Estudo apontam que mais de 4 em 10 portugueses comprariam um carro através da internet

O Echangeur, um dos centros de investigação económica do departamento Prospetivo Cetelem – BNP Paribas Personal Finance, realizou o estudo Access Panel 2020 que inquiriu três mil indivíduos e revela novas conclusões sobre o impacto da Covid-19 na dinâmica de consumo dos consumidores, com especial destaque no setor automóvel.

De acordo com o último estudo sobre decisões orçamentais e dinâmicas de consumo, a grande maioria da população nacional (95%) afirma ter um veículo automóvel. Entre os proprietários de automóveis 47% mencionaram que o seu agregado tem um carro e 40% dois. No que respeita o tipo de motor, 65% refere ter um veículo a diesel e 56% a gasolina. Apenas 2,6% diz ter um veículo híbrido e menos de 1% um totalmente elétrico.

Pedro Nuno Ferreira, Head of Automotive Financial Services do BNP Paribas Personal Finance Portugal, refere “Sabemos que os portugueses consideram o automóvel um transporte vital e um meio de liberdade. Se adicionarmos a estes elementos o contexto atual, não é surpreendente a percentagem de veículos em Portugal. Mas esta relação vai muito além do tipo de motorização escolhida. Muito por força das novas formas de mobilidade e da crescente preocupação ambiental temos também assistido a uma mudança na relação que estabelecemos com o veículo automóvel. Quanto às motorizações, as estratégias globais que visam diminuir a importância do diesel e potenciar os veículos elétricos estão a resultar em parte. Se os veículos movidos a gasolina aumentaram significativamente nos últimos anos, e não se prevê que diminuam a curto prazo, os híbridos e os elétricos começaram a ganhar espaço no parque automóvel nacional.”

O novo consumo

Se a situação pandémica e o confinamento levaram a uma mudança e adaptação das formas de comprar e consumir, o setor automóvel e os automobilistas foi também impactado, conforme fica enfatizado pelos resultados no estudo. De forma geral, desde o início da crise, assistimos a uma aceleração das intenções em relação às novas práticas relativas a automóveis.

O número de portugueses a dizer que poderiam comprar um carro online sem o ver e testar aumentou 12 pontos percentuais entre janeiro de 2020 (pouco antes da crise COVID-19) e setembro de 2020 (depois do primeiro confinamento). 31% dos portugueses disseram em janeiro de 2020 que podiam comprar um carro online sem o ver e sem o testar antes; 43% em setembro de 2020. Destes, 19% afirmam que só o fariam caso fosse um veículo novo (setembro de 2020), enquanto no início do ano eram 15%. Um aumento de 4 pontos percentuais. Já para 18% seria indiferente ser um carro novo ou usado (setembro de 2020), um aumento de 6 pontos percentuais face aos 12% em janeiro.

“A Covid-19 está a impactar o ecossistema automóvel um pouco por todo mundo e o desafio tem sido encontrar novas formas de servir os clientes, de mostrar a resiliência do setor, de sobreviver para voltar a crescer, e isto tem sido feito através de uma aposta ainda maior no online”, acrescenta Pedro Nuno Ferreira.

O fim do primeiro confinamento foi também um período oportuno, devido ao adiamento de projetos, no que respeita a planeamento de projectos de compra futuro pelos portugueses. Em particular, no que se refere aos projetos previstos para a compra de um carro nos próximos dois anos, a intenção de comprar um carro usado aumentou 5 pontos percentuais desde o início do ano, o que evidencia um novo padrão. (16% dos portugueses diziam em janeiro de 2020 que comprariam um carro usado nos próximos dois anos, ao passo que 21% pretendiam fazê-lo em setembro de 2020).

Além disso, explicado pelo efeito de adiamento relacionado a crise Covid-19, a intenção de comprar um carro novo nos próximos dois anos também aumentou, mas em menor grau (um aumento de 3 pontos percentuais). 15% dos portugueses planeavam comprar um carro novo nos próximos dois anos no início do ano e 18% em setembro de 2020.

A possibilidade de disponibilizarem as suas viaturas para alugar a outros alguns dias por mês, via um profissional (concessionário de automóveis, etc), e assim para poupar dinheiro no orçamento automóvel é outra das novas práticas relacionadas com o sector automóvel que seria muito bem recebida pela população e que foi acelerado pela crise, com 37% a afirmar que pretendem fazê-lo em setembro de 2020 vs 30% em janeiro de 2020 (um aumento de 7 pontos percentuais).

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here