Renault coloca um ponto final no aluguer das baterias do Renault Zoe

A construtora francesa anunciou que não irá continuar o financiamento por leasing das baterias do Renault Zoe no mercado britânico, sendo que a Renault em Portugal manterá este serviço. A marca justifica com queda dos custos fixos (valores residuais como razão dessa diminuição) a retirada do mercado do contrato de aluguer das baterias que tão bem os caracterizava.

A mobilidade elétrica nunca teve tanta procura como nos dias de hoje. O grupo Renault-Nissan, pioneiro na inovação e desenvolvimento da mobilidade elétrica para consumo privado, tem tido progressos insuperáveis dentro da Europa, pelo menos. O Renault Zoe, por exemplo, é líder de vendas de elétricos, há pelo menos, 4 anos consecutivos — muito o devem à Nissan (com a experiência do Leaf).

A nova versão do modelo Renault Zoe, o ZE50, foi anunciada em junho deste ano, com melhorias significativas. Em primeiro lugar, a inclusão de uma bateria de 52 kWh que assegura uma autonomia de cerca de 400 km, em condição WLTP. Além disso, o novo R135, motor com 100 kW de potência — que assegura uma disponibilidade e velocidade máxima maior.

Em comunicado, a construtora afirma que, “[…] uma das principais razões pelas quais a opção de aluguer de baterias havia sido introduzida, foi [numa fase inicial] reduzir o preço da compra […] de [um] Renault EV para que ficasse o mais próximo possível do preço de um veículo a diesel, com preço semelhante […]”. Assim, com o desenvolvimento tecnológico dos sistemas elétricos e com o aumento da eletrificação do parque automóvel, os custos de fabrico diminuiram, como não poderia deixar de acontecer.

O valor residual associado ao fabrico de baterias para o novo Zoe, no Reino Unido, por exemplo, mostraram que o défice financeiro ao processo de fabrico viu ser reduzido por forma a oferecer uma opção mais viável de venda por parte da construtora para os consumidores.

Renault, até ao momento, era uma das poucas construtoras que permitia esta modalidade que tantos adeptos conseguiu a possibilidade de adquirir um veículo elétrico por um preço mais reduzido. Com apenas 26 mil euros, podia adquirir um classe A/B eletrificado e usufruir de baterias novas sempre que estas se danificassem sem ter de recorrer ao seu crédito pessoal para adquirir novas.

De referir que em Portugal, e em grande parte do resto dos mercados, as baterias continuarão a estar disponíveis para aluguer na aquisição de um Renault Zoe, tal como tem acontecido desde o início.

Fonte: Autocar.co.uk

3 COMENTÁRIOS

  1. Bom dia,

    ESta notícia refere-se apenas ao mercado britânico, em Portugal e na esmagadora maiorira dos mercados vai continuar a existir a possibilidade de aluguer de baterias na aquisição de um Renault ZOE, pelo que, agradecemos que essa menção/correção seja feita na mesma, sob pena de induzir em erro os portugueses.

    Muito obrigado.
    Hugo Barbosa/Assessor de Imprensa
    Renault Portugal

  2. Ainda assim o título engana. Devia ser “Renault coloca um ponto final no aluguer das baterias do Renault Zoe no mercado britânico.”

    Assim seria um título esclarecedor para todos os utilizadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here