presença da inteligência artificial hoje, agora.

O site Statista mostra o crescimento dos investimentos globais em inteligência artificial: em 2016, foram investidos U$ 5,8 bilhões; em 2018, essa cifra subiu para U$ 9,7 bilhões – um crescimento de mais de 67%. Para 2019, estima-se que esse valor suba para U$ 11,7 bilhões e, para 2020, U$ 13,6 bilhões.

Até 2025, estima-se que o mercado de veículos autônomos atinja mais de U$ 6 bilhões. De acordo com dados de setembro de 2018, somando apenas os 10 países no topo do ranking mundial, temos praticamente 2 bilhões de smartphones no mundo inteiro (e esse número cresce diariamente).

Esses são apenas alguns dados que dão um vislumbre das dimensões e implicações econômicas, tecnológicas e sociais causadas pela disseminação de elementos de inteligência artificial. E, por óbvio, os perigos que desafiam a segurança cibernética são proporcionais a essas cifras.

Os desafios de um mundo interconectado

A crescente automação e o aumento da autonomia dos dispositivos são dois elementos que propiciam uma nova gama de oportunidades para intenções maliciosas. Hackers não dependem mais de intromissões totalmente diretas: eles podem recorrer cada vez mais a malwares e dispositivos mais autônomos, os quais dependem quase que exclusivamente da ação de usuários desatentos, ativando esses mecanismos.

Por exemplo, os próprios mecanismos anti-malware podem ser prejudicados. Muitos desses recursos utilizam algoritmos para processar esse machine learning. Se um hacker consegue infectar a base de algoritmos usada por esses programas, ele pode alterar sistematicamente as capacidades de defesa do software, abrindo uma gama maior de vulnerabilidades num determinado sistema, deixando os usuários mais expostos. E, como esse é um processo automático, há poucas chances de um usuário perceber a alteração.

A complexidade desses sistemas de IA faz com que a solução desses problemas seja cada vez mais difícil. Até mesmo cientistas do ramo que desenvolvem algoritmos de IA admitem que não entendem necessariamente como esses dispositivos funcionam em sua totalidade.

A coleta de informações dos usuários em sites, aplicativos, redes sociais, dispositivos e programas diversos também representa uma possibilidade maior de roubo e interferência desses dados, usando-os para propósitos alheios aos desejos e ao consenso dos usuários. A integridade das informações fica cada vez menor na medida em que os processos dependem cada vez menos da ação dos próprios usuários.

Algumas dicas valiosas para sobreviver no mundo virtual

O modo mais lógico de eliminar riscos cibernéticos é não utilizar dispositivos móveis e tecnologias em geral. Como isso é essencialmente impossível (e indesejável), o importante é aprender uma série de comportamentos que diminuem essas ameaças.

Apesar da crescente automação dos dispositivos tecnológicos, o comportamento dos usuários continua sendo o principal fator para maximizar ou minimizar riscos. Filtrar bem as informações que você disponibiliza, ter cuidado com os recursos que você instala, verificar a integridade dos sites que você acessa, além de  manter a segurança das suas senhas de acesso são algumas das atitudes que você pode tomar para ampliar sua integridade.

Isso sem falar na manutenção de bons programas antivírus e firewalls que, quando bem atualizados, podem reduzir significativamente esses riscos. Isso melhora não só a sua segurança, mas a de todos os demais usuários de uma rede e da internet em geral.

Como a maioria desses mecanismos de invasão exige conectividade, é essencial proteger sua rede. Um provedor VPN (Virtual Private Network, “Rede Virtual Privada”) é um ótimo modo de fazer isso, permitindo a criação de uma rede virtual que criptografa as informações da sua conexão, tornando seu dispositivo essencialmente indetectável para hackers e inibindo a diminuição da sua velocidade de conexão, além de permitir a alteração do seu endereço IP.

E, já que os dispositivos móveis são a face mais imediata dessa propagação da IA, é crucial usar um provedor VPN nesses dispositivos (https://nordvpn.com/pt-br/download/chrome-extension/). Em sua maioria, eles possuem sistema operacional Android. Então, vale a pena conferir provedores VPN para sistemas Android.

Qualcomm ganha processo judicial contra Apple, mas ainda não acabou

E finalmente foi decidido o vencedor da disputa judicial entra a Apple e a Qualcom. Acabando com a Qualcomm obtendo uma importante vitória legal como parte de sua disputa judicial a vários níveis contra a Apple.

