Youtube elimina 5 milhões de vídeos “inapropriados”

24 de Abril de 2018
4 Partilhas 100 Visualizações
Passatempo Phone House

 

O Youtube eliminou cerca de 5 milhões de vídeos da sua plataforma nos últimos três meses de 2017. Estes vídeos foram eliminados devido a violações dos termos de uso do Youtube.

O Youtube (e outras empresas) tem sido criticado por governos e outras entidades da sociedade civil (como empresas de publicidade) por falta de acção contra conteudo extremista na plataforma. Algumas empresas como a Gamble Co ou a Undr Armour Inc chegaram mesmo a fazer boicote devido às suas publicidades aparecerem antes de vídeos que as mesmas consideraram totalmente “inapropriados”.

Colocar inteligência artificial a retirar automaticamente vídeos que marque enquanto inapropriados está a ser um sucesso? A empresa parece considerar que sim, segundo informação avançada pela Reuters na segunda-feira. Mas a empresa reconhece que o sistema ainda não está totalmente oleado, sendo que 1.6 milhões de vídeos que não foram identificados pela IA acabaram por ser eliminados devido à denúncia de utilizadores, activistas ou governos.

Também o Facebook anunciou na segunda-feira que eliminou 1.9 milhões de publicações ligadas a conteúdo extremista do Estado Islâmico ou da Al-Qaeda nos primeiros três meses de 2018.

Extremismo e Desinformação

Oficiais do Youtube sublinham que é muito mais fácil identificar e eliminar conteúdo extremista do que desinformação ou informação falsa. O conteúdo extremista, que contenha linguagem de ódio ou que incite directamente à violência, é fácil de detectar. É também relativamente consensual que vídeos que apelem à violência ou ao terrorismo devem ser eliminados do Youtube. Aquilo que constitui ou não “linguagem de ódio” já levanta mais questões. Mas onde o problema se torna realmente bicudo é na questão das “fake news”. É muito difícil colocar em prática um policiamento de “mentiras” sem atropelar de forma muito grave a liberdade de expressão. São raras as situações em que o modo de acção aparece enquanto claro e consensual: por exemplo, durante o tiroteio do Youtube, alguém entrou na conta de Twitter de um dos funcionários do Youtube para espalhar falsa informação. Nesse caso é claro que é dever (neste caso do Twitter) de parar a acção do(s) indivíduos) responsáveis pelo ataque e desinformação.

Porém, no discurso politico quotidiano a linha entre verdadeiro e falso, entre interpretação e manipulação é muito complicada. Além disso, estar errado e dizer mentiras são formas de discurso protegidas dentro da liberdade de expressão. Nesse sentido, torna-se perto de impossível de aplicar algum tipo de política da verdade que não viole directamente as liberdades fundamentais dos utilizadores da plataforma.

Fonte: Reuters

Artigos interessantes

Lenovo Z5 Pro GT é o primeiro smartphone do mundo com Snapdragon 855 e 12GB de RAM
Destaques
22 Visualizações
Destaques
22 Visualizações

Lenovo Z5 Pro GT é o primeiro smartphone do mundo com Snapdragon 855 e 12GB de RAM

Wagner Pedro - 18 de Dezembro de 2018

No mesmo evento de lançamento do Lenovo Z5s, a fabricante chinesa também apresentou o Lenovo Z5 Pro GT com Snapdragon…

Sensores de reconhecimento facial são seguros? Enganados por cabeça 3D
Destaques
29 Visualizações
Destaques
29 Visualizações

Sensores de reconhecimento facial são seguros? Enganados por cabeça 3D

Bruno Peralta - 18 de Dezembro de 2018

Os sensores de desbloqueio dos equipamentos são cada vez mais versáteis. Se há uns anos, iniciou-se o sensor de impressões…

Novo smartphone da Xiaomi é certificado pelo TENAA
Telemóveis
29 Visualizações
Telemóveis
29 Visualizações

Novo smartphone da Xiaomi é certificado pelo TENAA

Wagner Pedro - 18 de Dezembro de 2018

Um novo smartphone da Xiaomi, que traz o número de modelo "M1901F9T", foi certificado pelo TENAA, que revelou algumas de…

Comente

O seu email não será publico