Esquece o Carteiro

socialHá poucos dias começou a ser exibido o filme The Social Network… Rede Social, convenientemente traduzido para a língua de Camões , onde se “relata” a criação do Facebook pelo “visionário” Mark Zuckerberg.

Um filme onde graficamente é representado o verdadeiro passo do inicio do fim da socialização tradicional, com a introdução de uma ferramenta que na exploração extrema do ego, capaz de levar virtualmente a todo o mundo ligado à rede doses q.b. de exibicionismo e voyeurismo.

Em rota de colisão com essa problemática, recupero algo que escrevi em Março do ano passado que curiosamente publiquei em primeira mão no Facebook, com o titulo  Esquece o Carteiro.

Madrugada de 7 de Março de 2009

Recordam-se dos tempos das cartas, não existia e-mail, HI5, Facebook, Messenger, SMS, telemóvel e todas as outras parafernálias tecnológicas?

Lembram-se da quase uma semana que demorava a chegar a carta e outra semana para receber a resposta (quando chegava)?

O ritual de escrever à mão sem teclado, sem smiles, sem animações, sem sons, quem tinha alguma destreza aventurava-se a desenhar no espaço livre, e depois, comprar o selo e mais uma vez para os audazes, uma lambidela no selo (a cola era doce) colava-se e metia-se no marco do correio.

– Ufa! Já está!

Quantos casais, namorados, amigos se comunicavam assim e com os esporádicos telefonemas?

– Ena tanta pergunta… Só mais umas.

Os casamentos eram piores? Os namoros, as amizade eram menos sentidas?

Claro que não, uma esposa, um namorado, um amigo que merecia a estafa de escrever uma carta, comprar envelope, comprar selo e ir ao marco do correio é porque era mesmo importante e marcante na vida de quem escrevia.

A vida era mais lenta e calma, menos imediatista e consumista, prezando-se significativamente a qualidade à quantidade, claramente dando tempo à consolidação dos afectos.

A carta tem glamour, tem cheiro, tem tacto, tem até ADN (restinhos pequeninos de pele e baba de saliva por trás no selo e na cola de fecho do envelope, isto para os audazes, claro), o e-mail tem um clique, tem uma leitura na transversal, pois temos de ser rápidos porque existem mais uns quantos para ainda ler, frios e assépticos.

A parafernália tecnológica de comunicação é óptima, liga-nos ao mundo, estamos sempre ao alcance da informação, a imensa e basta informação está lá para nos ser útil mas também inútil, distractiva, perturbadora, influenciadora e quase totalitária por vezes.

Quase que não ter pelo menos uma das ferramentas destas tecnologias no bolso ou à distancia de um clique é um convite à exclusão.

Mais do que nunca, nunca se viram tantos círculos de amigos, tão grandes, catalogados e classificados das mais diversas formas, serás bom ou mais amigo­­/namorado/marido pela quantificação de um (ou vários) dos seguintes itens:

– nº de sms por dia (rácio semana);
– posição em que estou listado na Friend List (Hi5, Facebook, etc);
– no Messenger, falas ou não;
– estou na tua mailling list de e-mails cool;
– recebo toques telemóvel, recebo dedicatórias e mensagens no Hi5, Facebook…
– comparação de sms, de comentários no HI5’s e afins, de imagem e smiles, enviados a outros amigos da rede (medição de afecto);
– etc

A insipidez e frieza destes meios, cria e suporta relações, dá-lhes valor afectivo mascarado e ainda serve para medir relações.

– Perdeu-se o glamour, ganhou-se a rapidez…
– Perdeu-se a paciência, ganhou-se a satisfação imediata…
– Perdeu-se os sentido de espaço, ganhou-se o não há limites para quase nada.

A mensagem da palavra, da frase, do parágrafo, do texto já não interessa e ninguém tem paciência para ler, entender compreendendo, assimilar, agora a mensagem é pela quantidade, é pela animação flash, é pela colecção de hits, de estrelinhas, de visitas, de sms, de toques…

– É…

É quantidade e quantidade e assim me mede uma amizade e tudo o resto.

Ainda me recordo do carteiro fardado e de bicicleta, saudade da paciência e calma de saber esperar aprendendo e assimilando afectos, lendo e relendo cada parágrafo, cada letra, cada frase como se cada leitura fosse a primeira. A emoção de escrever, a emoção de receber, tudo tão ritualista (no sentido da celebração de afectos), excitante e sentido.

Actualmente estar contactável é escravidão tecnológica completamente confundível com afectos electrónicos, um toma lá um beijo em bit e byte e uma devolução de outro beijo com outros quantos bits e bytes.

As parafernálias tecnológicas, as redes sociais, vieram para ficar, usa-las com espírito ritualista e do escrever uma carta, ler como se fosse – a carta – pode ser um caminho entre tantos outros, talvez uma tentativa de aquecer a gélida tecnologia, e os imediatistas e frívolos afectos.

– Nunca antes estivemos tão próximos e tão distantes.

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here