NVIDIA focada na GPU A100, o processador de gráficos mais poderoso da marca

O processamento gráfico tem assumido uma importância cada vez maior para o comum dos utilizadores, desde os computadores até aos automóveis, passando pelos telemóveis e pelas consolas. Os grandes avanços alcançados pela GPU, a Graphics Processing Unit, ocorre essencialmente durante o seu desenvolvimento para PC.

Hoje, o destaque vai para a NVIDIA que anunciou a introdução da sua Ampere GPU no mercado — esta não se destina a qualquer consumidor. A GPU A100 é o processador de gráficos mais poderoso alguma vez lançado pela marca. Este processador foca a sua atenção para os data-centers e desenvolvimento de inteligência artificial.

A prova de que é o topo do topo é o facto de ter sido recentemente implementada num  servidor de data-center avaliado em 200 mil dólares. Esta GPU A100 vem substituir a anterior placa gráfica de 2017, também ela voltada para o processamento de dados e AI, a Volta-based V100.

A propulsão da A100 é capaz de uma performance de 19,5 teraflops, 6.912 CUDA cores e 40 GB de memória dedicada, com uma largura de banda de 1,6 TB/s. Isto, possível graças aos seus “tensor cores“, que são unidades de processamento mais complexas que os CUDA cores de placas gráficas convencionais.

Mas como funcionam? Os núcleos (tensor cores) recorrem a uma matriz de leitura de 4 x 4 sob a forma de FP16, que por si só já permite uma rapidez de processamento extraordinária. Contudo, o que estes núcleos fazem é duplicar o input de FP16, através de duplicador/acumulador na mesma matriz base para FP32 de output, traduzindo-se numa elevada rapidez mas menor precisão no processamento quando comparado com os CUDA cores.

O novo data-center de processamento de IA, o DGX A100 AI recorre a oito unidades de A100 para formar uma GPU de dimensões megalomanas. Ao combinar estas unidades, a GPU consegue um total de 320 GB de memória dedicada com uma largura de 12.4 TB/s, auxiliado por um dispositivo de armazenamento SSD NVMe de 4ª geração de 15 TB de espaço para o processamento de atividades de machine-learning.

Se esperava notícias relativas à nova geração de placas gráficas RTX, a série RTX 3000, parece que ainda não foi desta que ficamos a saber mais novidades em relação ao topo de linha voltado para o consumidor convencional. Contudo, existem rumores que apontam que alguma da tecnologia usada nesta GPU A100 poderá ser replicada dentro das novas boards da série 3000.

Fonte Engadget

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here