Inicio Carros Mercedes-Benz poderá reduzir algumas plataformas e motorizações até 2023

Mercedes-Benz poderá reduzir algumas plataformas e motorizações até 2023

Red Magic 5G

O mercado automóvel está em constante mudança, pelo que a eletrificação para a grande maioria das marcas tem sido uma prioridade. Ultimamente, no âmbito do Salão de Genebra 2020, assistimos à apresentação de diversos modelos eletrificados ou mesmo cem por cento elétricos.

Os alemães da Mercedes-Benz demonstram o seu empenho para com as novas expetativas do mercado automóvel com a introdução de novos modelos totalmente elétricos, dada a forte adesão dos últimos anos. Segundo Markus Schafer, Chefe do Departamento de I&D da Mercedes, revela que a empresa alemã toma volta as suas atenções para a redução de custos e otimização dos lucros através da redução da diversidade de modelos — menor complexidade, face ao menor número de linhas de montagem para múltiplos modelos.

A título de referência, o responsável pelo departamento de investigação assegura que a marca germânica possuí, neste momento, mais de 45 modelos diferentes, de onde muitos não teriam futuro. “Estamos a analisar o nosso portefólio, especialmente quando estamos a anunciar tantos veículos cem por cento elétricos […]. A ideia consiste na simplificação, retirando modelos automóveis, mas também algumas plataformas, motorizações e componentes [específicos de cada modelo]”, refere ainda.

Entre os modelos possivelmente a serem suprimidos ou reformulados estão os classe-G, o SL, o AMG GT e o classe-S que possuem todos eles plataforma únicas, o que dificulta na hora de otimizar as linhas de montagem da construtora mais antiga da Alemanha.

As alterações da construtora mais forte do grupo Daimler AG seguem a tendência do mercado, como foi o caso do plano de modernização e eletrificação apresentado pela BMW, com o anúncio do novo BMW Series 7, onde se verificam os planos do grupo BMW até 2023, e onde o série 7 será um dos 12 modelos totalmente elétricos no universo de um total de 25 eletrificados da marca bávara.

Por fim, Markus Schafer, assegura que “[…] o plano, não é abandonar os V8 ou V12 assim o consumidor continue a demonstrar interesse”, pelo que, seguramente quererá dizer que ainda têm futuro, numa indústria cada vez mais pressionada pelo seu impacto ambiental. A recém chegada norma Euro 7, força ainda mais a predominância dos motores de quatro cilindros, mas nada que a marca alemã não tenha já refletido.

Fonte Autocar

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here