Missão OSIRIS-REx da Nasa teve uma aterragem inesperada

OSIRIS-REx é o nome dado a uma sonda espacial cujo o objetivo é a recolha de amostras minerais de asteroides, mais especificamente o asteroide 101955 Bennu. É esperado que as recolhas destas amostras possam ajudar os cientistas a melhor entender a evolução do nosso Sistema Solar.

Esta sonda espacial foi lançada a 8 de setembro de 2016, sendo que a 3 de dezembro de 2018 a OSIRIS-REx entrou na órbita do asteroide, a cerca de 19 Km de distância do mesmo, tendo também equiparado a sua velocidade a este objeto celeste. Durante o seu tempo junto do asteroide, a sonda já realizou algumas recolhas de amostras, no entanto a sua última tentativa de recolha é decididamente a mais marcante até ao momento.

Numa atualização publicada recentemente, a agência norte-americana partilhou que durante uma aterragem no asteroide a sonda correu o risco de se afundar no mesmo; uma situação que foi rapidamente resolvida ao ligar rapidamente os seus propulsores assim que tocou na superfície deste corpo celeste.

Ao que parece, o exterior do asteroide Bennu é constituído por um conjunto de partículas soltas e muito pouco compactadas que acabam por criar muito pouca resistência. Segundo a própria NASA, este efeito será idêntico a “afundarmo-nos numa piscina de bolas de plástico”. Ron Ballouz, cientista pertencente à equipa OSIRIS-Rex, também afirmou: “Quando ativámos os propulsores para deixar a superfície, ainda estávamos a afundar-nos no asteroide.”

Esta descoberta acabou por mudar a perceção que os cientistas tinham deste asteroide. Até este acontecimento os cientistas tinham a expectativa de que o asteroide seria constituído por um material idêntico à areia encontrada nas praias. A reação de Bennu à sonda espacial também deixou os cientistas intrigados, visto que durante esta breve interação a OSIRIS-REx deixou uma cratera de 8 metros de diâmetro na superfície do asteroide.

A sonda OSIRIS-REx tem o seu regresso planeado para o final de 2023, o que ainda oferece tempo à equipa responsável para realizar mais algumas recolhas de amostras, o que depois deste acontecimento tornou-se ainda mais importante. O regresso desta sonda e das suas amostras não só ajudará equipas de investigação a interpretar melhor os asteroides quando observados remotamente, como também poderá ajudar a desenhar futuras missões a estes corpos celestes.

Fonte: Mashable

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui