Estudo do MIT revela que condutores de Teslas ficam desatentos com o Autopilot

O carismático CEO da Tesla, Elon Musk, anunciou que a versão 10.0.1 do “Full Self-Driving” vai ser disponibilizada até ao final desta semana.

Esta decisão gerou polémica visto que os reguladores encontram-se a investigar a segurança do sistema, depois de se ter verificado algumas falhas. Neste seguimento a líder do National Transportation Safety Board, Jennifer Homendy, veio a público dizer que a Tesla deveria tratar das questões de segurança, visto que é uma questão sensível, e só depois disponibilizar o Autopilot e o Full Self-Driving.

Os reguladores também estão contra o facto de a Tesla se encontrar a testar o software numa versão beta em estradas públicas, pondo em risco outros condutores. Esta questão não se coloca na Europa, visto que, de acordo com a legislação em vigor em espaço europeu, não é possível utilizar este tipo de tecnologias.

blank

Segundo noticia o TechCrunch, foi feito um estudo pelo MIT que revela que o sistema desenvolvido pela Tesla pode não ser assim tão seguro. No estudo pode ler-se:  “os padrões de comportamento visual mudam antes e depois de se desligar o Autopilot. Quando ativado, os condutores ficam menos focados na estrada e concentram-se mais nas áreas não relacionadas com a condução”, e indica, também que “a maior proporção de olhares para fora da estrada antes da desativação do autopilot não foi compensada por observações para a frente mais demoradas”.

Pode-se concluir, com este estudo, que os condutores ficam mais distraídos com sistemas de condução automático, visto que não têm de estar, obrigatoriamente, 100% focados.

O sistema de “Full Self-Driving” requer que o condutor esteja focado na estrada, visto tratar-se de um “sistema de apoio à condução”. O estudo do MIT fornece evidências de que os condutores podem não estar a utilizar o autopilot (AP) da Tesla, conforme recomendado. O estudo indica, ainda, que muitas vezes o condutor acaba por tirar as mãos do volante e ocasionalmente desvia o olhar da estrada.

Para mais detalhes, consulte o estudo aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here