Renault poderá abdicar de alguns modelos a fim de reduzir custos

Red Magic 6S

De acordo com informações avançadas pela agência Reuters, fontes próximas do Grupo Renault afirmam que a construtora francesa planeia reduzir a sua gama de monovolumes e sedans familiares em virtude de novos Crossovers e SUVs — que têm sido uma nova tendência do mercado.

A existência de uma grande variedade de modelos é positivo na hora de o consumidor escolher o veículo que mais agrada a cada família, no entanto, isso acarreta alguns problemas para as construtoras, principalmente ao nível dos custos de produção e de logística.

Basta lembrarmo-nos do que fez o Grupo PSA, nos últimos anos. É certo que não podemos comparar a dimensão e ambição de cada um. Enquanto a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi levou a uma expansão para outros continentes (graças às diferenças culturais de cada uma das marcas), o Grupo PSA tem-se mantido focado no velho continente.

Este reforço vem numa altura em que a “Renault-Nissan Alliance” se encontra fragilizada face às acusações do governo japonês a Carlos Ghosn, Chairman da Renault e ex-CEO da Nissan. Com a queda de Ghosn, a Renault pretende cortar custos no valor de 2 mil milhões de euros.

O mercado europeu, ao que tudo indica, irá sofrer uma retração, pelo que refere uma das fontes que “[…] o projeto final ainda não está completamente pronto, no entanto, tanto a Espace, a Scenic (o monovolume compacto da marca) e a berlina Talisman devem ser já considerados como descartados para o futuro do grupo, pelo que é praticamente certo que estes modelos parem de ser fabricados (no futuro)”.

À semelhança do que acontece com a parceira Nissan, a construtora francesa pretende investir “[…] menos em monovolumes e sedans, mas um foco maior em Crossovers e SUVs”, referiu a mesma fonte. O planeamento estratégico a ser apresentado no próximo dia 28 de maio pela construtora japonesa, mostrará o enfraquecimento do mercado europeu em virtude de grandes potências como os Estados Unidos, a China e o Japão.

De realçar que, dentro do catálogo do Grupo Renault devem existir mais de 40 modelos diferentes, o que se traduz em custos mais elevados (como mencionado anteriormente por uma fonte). A agravar ainda mais este problema, a pandemia de coronavírus que provocou em toda a indústria automóvel prejuízos avultados. A fabricante Renault, detida em 15% pelo estado francês poderá contar com um apoio estatal de 4 ou 5 mil milhões de euros para minimizar os problemas daí resultantes.

Fonte Autoblog

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here