Prepare-se para mais telefones sem botões físicos

Mas porque nos precisamos de nos livrar dos botões físicos? Serviram-nos perfeitamente bem na última década. Remi Lacombe, vice presidente de ´sales & marketing´ da Sentons acredita que a resposta é tripla, mas começa com um melhor design industrial. Designers que têm vindo a perseguir o ideal de um “unibody sem costura”, o design para telefones pode finalmente atingir este objetivo, as laterais não terão de ser interrompidas com botões físicos. Outra razão, diz ele, é acomodar tecnologias em ascensão, como o 5G e os chamados monitores completos, ´waterfall´, um novo tipo de design de ecrã móvel que´escorrega´ sobre as bordas do telefone.

Pense nos telefones Galaxy da Samsung e nos seus monitores envolventes, mas com um ecrã ainda mais utilizável. “Há uma restrição de espaço”, diz Lacombe. Com o 5G, ele explica, a antena ocupa muito espaço em redor da borda externa do telefone. E se um designer quer incluir um ecrã ´waterfall´ e que curve mais completamente em torno do corpo do telefone-o que é sabido como um ´waterfall´ de 120 graus então não há nenhum espaço deixado para teclas.

O argumento para eliminar restrições de espaço é válido. Acontece ser exatamente o mesmo argumento que a Apple usou em sua defesa quando removeu o phone de ouvido no iPhone: Necessitou mais espaço dentro do chassi para os seus componentes avançados. Lacombe não tem certeza de que o afastamento dos botões físicos fará tanto efeito quanto o afastamento dos phones de ouvido, e isso é porque fazer botões puramente digitais permite uma experiência de utilizador mais personalizável. Canhoto? Pode colocar o botão de energia em qualquer lado do telefone que você quer. Quer um botão da câmara dedicado? Vá em frente e adicione-o. Um telefone que permite escolher o seu próprio layout de botões não torna apenas a experiência mais pessoal. Também é mais enriquecedor. Pode imaginar, por exemplo, o que adicionar vários botões em volta do telefone faria para jogos móveis, já não bloqueará acidentalmente a sua visão da tela ao jogar. Ou talvez um botão deslizante dedicado para controlar o foco ao capturar vídeo ajudará durante as filmagens.

“Os utilizadores estão muito habituados na interface do toque”, diz Lacombe. “Teremos que movê-los lentamente para novos tipos de gestos e uma nova interface de usuário.” Ilya Rosenberg , CEO e cofounder da Sensel, concorda, dizendo que melhores projetos de telefone com uma interface de utilizador melhoradas são as principais razões pelas quais os fabricantes vão querer adotar telefones sem botões. A Sensel, uma empresa que frequentemente experimenta o design de interação, teve no seu primeiro produto, o Morph, um dispositivo de entrada desktop que detecta a pressão do seu toque e pode ser usado para uma variedade de aplicações, desde edição de vídeo até produção musical. Rosenberg mostrou um protótipo de telefone Android com sensores sensel em redor dos lados. Esses sensores de alta resolução detectam a mudança de resistência quando a força é aplicada medindo a compressão – isso é diferente da tecnologia de Sentons, que mede a tensão. Ele funciona mesmo se estivermos a usar luvas ou ter o telefone embrulhado. Rosenberg diz que o sistema da Sensel é menos limitador. Tecnicamente, poderemos usá-lo para adicionar quantos botões digitais quisermos, enquanto a tecnologia do Senton só permite colocar três ou quatro botões digitais nas laterais de um telefone.

Na semana passada, na CES 2020, duas empresas mostraram projetos de protótipos de smartphones sem botões físicos. Imagine: um telefone sem controles dedicados para alterar o volume ou alternar on-off. No entanto, se tocarmos em determinadas áreas nas bordas do ecrã sem costura, o telefone reagiria como se você tivesse apenas pressionado um botão de energia ou manuseado o volume. O protótipo de smartphone sem botões da Sensel usa sensores nas laterais para detectar quando estamos a aplicar pressão com o polegar. De seguida, altera o volume para cima ou para baixo, dependendo de onde pressionamos. Nos próximos anos, há uma boa chance de a maioria dos smartphones transitar botões físicos com os digitais, ou substituí-los completamente. A transição já começou. O HTC U12 Plus de 2018 foi um dos primeiros a usar apenas botões sensíveis à pressão. Mais recentemente, o ROG Phone 2 da Asus, que tem botões físicos, também utiliza áreas sensíveis ao toque, o que é útil para certos tipos de videojogos. E por quatro anos seguidos, os telefones Pixel do Google também já permitem que se convoque o Google Assistent com um aperto. Os telefones da HTC e Asus usam a mesma tecnologia da Sentons, com sede em San Jose, Califórnia. Esta depende de uma combinação de um sensor ´piezoelétrico´ e um medidor de tensão para imitar um botão físico. O sensor usa ondas ultrasónicas para identificar onde o dedo repousa na lateral do telefone, e o medidor mede a força através da pressão na superfície.

O novo Asus ROG Phone 2 usa sensores que agem como gatilhos quando o telefone é mantido no modo ´landscape´. Remi Lacombe, vice-presidente sênior de vendas e marketing da Sentons, admitiu que a iteração de sua tecnologia dentro do telefone da HTC não era perfeita – no meu tempo com o U12 Plus, eu estava a frustrar a forma como os botões digitais sempre ativam nos momentos mais inoportunos -, mas apontou para o Rog Phone 2 e disse que os sensores melhoraram desde então, e tem razão. Os botões invisíveis no telefone mais recente da Asus são um grande passo na capacidade de resposta, com o benefício adicional de que eles oferecem uma camada extra de controlo ao jogar. Os telefones protótipo que a Sentons mostrou na CES, também reagem ao toque com uma precisão especial e atraso zero.

Fonte: Wired

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here