LinkedIn é processada por “secretamente” ler os dados da área de transferência do iOS com frequência

A detecção da área de transferência no iOS 14 não está apenas levando os desenvolvedores a repensar a privacidade do aplicativo – também está colocando essas empresas em problemas legais.

O iOS 14 vem com um novo recurso que alerta os usuários se um aplicativo estiver copiando e colando texto da área de transferência. Por este mesmo motivo, O TikTok lançou uma atualização que impediria o aplicativo de acessar a área de transferência dos usuários do iOS.

Várias pessoas que obtiveram acesso antecipado ao sistema operacional móvel descobriram que o aplicativo de vídeo em formato curto copiava o que estava digitando com a frequência de 1 a 3 pressionamentos de tecla, com base nos alertas que recebiam.

Enfim… A Reuters relata que o usuário do iPhone Adam Bauer processou o LinkedIn por alegar que a rede social focada no trabalho “secretamente” lê os dados da área de transferência do iOS com frequência, incluindo a Universal Clipboard, que compartilha conteúdo copiado com dispositivos próximos.

blank

A empresa de propriedade da Microsoft estava espionando os usuários, de acordo com o processo, e supostamente violou a lei da Califórnia no processo.

LinkedIn

O porta-voz do LinkedIn, Dan Miller, disse ao Engadget que a empresa estava “ciente e analisando” o processo. A empresa disse anteriormente que não armazena ou transmite dados da área de transferência e que planeja corrigir o problema com uma atualização de aplicativo em 14 de julho. Houve uma falha na verificação de igualdade entre a área de transferência e o que você digitou, disse o vice-presidente da empresa, Erran Berger.

Não há garantia de que o processo obterá o status de ação coletiva ou seguirá adiante. No entanto, pressiona os criadores de aplicativos a limitar seu acesso aos dados do usuário.

Mesmo que as intenções sejam boas, os usuários podem recuar ao ponto em que desejam processar. Isso poderia melhorar a privacidade geral, apenas devido aos altos custos legais de ignorar as preocupações.

Fonte

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here