Jogámos a beta pública de Battlefield 2042

A beta pública de Battlefield 2042 já terminou, mas foi o suficiente para os fãs da franquia experimentarem o título que será lançado para meio do próximo mês. No geral, é seguro de dizer que a experiência foi muito positiva após a primeira meia-hora de “aquecimento” e adaptação ao jogo.

Algo que gostaria de notar é a própria versão da beta, que se trata de uma iteração mais antiga do que aquela que a equipa de desenvolvimento tem agora em mãos. Isto deve-se ao facto da versão mais recente já ter muitos problemas da beta resolvidos, mas devido à sua instabilidade a própria DICE decidiu optar por esta versão mais estável para o evento da beta.

Esta versão é apenas constituída por um único mapa, Orbital, localizado em torno de um centro de lançamentos espaciais. Uma das novas adições da franquia é a remoção de classes e adição de especialistas, que para o efeito do evento foram apenas quatro: Webster Mackay, Maria Flack, Wikus “Casper” Van Daele e ainda Pyotr “Boris” Guskovsky. Mackay foi construído para flanquear adversários com o seu gancho de escalada, Flack é a médica de serviço com uma pistola estimulante semelhante à do operador Doc de Rainbow Six Siege, já Boris usa torretas automáticas para defender áreas, e por fim Casper possuí um drone aéreo usado para bater terreno.

blank

Para efeitos de teste joguei a beta tanto em PS4 como em PC, mas sempre com o crossplay ativo. Decidi começar pela consola de geração anterior e notei uma performance bastante estável, mas com margem para umas pequenas melhorias; no entanto a experiência foi limitada a apenas 64 jogadores no servidor devido às limitações de hardware. Já em PC notei logo uma experiência mais fluída, devido em grande parte ao uso de um rato mas, na minha perspetiva o próprio jogo parecia realmente fluir melhor, além disso foi aí que tive a caótica mas divertida experiência de 128 jogadores num só servidor.

O gameplay de Battlefield 2042 difere de títulos anteriores devido à remoção do sistema de classes, como já referido. Apesar das diferentes habilidades de cada especialista, todos eles partilham o armamento o que acaba por oferecer uma experiência Battlefield ainda mais criativa. Outra nova mecânica é a modificação de armas em tempo real, que permite ao jogador alterar a sua arma no meio do combate, e que pessoalmente adorei tendo acabado por utilizá-la demasiadas vezes.

Os veículos deste título têm um manuseamento familiar e como de costume são fáceis de aprender mas difíceis de aperfeiçoar. Ao contrário de iterações anteriores não existe agora um botão de reparo e o jogador tem de esperar pela regeneração de “saúde” do veículo. Pessoalmente acho uma boa maneira de equilibrar o gameplay de veículos, no entanto o tempo de espera até que o veículo comece a regenerar deveria de ser encurtado. O jogo conta com a nova geração de caças, versões futuristas de veículos blindados e de helicópteros, e ainda uma versão com turbinas do avião de descolagem vertical, Osprey, que acabou por ser o meu favorito devido à sua versatilidade e blindagem.

No entanto é de notar o enorme desequilíbrio que os helicópteros possuem, devido à sua enorme capacidade de ataque e à dificuldade que outros têm para os abater. Para comparação um caça consegue ser abatido usando apenas um míssil, enquanto que um helicóptero pode sobreviver até 3 destes.

blank

O mapa Orbital apesar de divertido e único, devido à presença de um evento de lançamento de foguete espacial ou de tornado, não terá sido a melhor escolha para a versão beta. Num servidor com até 128 jogadores a maioria focou-se na área principal, que consiste no enorme edifício de montagem, na torre de lançamento e edifícios no periférico imediato, deixando assim a maioria dos outros objetivos a serem visitados pelo ocasional grupo de jogadores. No entanto é de notar a enorme quantidade de detalhes presente e ainda o sistema de clima dinâmico que parece ter agora uma maior probabilidade de acontecer.

A DICE já referiu que está atenta a todo o feedback que receber e que já se encontra a tratar do problema de diferenciação de jogadores, dado que agora todos usamos os mesmos personagens independentemente da equipa. No geral, Battlefield 2042 foi uma experiência muito divertida e positiva e é bom de saber que já se encontra num nível de qualidade que agrada muitos jogadores. Ficaremos assim à espera da versão final que lançará no próximo dia 19 de novembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here