Na disputa, descobriu-se que a gigante de eletrônicos de consumo, Apple, violou três patentes da Qualcomm e deve pagar os primeiros US $ 31 milhões em danos. “As tecnologias inventadas pela Qualcomm e por outras empresas possibilitaram que a Apple entrasse no mercado e se tornasse tão bem sucedida tão rapidamente”, afirmou o consultor geral da Qualcomm, Don Rosenberg, em um comunicado.

“Estamos satisfeitos que os tribunais de todo o mundo estão rejeitando a estratégia da Apple de se recusar a pagar pelo uso de nosso IP.”

Mas como era de se esperar, a Apple não ficou tão satisfeita com o veredicto. O que não foi uma surpresa para ninguém, afinal a Apple adora fazer o papel de vítima. Mas enfim, não vamos discutir essa parte aqui.

“A campanha em andamento da Qualcomm sobre alegações de violação de patentes nada mais é do que uma tentativa de desviar as questões maiores que enfrentam com investigações sobre suas práticas de negócios no tribunal federal dos EUA e em todo o mundo”, esta foi uma parte destacada da declaração da Apple.

Como podemos perceber, essa declaração da Apple, tenta em si refutar a sua culpa na medida em que redireciona a conversa para outro tópico.

A Apple e suas artimanhas

Em outras palavras, a Apple sabe exatamente o que fez lá. A Apple roubou tecnologias patenteadas pela Qualcomm para uso em iPhones e outros dispositivos móveis e o fez sem compensar o inventor dessas tecnologias.

E essa não é a pior parte, a empresa chegou a tentar infiltrar uma falsa-testemunha. Que no caso, era um ex-engenheiro da Apple que iria testemunhar que foi ele quem inventou uma ideia-chave para uma das tecnologias patenteadas da Qualcomm.

Mas, ele não quis continuar com isso durante o julgamento e se recusou a tomar posição depois que ficou claro que não havia evidências para apoiar a alegação. Pelo menos ele foi esperto e saiu antes do barco afundar com ele dentro.

Além das especificidades do resultado e do mísero pagamento de US $ 31 milhões que a Apple deve fazer, esse caso representa, de fato, um importante ponto de virada nas batalhas jurídicas das duas empresas.

Afinal, coloca dados em dólares por dispositivo sobre a propriedade intelectual da Qualcomm: os três componentes patenteados representam cerca de US $ 1,41 por dispositivo, o que a Qualcomm diz desacreditar a alegação da Apple de que suas taxas de licenciamento são muito altas.

“As três patentes encontradas infringidas neste caso representam apenas uma pequena fração do valioso portfólio de dezenas de milhares de patentes da Qualcomm”, acrescentou Rosenberg.

Apple e Qualcomm têm outros processos judiciais por vir, incluindo um julgamento marcado para abril. Esse caso envolve a disputa da Apple sobre os custos de licenciamento da Qualcomm.

Mas podemos perceber que tudo está favorável para que os processos sejam a favor da Qualcomm. Mas só podemos ter certeza disso depois que os resultados saírem.

Fonte

Co-fundador do Whatsapp continua a criticar o Facebook

E parece que nem todo mundo está satisfeito com o Whatsapp sendo comprado pelo Facebook, mesmo que já tenha algum tempo desde então. Desta vez, o co-fundador do WhatsApp, Brian Acton, apareceu como palestrante em uma aula na Universidade de Stanford no início desta semana.

Nesta palestra, ele falou sobre a decisão de vender a empresa para o Facebook. E ainda acabou pedindo aos estudantes que excluíssem suas contas no Facebook. De acordo com a fonte, Acton falou durante um curso de graduação chamado Ciência da Computação 181.

E fez isso lado de outra ex-funcionária do Facebook, Ellora Israni, fundadora do She ++. Durante a aula, Acton falou sobre o motivo pelo qual ele vendeu o Whatsapp para o Facebook, além do por que ele saiu. E também aproveitou e criticou a iniciativa de priorizar a monetização sobre a privacidade do usuário.

Brian Acton, Co-Fundador do WhatsApp

Durante sua palestra, Acton destacou que grandes empresas de tecnologia e mídia social, como Apple e Google, têm lutado para moderar seu conteúdo. “Essas empresas não estão preparadas para tomar essas decisões”, disse ele. “E nós lhes damos o poder. Essa é a parte ruim. Nós compramos seus produtos. Nós nos inscrevemos nesses sites. Excluir o Facebook, certo?”

Acton tem sido um crítico do Facebook desde que deixou a empresa em 2017 devido a problemas com o desejo do Facebook de monetizar seus serviços. Esta também não é a primeira vez que ele pede que as pessoas excluam suas contas: ele disse a mesma coisa no ano passado , após o escândalo da Cambridge Analytica.

Enfim, por mais que o Facebook tenha cometidos erros grosseiros. Aliás, esses erros derrubariam qualquer empresa se ela tivesse alguma concorrência. O problema é que as redes sociais não estão competindo entre si. Elas estão em algum tipo de acordo mútuo, e as pessoas não ligam para isso.

Elas só querem estar conectadas com outras pessoas. Por isso acaba sendo difícil para o Facebook sofrer perdas pesadas. E nem vamos discutir o fato de que é a maior rede social do mundo.

Fonte

4 jogos se despedem da Xbox Game Pass este mês

Como estamos preocupados, aconteceu realmente. Acabou que mais despedidas foram feitas para os jogos para o Xbox Game Pass. Sim, mais alguns jogos tiveram que sair do serviço.

Mas nem tudo são notícias ruins, felizmente, eles pouparam os títulos AAA em larga escala de serem removidos da biblioteca. Assim, apenas quatro estão saindo no final deste mês de março: Kingdom New Lands, Late Shift, Portal Knights e Sacred Citadel.

Todos os quatro estavam na biblioteca desde abril de 2018, assim, completando quase um ano de sua estadia. Kingdom: New Lands é uma reelaboração de 2016 do Reino, que é, por seu nome, um jogo de simulação de construção de reinos.

Late Shift é a aventura FMV e filme interativo que foi lançado em 2016 e foi exibido em vários festivais filmados naquele ano. O Portal Knights é um RPG de sobrevivência da Keen Games que estreou em 2016 no Steam Early Access e chegou ao console em maio de 2017. E Sacred Citadel , o único dos quatro jogos para Xbox 360, lançado em 2013. É um brawler de rabisco lateral.

Enfim, como podemos ver, não foram grandes e renomados jogos que foram retirados. Mas ainda sim, isso preocupa bastante as pessoas que costumam gostar daqueles jogos mais desconhecidos.

Além disso, nem todos os jogos mais conhecidos podem estar totalmetne imunes e salvos. Só podemos esperar para que aquele jogo favorito, não seja um dos próximos.

O Late Shift e o Portal Knights estão à venda no Xbox Marketplace agora com um desconto (US $ 9,99 e US $ 15,99, respectivamente) para os Assinantes do Game Pass que desejam continuar seu progresso após o final do mês. Reino: Novas terras (US $ 14,99) e a Cidadela Sagrada (US $ 1,99) não são descontadas.

Existem 217 títulos atualmente na biblioteca Xbox Game Pass. Mas este número está diminuindo pouco a pouco, o que está assustando os seus usuários. Uma assinatura é de US $ 9,99 por mês. Então, temos que avaliar se esta valendo a pena contratar o serviço.

Fonte

Surgem novas imagens do Huawei P30 e Huawei P30 Pro

Já falta pouco tempo para a principal fabricante chinesa de smartphones, Huawei, lançar a sua próxima geração de smartphones da série P30 em um evento global de lançamento em Paris. Já tinham sido divulgadas imagens dos equipamentos, mas agora parecem ser renderizações oficiais que mostram os próximos smartphones Huawei P30 e Huawei P30 Pro na cor preta.

Como mostrado pelas renderizações anteriormente lançadas sobre os dois smartphones, o P30 e o P30 Pro contarão com “notch” waterdrop e um design quase sem moldura. A versão P30, como você pode ver nas renderizações abaixo, terá um ecrã plano, enquanto o Huawei P30 Pro, por outro lado, possui um ecrã com as laterais curvas, similar ao Mate 20 Pro.

Além da opção de cor preta vista nesses renderizadores, espera-se que o P30 Pro esteja disponível nas opções de cor Sunrise Red, Twilight e Aurora. O P30 estará disponível nas cores Crepúsculo, Branco e Azul.

