Fundador do WhatsApp abandona o Facebook

Jan Koum, um dos fundadores do WhatsApp, anunciou que vai abandonar a empresa Facebook. Segundo um o anúncio de Jan Koum, este abandono deve-se ao seu desejo pessoal de passar mais tempo em actividades fora do âmbito tecnológico, mas uma reportagem do Washington Post refere que esta decisão está relacionada com uma divergência de estratégia com Mark Zuckerberg.

whatsapp

Recorde-se que depois da aquisição da aplicação WhatsApp por parte do Facebook, Jan Koum permaneceu à frente dos destinos da aplicação, agora subordinados aos planos de Zuckerberg.

“É tempo de eu partir”, referiu Koum, adicionando que irá dedicar-se a actividades como “coleccionar Porsches raros” e outros dos seus hobbies pessoais.

A decisão poderá estar relacionada com a forma como o Facebook quer utilizar a informação dos utilizadores do WhatsApp

Segundo o Whasington Post, esta decisão já foi tomada há meses e não está relacionada com um súbito desejo de Koum de coleccionar Porsches. Koum e o Facebook tem divergências profundas em relação ao modelo de negócio que deve ser utilizado para o WhatsApp. Koum é contra a invasão de publicidade para dentro do WhatsApp. Koum era também contra a partilha de informação entre as plataformas WhatsApp e Facebook (essa batalha acabou por ser ganha por Zuckerberg). Correm rumores que a encriptação das mensagens no WhatsApp também será retirada, uma funcionalidade que foi introduzida em 2016 dois anos após a aquisição da App por parte do Facebook.

A questão da encriptação terá sido uma das divergências mais escaldantes entre Koum e Zuckerberg. O Facebook quer colocar a encriptação mais fraca para que as empresas possam usar o esta plataforma de chat para adicionar diversas funcionalidades de publicidade à experiência do utilizador. Isto tornaria o WhatsApp mais próximo da aplicação de mensagens do Facebook, o Messenger, que não inclui encriptação.

O Washington Post refere que esta decisão de Koum já tinha sido tomada antes do escândalo da Cambridge Analytica

Fonte: The Washington Post

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here