Firestorm — Análise ao modo battle-royale de Battlefield V

Com uma abordagem interessante, chega-nos pelas mãos da Criterion, mais um título com Battle-Royale para acrescentar à lista dos atuais modos disponíveis — Firestorm. E sim, o mapa é tão intimidante quanto o nome.

Cenário

Halvoy, é um mapa fictício onde decorre a Firestorm, particularmente escolhido tendo por base as regiões montanhosas da Noruega, não sendo especificamente algum local desta região. Os biomas e a texturização utilizados fazem de Havoly um mapa especial, em que quem teve a oportunidade de o experienciar, sente o dinamismo associado ao modo de jogo, assim como, a possibilidade de planeamento tático – algo que não acontece com frequência em outros jogos com Battle-Royale.

Ambientação

Em comparação com estilo clássico de Battle Royale, em Battlefield 5, a Firestorm forma uma competição de 64 jogadores ao invés de 100, como em Fortnite. A presença de elementos bucólicos (elementos da natureza) faz com que a ambientação torne o mapa extremamente realista e funcional, permitindo por exemplo, um fantástico camuflado para maior furtividade numa emboscada. Os limites da Firestorm, ao contrário de outros Battle Royale, são mais agressivos, destruindo tudo por onde passam, desde edifícios a elementos naturais, penalizando fortemente o jogador na quantidade de vida. Falamos afinal de fogo, não é verdade? Tomemos como exemplo, o título Fortnite aquando da presença do jogador fora dos limites da “storm” penaliza-o em 2 de vida a cada segundo. Por sua vez, a Firestorm em Battlefield V penaliza o jogador numa perda de 7 de vida, o que é mais do triplo da Fortnite.

Matchmaking

Seria injusto comparar o matchmaking do modo Firestorm com outros modos idênticos, uma vez que a dimensão gráfica, de texturas e até de jogadores varia de título para título. Se comparado com outros modos de Battlefield V, reparamos que, ocasionalmente, a Firestorm apresenta matchmakings com menor tempo de espera, em relação a, por exemplo, o modo Conquest.

Mecânicas

Visto que o mais recente modo Battle-Royale de Battlefield 5 foi realizado pela Criterion – produtora coadjuvante de Battlefield, mas principal de Firestorm, algumas das mecânicas dentro desse modo foram alteradas. O condutor de um tanque, por exemplo, neste modo apenas conduz o próprio tanque, ficando impedido de manusear qualquer equipamento de artilharia. Estes terão que ser operados por elementos da equipa.

Objetos como caixas de madeira e outros destrutíveis não quebram, garantindo assim um menor consumo do motor gráfico e, assim, menos stress no processamento do mapa. Alguns objetos demoram mais tempo a serem danificados, como por exemplo, árvores e edifícios.

As físicas balísticas foram alteradas para este modo. É notória uma ligeira facilitação na manutenção da trajetória dos tiros disparados, resultando numa facilitação do uso das armas em combate, principalmente de rifles de precisão ou snipers.

Aspeto extremamente positivo, foi o melhoramento do inventário, passando a um modelo mais avançado e complexo, onde o jogador poderá gerir os seus itens que podem ser, tanto munições, como armas, pequenos gadgets, as placas metálicas, os kits médicos, combustível e sinalizadores (de objetos, de bombardeamento e spot-flare [sinaliza o inimigo]). Não poderia ser de outra forma, respeitando as regras de um Battle-Royale.

Ao contrário de outros modos de Battlefield V, em Firestorm existem coletes balísticos que podem ser encontrados ao longo do mapa, de diferentes categorias, sofrendo alterações (que podem ser face à integridade das placas, qualidade ou falta delas).

A reanimação de outros jogadores ou “revive”, foi também alterado em relação aos outros modos, neste de forma mais irrealista, pois o jogador “dá revive” à sua equipa à distância de uma mão estendida na direção do jogador abatido. (DBNO) “Down-but-not-out” é uma funcionalidade que permite, à semelhança de outros Battle-Royale, deslocar-se enquanto abatido pelo mapa, ficando apenas sujeito ao limite da vida que lhe resta e à benevolência dos outros jogadores inimigos. Neste modo, o jogador poderá usar uma arma secundária, procurando acertar no inimigo – o que é uma tarefa quase impossível.

Aquando do salto de paraquedas do avião inicial, o jogador tem a possibilidade de ter um maior controlo direcional do seu paraquedas do que em outros modos do mesmo jogo. Enquanto, num modo normal, o jogador pouco controla a direção da sua queda vertical, em Firestorm, o jogador tem a possibilidade de planar por algum tempo com o paraquedas até ao seu destino (ainda que limitado, quando comparado com outros jogos).

Reinforcements

Ao contrário do que acontece em outros modos do título Battlefield, Firestorm, permite que os diversos reinforcements disponíveis possam ser utilizados simultaneamente por diversas equipas e jogadores através de sinalizadores. Abandona-se o uso de uns binóculos para o lançamento do V1, assim como termina a restrição de lançamento de um de cada vez (por equipa).

Funcionalidades

“One in the chamber” é uma funcionalidade que permite manter uma bala dentro da arma após a colocação de um pente balístico, retendo o ferrolho e, colocando outro carregador, esta permanece como extra ao novo pente. A funcionalidade mantém-se em relação ao original, pormenor bastante interessante.

Ao contrário do que acontece em outros modos, o carregamento de veículos armados passou a ser efetuado manualmente com recurso à exploração limitada dos materiais existentes no mapa.

Os automóveis e veículos armados passaram a necessitar de combustível para circularem, estando limitados a um depósito que, variando de caso para caso, pode necessitar de um ou mais jerricans para ficarem abastecidos.

A inclusão de um protótipo de helicóptero tem a desvantagem de mostrar a localização muito rapidamente ao inimigo e se for bem utilizado, permite que a se desloque rápida e eficazmente, varrendo a área e os jogadores inimigos, constituindo assim uma vantagem.

Em particular, a Firestorm apresenta pontos “re-suply” em vagas aleatórias (com presença assídua na primeira vaga) em 3 pontos específicos.

Os kits médicos podem ser utilizados para restaurar a vida ao próprio personagem como aos elementos da equipa que se encontrem junto dele. Para além disso, se quiser despender de alguma da sua munição ou kits, poderá fazê-lo “dropando” a munição, ou seja, retirando-a do seu inventário.


Em geral, o modo Firestorm cumpre com os requesitos de um verdadeiro Battle-Royale, mas com um toque diferente. Deparamo-nos com um ambiente mais pesado, afetando os jogadores mais frágeis. O verdadeiro estratega, ganha uma batalha de Firestorm, sabendo gerir munições, armas e timings.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here