Motivos para animar-se com o futuro do poker português

Jogar poker nunca foi tão bom como agora. Seja em Portugal ou em outros países da Europa, o número de jogadores não para de aumentar com torneios disputados em casinos ou em sites online que englobam o mundo todo.

Não é por acaso que o poker é tido como o segundo desporto que mais cresce no mundo, atrás apenas das artes marciais mistas. Em Portugal, tudo começou a ficar sério em meados da última década, quando foi criado o Solverde Poker Season. Maior circuito do país, o torneio trouxe um senso de profissionalização necessário para a modalidade crescer.

Actualmente, a Solverde Poker Season é jogada em diferentes casinos por todo país. Só neste ano, aconteceram etapas em lugares como Espinho, Algarve e Chaves. É o circuito de poker mais antigo de Portugal.

Junto com o Solverde Poker Season vieram os grandes jogadores portugueses que consolidaram seus respetivos nomes por todo poker internacional, como João Vieira, Pedro Marques, Diogo Veiga e tantos outros.

João, por exemplo, é um jogador de classe mundial que neste ano conquistou o seu maior título da carreira. Em julho, o português venceu pela primeira vez uma etapa do World Series of Poker para conquistar mais de US$ 750 mil em premiação.

“Ganhar 5 braceletes é um dos meus principais objetivos. Esta foi a primeira e é um grande peso que me sai dos ombros”, disse o jogador após conquistar a vitória em Las Vegas.

Os prémios dos jogadores portugueses não param de subir e o cenário de crescimento dos jogadores no âmbito mundial é parecido com o “boom” que os brasileiros tiveram há cerca de cinco anos.

Também em 2019, Pedro Marques, segundo maior em prémios da história do poker português, brilhou em uma etapa do European Poker Tour ao conquistar a vitória em Barcelona para ganhar US$ 366 mil.

O título coroa uma fase incrível do jogador. Em torneios ao vivo, ele conseguiu suas quatro maiores premiações nos últimos dois anos e só em competições realizadas na Espanha. Especialista em etapas do European Poker Tour, Pedro Marques rapidamente tornou-se um dos principais jogadores da Europa.

Já Diogo Veiga é outro português a ter uma bracelete do World Series of Poker. No ano passado, o jogador conquistou uma etapa para vencer aproximadamente US$ 520 mil em sua maior premiação da carreira.

A conquista de Diogo Veiga foi incrível para o poker português, pois foi a primeira bracelete a ser ganha por um jogador do país. “Foi quase como a primeira vez que cheguei em Vegas. Tive demasiada confiança e depois deu tudo certo. Esta bracelete vai para a sala de troféus e lembrarei de tudo que aconteceu”, disse o jogador após a vitória.

Experiente nas mesas de poker e com mais de 10 anos de carreira na modalidade, Diogo Veiga tem seu nome amplamente reconhecido no cenário desportivo europeu e o jogador provou com o título do World Series of Poker de 2018 que continua em óptima fase.

Portugal também é a terra do fenómeno de popularidade chamado poker online e não faltam jogadores de qualidade para representar o país em um bom nível pela internet.

Actualmente, o principal português no poker digital é Luís Faria. Especialista em diferentes tipos de torneios, o jogador de Coimbra ocupa a posição número 132 no ranking mundial. A colocação pode parecer baixa, no entanto, é consideravelmente óptima tendo em conta a alta competitividade do poker online. Além disso, a modalidade é de fácil acesso e pode ser disputada em dispositivos da Apple, Samsung e tantos outros.

No ano passado, Luís Faria chegou ao auge de sua carreira no poker ao online ao ficar entre os 110 melhores ranqueados no mundo todo. Só em prémios pela internet, o jogador de Coimbra já garantiu US$ 2,5 milhões.

Outro jogador português que merece destaque é Rui Bouquet. Do Faro, o jogador também tem uma premiação bem alta em sua carreira e acumula US$ 996 mil ganhos.

Assim como Luís Faria, Rui Bouquet já chegou a ter uma colocação muito boa no ranking mundial. No início do ano, o jogador do Faro ficou entre os 155 primeiros. Actualmente, ele ocupa a posição de número 244.

Portugal já deixou de ser um mero coadjuvante no poker mundial. Com jogadores de grande relevância como João Vieira, Pedro Marques, Diogo Veiga, Rui Bouquet e Luís Faria, o país elevou o seu status perante ao mundo das cartas.

Como todos esses competidores citados alhures ainda são bem jovens, é bem provável que Portugal continue a evoluir no poker e assim para conquistar resultados ainda mais expressivos no futuro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here