Uma nova guerra mundial por causa da tecnologia

Red Magic 6S

Nações e empresas de todo o mundo estão a ser atiradas para uma batalha em andamento sobre o futuro da tecnologia entre os Estados Unidos e a China, forçando-as a escolher lados num conflito que está a causar danos nas cadeias globais de fornecimento e a empurrar as empresas para fora de mercados lucrativos.

A mais recente vítima é o TikTok, uma aplicação de vídeos que é popular entre os adolescentes e que tem centenas de milhões de fãs dedicados, em mercados como a Índia e Estados Unidos. A aplicação é propriedade de uma empresa chinesa, mas administrada por um CEO norte-americano.

O primeiro grande golpe ocorreu no mês passado, quando o TikTok foi bloqueado na Índia, depois de um conflito na fronteira com a China ter provocado pelo menos 20 mortos entre os soldados indianos. Depois, na segunda-feira, as autoridades norte-americanas disseram que considerariam proibir a aplicação no seu território porque a consideram uma possível ameaça à segurança nacional. A notícia foi divulgada quando a empresa disse que deixaria Hong Kong por causa de preocupações com a ampla lei de segurança nacional que a China impôs à cidade.

“Está a tornar-se mais difícil ser uma plataforma tecnológica verdadeiramente global”, disse Dipayan Ghosh, co-diretor do Projeto de Plataformas Digitais e Democracia da Harvard Kennedy School.

A luta neste momento entre as duas maiores economias do mundo é a essência do problema. Os Estados Unidos e a China estão a competir por inteligência artificial, redes móveis 5G super-rápidas e outras tecnologias. Embora os países tenham laços económicos de longa data que possibilitam alguma colaboração, as recentes tensões sobre a segurança nacional levaram os seus governos e empresas a reconsiderar essas parcerias.

O conflito está a espalhar-se também nas relações que esses países têm com outras potências globais. O Reino Unido, por exemplo, está reexaminando a sua decisão de conceder à empresa chinesa de tecnologia Huawei a capacidade de ajudar a construir a rede 5G do país.

Essa hipótese surge depois de os Estados Unidos, que têm analisado repetidamente o comportamento da Huawei, terem imposto sanções à empresa que poderão impedir outras empresas de fornecer os chipsets necessários para a mesma construir a sua tecnologia de próxima geração.

Fonte: CNN Business

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here