Passando para trás, podemos ver que os dois smartphones não têm sensor de impressão digital visível. Isso não é surpreendente, pois eles deverão ter um leitor de impressões digitais no ecrã em vez de um sensor montado na parte traseira. Para imagens, o modelo P30 Pro possui um total de quatro sensores na parte traseira.

O quarto sensor do P30 Pro é inclinado para ser um sensor ToF. Ele incluirá um sensor principal de 40MP com uma lente de abertura f / 1.6, uma lente grande angular secundária de 16MP com abertura f / 2.2 e uma lente zoom de 8MP com uma abertura f/2.4.

Graças a um sistema de lentes de zoom estilo periscópio e à magia de software, o smartphone será capaz de zoom híbrido até 10x. O P30 contará com uma configuração de câmara tripla com um sensor principal de 40MP com uma abertura f/1.8, sensor grande angular de 16MP e uma lente zoom de 8MP com zoom ótico de 5x.

O Huawei P30 é deverá ter um ecrã OLED de 6,1 polegadas com resolução 1080 x 2340 Full HD + e uma relação de aspecto de 19,5:9. O seu irmão mais caro terá um painel OLED de 6,47 polegadas com a mesma resolução Full HD +. Por dentro, o P30 e o P30 Pro funcionarão em um chipset Kirin 980 de 7nm.

Em termos de memória, o P30 incluirá 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento interno, expansível ainda mais por meio do cartão proprietário NanoMemory da Huawei. O Huawei P30 Pro vem com 8GB de RAM e até 512GB de memória onboard.

Fonte: MySmartPrice

Apex Legends: o BattlePass pode chegar em breve

A Apex Legends surpreendeu o mundo dos jogos há dois meses. Este jogo mostrou ao mundo dos jogos, uma nova e frenética dinâmica ao gênero Battle Royale. E não é para menos: é um sucesso que já atraiu mais de 50 milhões de jogadores.

Mas agora a questão diz respeito a se Respawn pode ou não manter e converter sua nova e voraz legião de jogadores. Afinal, é muito comum que os jogadores saiam e deixem o jogo de lado depois de algum tempo.

Felizmente para a Respawn, a Fortnite abriu o caminho quando se trata de monetizar esse tipo de jogo. Dando a ideia de oferecer o jogo de graça, para então gerar lucros de uma loja de itens virtuais e um Battle Pass. Mas o que queremos discutir aqui, é principalmente sobre este último.

Battle Pass

O conceito Battle Pass permite que os usuários se inscrevam para subir de nível e ganhem skins e outros itens cosméticos. Apex Legends, no entanto, tem uma oportunidade única de tornar o Battle Pass ainda mais atraente. Por enquanto, essa oportunidade é chamada de Octane.

Acredita-se que Octane, que por acaso é um personagem do jogo, seja o personagem Battle Pass do jogo. Ainda não sabemos nada, mas um “dataminer” e algumas fotos supostamente vazadas fizeram com que rumores surgissem.

Assim, as pessoas estão cogitando que a Octane tem uma habilidade no estilo stim-shot. A qual lhe permite trocar velocidade de movimento por sua saúde. Além de outra habilidade que lhe permite recuperar a saúde de situações de combate.

Mas o seu último boato é o que as pessoas estão animadas, se os rumores forem verdadeiros. Acredita-se que a habilidade suprema da Octane seja uma plataforma de lançamento. A qual permitiria que toda a equipe saltassem durante uma luta.

Ainda não sabemos se estes rumores podem se tornar reais. E muito menos temos como informar mais detalhes sobre eles. Mas há um toque curioso. Enquanto esperamos pelo lançamento do Battle Pass, Respawn fez algo interessante.

Ela colocou um punhado das mesmas plataformas de lançamento no jogo em torno do Marketplace no mapa. Estas são plataformas de lançamento estáticas, mas funcionam mesmo assim. Enfim, só temos que esperar para ver o que será disso.

Fonte

Microsoft enviará lembretes para os usuários do Windows 7 migrarem para o Windows 10

É fato, o Windows 7 pode ser antigo, mas ainda é um sistema operacional muito popular. Não é para menos que a Windows está descaradamente, tentando boicotar o seu próprio sistema.

As estatísticas mais recentes sugerem que milhões de PCs ainda têm esse software instalado. O que pode ser prejudicial para a Microsoft. Assim, ela já vem tomando ações para que esses usuários migrem para o novo sistema Windows, o Windows 10.

A empresa de tecnologia dos EUA já avisou os usuários que está terminando o suporte para o Windows 7 no início de 2020. Ou seja, não haverá novas atualizações de segurança enviadas aos usuários. Assim, podemos tomar isso como o início da ofensiva da empresa.

Em um comunicado, a Microsoft explicou: “Todas as coisas boas devem chegar ao fim, até mesmo o Windows 7.

“Depois de 14 de janeiro de 2020, a Microsoft não fornecerá mais atualizações de segurança ou suporte para PCs que executam o Windows 7.

“Mas você pode manter os bons momentos rolando para o Windows 10.”

Com essa data aparecendo parece que a Microsoft está em uma ofensiva de atualização que espera que as pessoas mudem para o Windows 10. A empresa revelou que está prestes a enviar alertas, na tentativa de fazer com que os fãs do Windows 7 mudem para os 10 softwares mais recentes.

Windows 10 comando Executar

Os lembretes

Em um post em seu site, a Microsoft disse:

“A partir do mês que vem, se você é um cliente do Windows 7, pode esperar que uma notificação apareça no seu PC com Windows 7.

“Este é um lembrete de cortesia que você pode esperar para ver um punhado de vezes em 2019.

“Ao iniciar os lembretes agora, nossa esperança é que você tenha tempo para planejar e se preparar para essa transição.”

Ainda há muitas pessoas que simplesmente não querem mudar para o Windows 10 e é improvável que essas notificações sejam bem recebidas por todos.

Felizmente, parece que a Microsoft está ciente de que seus lembretes constantes podem causar alguma irritação com a empresa. Assim, ela irá proporcionar aos usuários selecionar uma opção “não me avisar novamente”.

A empresa disse que ao selecionar a opção, ela não enviará mais alertas. O último post de Matt Barlow, vice-presidente corporativo do Windows, termina dizendo:

“Obrigado a todos vocês que adoraram o Windows 7 e o Office 2010 e por nos deixarem servi-lo e fazer parte de suas vidas.

“Somos gratos por sua lealdade e estamos aqui para ajudá-lo nessa transição.”

Enfim, não podemos afirmar que essa campanha da Microsoft não tem fundamentos. Ela é uma empresa, e por isso precisa de lucros. Logo, o Windows 10 é o sistema que está gerando mais lucro para a empresa. Assim, esperamos que a campanha seja bem-sucedida.

Fonte

Firefox Send permite envio de arquivos até 25GB

Os desenvolvedores do Firefox, Mozilla, introduziram um serviço que simplifica o processo de compartilhamento de arquivos grandes de forma segura através da internet.  Esse serviço é chamado de Firefox Send e foi originalmente lançado em Agosto de 2017 em modo teste. A empresa veio anunciar que o serviço já está disponível para o público em geral.

Este serviço tem como conceito o envio e compartilhamento de ficheiros até 2,5GB de modo ecriptado e grátis, através de uma plataforma segura e simplificada. É um serviço que aposto será de muito uso para a maioria. Quem ainda não passou pela frustração de não conseguir enviar um ficheiro por ser demasiado grande? Eu já!

Já existem outros serviços deste tipo como é o caso do Gmail, mas que tem como limite ficheiros ou arquivos até 25MB. Comparando com o Mozilla, fica muito atrás. Não querendo diminuir o serviço excelente do Gmail.

Mozilla introduziu o que a meu ver é uma grande vantagem, o modo de encerramento/destruição dos links, como nos filmes do 007. È possivel definir automaticamente o periodo de expiração dos mesmos. O usuário poderá escolher o periodo de tempo e o número permitido de downloads até que o link seja anulado.

A opção vai desde 1 a 100 downloads ou 5 minutos a 7 dias em termos de periodo de tempo. Há também a possibilidade de definir uma senha para compartilhar o arquivo com quem quiser.

Para começar a usar este excelente serviço, que por enquanto é gratuito, só terá de efetuar o registo ou login com uma conta válida do Mozilla.

O Firefox Send é uma boa alternativa a outros serviços que são pagos e que alguns não têm a capacidade de envio que este tem. Ainda não é um serviço pago mas penso que deverá ser em breve, infelizmente.

Faça aqui o seu registo/login: Firefox Send