Privacidade: Facebook “afasta” 1,5 mil milhões de contas das normas europeias

Sabendo que a 25 de maio entra em vigor o Regime Geral de Proteção de Dados (RGPD), que prevê medidas mais apertadas na forma como os dados são usados e também multas de até 4% das receitas globais dos infratores, a Facebook está a preparar alterações internas para se defender e para contornar as restritivas medidas.

A partir do próximo mês, somente os utilizadores baseados na Europa estarão abrangidos por este regime. Os restantes vão ver uma nova mensagem dos Termos e Condições do serviço que os “coloca” no enquadramento norte-americano, onde se encontra a sede oficial do Facebook. O objetivo é claro: reduzir a exposição do Facebook ao RGPD e evitar as multas.

Com os novos termos de serviço, a rede social liderada por Mark Zuckerberg transferiu a responsabilidade de todos os utilizadores fora dos Estados Unidos, Canadá e União Europeia dos escritórios na Irlanda, onde é a sede europeia, para os escritórios na Califórnia. Isto quer dizer que estes utilizadores ficam agora sob a legislação norte-americana e não sob a europeia, de acordo com o que explica o jornal britânico The Guardian.

Se não cumprir com a nova legislação europeia, o Facebook terá de pagar multas que podem atingir 4% da faturação global da empresa, que ronda cerca de 1,6 mil milhões de dólares. Quando questionado sobre se iria aplicar o novo RGPD a todos os utilizadores, Mark Zuckerberg respondeu que ainda estava a verificar alguns detalhes, mas que “o espírito” devia ser o de direcioná-lo “à coisa toda”. No Congresso, prometeu que aplicaria os “controlos” do RGPD a todos os utilizadores do Facebook.

A medida foi confirmada pelo Facebook e surge depois de a empresa ver o seu nome envolvido em polémicas como a da Cambridge Analytica e de ser acusada de não ter feito o suficiente para defender a privacidade dos utilizadores.
“Aplicamos as mesmas medidas de proteção em todo o lado, independentemente de o utilizador estar vinculado à Facebook Inc [EUA] ou à Facebook Irlanda”, disse fonte oficial da empresa.

As críticas a esta resolução da rede social não tardaram, com o investigador de privacidade polaco, Lukasz Olejnik, a argumentar que a “mudança vai resultar na diminuição da privacidade e direitos dos utilizadores” visto que “os padrões de privacidade nos EUA são menores que na Europa”, lê-se no The Guardian.
Entretanto, a rede de Mark Zuckerberg tem vindo a anunciar novas medidas para evitar a repetição de casos como o escândalo que envolve a obtenção de dados pela consultora Cambridge Analytica, tendo criado novas opções para que as suas ferramentas de privacidade sejam mais fáceis de encontrar e para que os utilizadores controlem melhor os seus dados pessoais.

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here