Marcelo “chumba” lei que regula Uber e Cabify

O Presidente da República solicitou este domingo ao Parlamento que volte a apreciar a lei que regulará as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros como a Uber e a Cabify.

“O Presidente da República enviou uma mensagem à Assembleia da República, indicando que decidiu devolver, sem promulgação, o decreto n.º 201/XIII, relativo ao regime jurídico de transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica”, o chamado TVDE, informa uma nota publicada no ‘site’ da Presidência.

O objetivo de Marcelo Rebelo de Sousa é que o parlamento “mostre abertura para reponderar a mencionada solução, por forma a ir mais longe do que foi — nomeadamente nas tarifas ou na contribuição –, na obtenção desse equilíbrio no tratamento de operadores de transportes em domínio socialmente tão sensível, idealmente regulando o TVDE em simultâneo com a modernização da regulação dos táxis”, refere a mesma informação.
O parlamento aprovou no final de março, em votação final global, a lei que vai regular a atividade das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros em viaturas ligeiras descaracterizadas.

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, este decreto “vem reger uma matéria nova, no que respeita ao transporte individual e remunerado de passageiros, com implicações em termos económico-financeiros, sociais e jurídicos”. “A situação não é exclusivamente nacional, antes tem motivado reflexões e debates em curso em inúmeras sociedades, europeias e não europeias”, aponta o chefe de Estado, referindo que, como “não se conhecem casos de regulação nacional específica, […] o presente decreto é de cariz inovador”.

Porém, “o regime ora submetido a promulgação apenas disciplina a matéria de TVDE, anunciando embora o propósito de equilibrar os direitos e as obrigações dos dois tipos de entidades em presença”.

Em sentido contrário devia “integrar no nosso ordenamento jurídico inovações tecnológicas significativas, acautelando situações criadas no passado e que merecem proteção”, vinca Marcelo de Sousa. Apesar de reconhecer “o esforço desenvolvido pelo Governo e pelos partidos que o aprovaram, para tentar encontrar o mencionado equilíbrio”, o Presidente considera assim que o diploma “suscita duas reservas políticas de fundo”.

Em primeiro lugar, assinala que, “ao abranger só uma das entidades concorrentes, perde a oportunidade de, ao mesmo tempo, rever, em conformidade, o regime legal da outra entidade (os táxis), ou seja, perde a oportunidade de tratar de forma global e com maior equidade o que assim poderia e deveria ter sido tratado”.

Como segunda reserva, Marcelo Rebelo de Sousa indica que “o propósito de alcançar uma solução equilibrada não foi plenamente atingido”. “No caso dos táxis há contingentes, que não existiriam para o TVDE. E essa diferença essencial deveria ter sido adequadamente compensada, sobretudo porque, nos táxis, as tarifas continuam a ser fixas, ao contrário do TVDE, em que são livres”, elenca o Presidente, argumentando que “estas duas diferenças económico-financeiras de peso não são compensadas nem pelo uso de corredores BUS, nem pelas praças e o acesso em plena via pública […], hoje muito menos significativos devido à possibilidade de chamada por via eletrónica para qualquer local” nas plataformas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here