Portugueses desenvolvem ferramenta para deteção e prevenção de ataques informáticos na Europa

Com a progressiva utilização de tecnologias da informação em unidades militares e estruturas de comando, as ameaças cibernéticas e possíveis incidentes nas capacidades de defesa dos estados-membros da União Europeia (UE) são cada vez mais uma realidade que importa prevenir, já que um incidente de segurança cibernética pode comprometer a segurança e integridade dos países e, inclusivamente, levar à perda de vidas humanas.

O projeto europeu PANDORA (Cyber Defence Platform For Real-Time Threat Hunting, Incident Response and Information Sharing) pretende contribuir para o fortalecimento da capacidade de defesa cibernética da UE, através do desenvolvimento de uma ferramenta aberta, disponível a todos os países-membros.

“Esta solução utiliza técnicas de inteligência artificial e processamento automático para detetar em tempo real um ataque informático. Ao mesmo tempo que sinaliza o ataque, procura saber mais sobre a sua origem, para fazer uma caracterização e partilhá-lo com outros países para que estes se possam proteger”, explica António Pinto, investigador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e docente na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Politécnico do Porto, em nota enviada à imprensa.

O facto do sistema ser aberto e integrado permitirá melhorar os recursos de deteção e reação, promovendo a partilha de ameaças cibernéticas no domínio da defesa, complementando as soluções de segurança tradicionais já existentes em cada país. “Prevemos que este projeto dê uma contribuição decisiva para o desenvolvimento das capacidades de resiliência cibernética da UE”, afirma António Pinto, que faz parte da equipa portuguesa que integra o projeto.

O sistema PANDORA será testado em dois cenários diferentes: segurança naval militar e segurança de rede de sensores militares. No primeiro caso, a ferramenta será instalada num navio de guerra, um alvo muito vulnerável a ciberataques, já que faz uso de muitas tecnologias e sistemas de informação. Serão testados os sistemas de combate. No segundo caso, a solução será testada nos sensores de comunicações wireless presentes em armas, munições, veículos, robôs, entre outros, que comunicam informação sensível sobre a localização de infraestruturas e equipamentos militares.

O projeto tem 15 parceiros, de 7 países. Em Portugal, além do INESC TEC, participam o Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação da Academia Militar (CINAMIL) e o GMVIS Skysoft. O consórcio inclui ainda: Space Hellas (o líder, da Grécia), Infili Technologies PC (Grécia), Orion Innovations PC, UBITECH – Ubiquitous Solutions (Grécia), HMEI Zrt. (Hungria), Cyber Services Zrt. (Hungria), Centre Tecnològic de Telecomunicacions de Catalunya (Espanha), Austrian Institute of Technology (Áustria), GATE WATCHER (França), Naval Group (França) e NVISO – (Bélgica).

É financiado em mais de 7 M€ pela Comissão Europeia através do EDIDP (European Industrial Development Programme).

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here