Twitter adopta medidas de combate ao suicídio

O Twitter acaba de revelar um conjunto de alterações na sua política de utilização como forma de responder activamente contra situações que possam indiciar ameaças de suicídio ou de lesões físicas nos seus utilizadores. As medidas surgem numa altura em que a rede de micro-mensagens está debaixo de fogo pela atitude passiva para reduzir casos de abuso ou discursos de ódio. O Twitter assume parte da responsabilidade, poucas semanas após a descoberta macabra de um assassinato que envolveu nove pessoas no Japão.

Um homem de 27 anos foi preso depois das autoridades japonesas terem encontrado na sua casa nove cadáveres, dois deles com as cabeças decapitadas. Takahiro Shiraishi confessou os crimes. “É verdade que tentei esconder os corpos das pessoas que eu matei para destruir provas”, disse o suspeito à polícia. Os cadáveres são de oito mulheres e um homem e as autoridades estão a tentar identificá-las. O jovem contou ainda que cortou os corpos na casa de banho e a polícia encontrou uma serra no quarto dele.

As autoridades fizeram a descoberta mórbida durante a investigação do desaparecimento de uma mulher de 23 anos em Hachioji, a oeste de Tóquio. A polícia prendeu e interrogou o ocupante da casa, que contatou a jovem através da internet e a teria levado ao local. Shiraishi e a desaparecida conheceram-se após uma troca de mensagens pela Internet, após a jovem publicar no Twitter, no fm de setembro, que procurava alguém com quem cometer suicídio. Ela afirmou na rede social que “queria suicidar-se”, mas dizia “ter medo de o fazer sozinha”.

O Twitter vai assim implementar, na sua política de utilização, alterações que permitam a identificação e denúncia, por parte dos utilizadores, de mensagens que possam representar ameaças à integridade física ou mensagens que indiciem tentativas de suicídio. Denunciada a mensagem, o Twitter activará um protocolo de actuação, comunicando com o visado propondo um conjunto de informações, nomeadamente contactos de especialistas dedicados a problemas do foro mental.

Veja também...

Deixe o seu comentário