Uma em cada quatro empresas estarão baseadas na nuvem no prazo de um ano

Os autores do estudo da O’Reilly, inicialmente uma consultora , agora a maior e mais bem sucedida solução de aprendizagem online para temas técnicos e empresariais disponíveis na internet, alertam que os microserviços ainda podem não estar prontos para qualquer empresa: “só porque uma equipa de desenvolvimento usa as ferramentas, conceitos e métodos de arquitetura de microserviços não significa que tenha adotado a arquitetura de microserviços. P

ode ser que os padrões de microserviços, distintos do desenvolvimento convencional de software, sejam adequados para o caso de uso particular.” A Engenharia de Fiabilidade do Site (SRE) pode ajudar a suavizar este caminho, com 35% das organizações inquiridas a terem implementado uma função SRE, e perto de metade (47%) esperando implementar uma função SRE em algum momento no futuro.

O estudo focou no que os leitores da solução O´Reilly estavam a fazer com a nuvem, microserviços e outras tecnologias críticas de infraestruturas e operações. Por isso, construiram um inquérito e executaram no início deste ano: de 9 de janeiro a 31 de janeiro de 2020. Ao todo, receberam 1.283 respostas.

Vinte e cinco por cento dos gestores de TI que participam no inquérito prevêem que as suas empresas planeiam mover todas as suas aplicações para cloud no próximo ano. E isto é de um inquérito realizado pouco antes da crise do COVID ter chegado e influenciado a economia mundial.

O inquérito a 1.283 gestores de TI, realizado pela O’Reilly Media em janeiro e fevereiro, também conclui que a mudança para ambientes de nuvem não é apenas algo para empresas mais pequenas que não têm grandes departamentos de TI. Dezassete por cento dos inquiridos de grandes organizações (mais de 10.000 colaboradores) já mudaram 100% das suas aplicações para a nuvem.

Mais de nove em cada dez organizações esperam aumentar o seu uso de infraestruturas baseadas em nuvens, revela ainda o inquérito. Enquanto 25% indicam que tudo será movido para a nuvem, é significativo que mais de dois terços (67%) planeam para, pelo menos, mover a maioria da sua infraestrutura (>50%) para a nuvem. Esta é uma grande mudança em curso.

Em termos de fornecedores, a maioria, 54 por cento, usa vários fornecedores de nuvem. A Amazon Web Services (AWS) lidera o caminho, utilizada por mais de dois terços (67%). Outros 48 por cento usam o Microsoft Azure, e perto de um terço (32%) utiliza a Plataforma Google Cloud (GCP).

Evoluir para uma empresa maioritariamente de nuvem requer um conjunto especial de habilidades. O inquérito também explorou a adoção de microserviços, engenharia de fiabilidade do site e computação sem servidores. Mais de metade (52%) das organizações inquiridas dizem que usam conceitos, ferramentas ou métodos de microserviços para o desenvolvimento de software.

Esta é ainda uma abordagem relativamente nova no local, com sete em cada dez a relatar que usam microserviços há menos de três anos. Os autores do estudo especulam que a tendência ´sem servidores´ — definida para efeitos do inquérito como “Função-as-a-Service” –pode ter parado por enquanto, aguardando o desenvolvimento de microserviços e capacidades de SRE. Mais de um terço dos inquiridos (34%) indicam que estão a usar computação sem servidor.

A maioria das organizações que não usam o serviço, no entanto, não têm planos para o fazer em nenhum momento no futuro. “É possível que a complexidade da arquitetura de microserviços, computação sem servidor, arquitetura de malha de serviço e outros padrões de próxima geração esteja a contribuir para, se não conduzir, o interesse em SRE?”, perguntam. Ainda irá levar algum tempo para ver como as coisas se irão desenvolver.

Sem mais demoras, eis os principais resultados:

• À primeira vista, o uso da nuvem parece esmagador. Mais de 88% dos inquiridos usam nuvem de uma forma ou de outra. A maioria das organizações inquiridas também espera aumentar o seu uso nos próximos 12 meses.

• Um número surpreendente de inquiridos — cerca de 25%”, disse que as suas empresas planeiam mover todas as suas aplicações para um contexto de nuvem no próximo ano. Isto inclui 17% dos inquiridos de grandes organizações (mais de 10.000 colaboradores) que já mudaram 100% das suas aplicações para a nuvem.

• A nuvem pública domina, mas a maioria das organizações usa uma mistura de opções de nuvem; quase metade (49%) continuar a executar aplicações em contextos tradicionais, no local.

• Mais de metade dos inquiridos utilizam vários serviços de nuvem.

• A AWS é de longe o líder da nuvem, seguido do Azure (com mais de metade da partilha) e do Google Cloud. Mas a maioria dos utilizadores de Azure e GCP também usam AWS; o inverso não é necessariamente verdade.

• Mais de metade das organizações inquiridas utilizam microserviços.

• Mais de um terço adotou engenharia de fiabilidade do local (SRE); um pouco menos desenvolveram serviços de IA de produção. Para este público, o futuro da SRE é mais brilhante que o da IA.

Fonte: ZDNet

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui