Ensaio BYD ATTO 3: Análise

A indústria automobilística está a assistir a uma revolução silenciosa, impulsionada pela crescente adesão aos veículos elétricos. Neste cenário em constante evolução, surge o BYD Atto 3, um SUV compacto que promete deixar a sua marca no mercado português.

À primeira vista, o BYD Atto 3 pode parecer apenas mais um concorrente no segmento de SUVs compactos, mas uma olhada mais atenta revela uma proposta que desafia as expectativas. Com uma autonomia impressionante de 420 km, o Atto 3 não só atende às necessidades do dia a dia, mas também abre caminho para viagens mais longas sem a ansiedade que normalmente acompanha os veículos elétricos.

No entanto, a pergunta que persiste é: o BYD Atto 3 está realmente preparado para enfrentar os seus concorrentes já estabelecidos no mercado português? Esta questão não é apenas sobre a capacidade do carro em si, mas também sobre a posição da BYD, uma marca que, apesar de ser líder mundial na produção de veículos eletrificados, só agora começa a ganhar terreno na Europa, e mais especificamente em Portugal.

A chegada da BYD ao mercado europeu é um eco de momentos históricos na indústria automobilística, lembrando-nos da ascensão dos fabricantes japoneses nos anos 80 e da emergência dos coreanos nos anos 90, que na época eram vistos com ceticismo, mas hoje lideram em vários mercados europeus. A BYD, e com ela a indústria automobilística chinesa, parece seguir esses passos, mas com uma vantagem crucial: uma experiência já consolidada na mobilidade elétrica. Esta vantagem não se limita apenas à tecnologia dos veículos, mas abrange também a produção e a logística dos minérios essenciais para esta nova era automobilística.

Portanto, nesta análise, vamos explorar o BYD Atto 3 não apenas como um veículo, mas como um símbolo de uma mudança mais ampla na indústria automobilística. Será que este SUV compacto será apenas mais um competidor no mercado português, ou será o precursor de uma nova era dominada pela inovação chinesa em mobilidade elétrica? Acompanhe-me nesta análise detalhada para descobrir.

Interior

No que diz respeito aos seus assentos, a sua aparência desportiva com uma bela combinação de suporte e conforto de longa distância é um dos destaques imediatos. O seu volante revestido de couro podem ser ajustado de forma agradável ao seu gosto.

Existe muito espaço de armazenamento, desde os porta-copos duplos até a abertura espaçosa abaixo do túnel central, e os bolsos das portas com cordas podem acomodar uma garrafa de bebida, bem como dar cada corda dá um som diferente (e vai querer experimentar).

Portas USB duplas e um carregador sem fio estão disponíveis para mantê-lo atualizado, o fato do Apple CarPlay ser ligado (o Android Auto é sem fio) torna o carregador sem fio redundante para quem deseja usar o espelhamento do smartphone.

Existe uma verdadeira sensação de qualidade aqui. Todas as superfícies são bastante macias, o seu acabamento em couro sintético nos bancos e no volante dá uma impressão bastante convincente do verdadeiro negócio, e as portas fecham com um toque reconfortante.

Um enorme teto solar panorâmico traz-nos uma iluminação ambiente muito agradável. No que diz respeito à tecnologia, o display compacto na frente do motorista é simples, mas eficaz, com uma leitura de velocidade proeminente e uma variedade de opções de computador de bordo.

Quanto ao enorme display giratório de infoentretenimento que domina o painel? É uma mistura. Na maior parte, é rápido e fácil de navegar em movimento, com ícones grandes e uma estrutura de menu bastante simples. Mas a parte giratória será apenas para demonstrar, e não mais que isso.

Motor

No que diz respeito à potência do BYD Atto 3 este vem com um motor elétrico no eixo dianteiro com 150 kW e 310 Nm. Ele é acoplado a uma bateria LFP de 60 kWh, com autonomia estimada de 420 km no ciclo de testes WLTP.

Ligado a um carregador AC ele recarregará a 7kW, conectado a um carregador rápido DC BYD diz que o Atto 3 pode aceitar até 80kW. O nosso consumo médio em condições maioritariamente urbanas situou-se entre 15 e 16 kWh por 100 km equivalente a uma autonomia de até 400 km.

Condução

Suave, silencioso e confortável, o BYD Atto 3 é um paraíso em movimento! Como todos os carros elétricos, ele salta dos semáforos mais rápido do que um carro comum a gasolina ou diesel, e faz isso silenciosamente… exceto por um barulho artificial abaixo de 20 km/h, projetado para avisar os pedestres que está a aproximar-se.

O BYD não possui modo de direção de pedal único e, mesmo em seu modo mais agressivo, a travagem regenerativa que desacelera o carro usando o motor elétrico como um dínamo para devolver energia à bateria não é particularmente perceptível infelizmente.

A qualidade do passeio efetuado foi excelente. A BYD não tentou tornar o Atto 3 um carro desportivo e, em vez disso acabou por o preparar para flutuar sobre buracos e as nossas tradicionais lombas. Um ponto forte do carro nesse aspeto foi que nos manteve isolados do que estava a acontecer do lado de fora, embora ocasionalmente possa parecer um pouco flutuante devido aos solavancos repetidos.

A assistência pré-colisão pareceu-nos com excesso de zelo dado que tende a soar o aviso quando não existe risco de acidente. No entanto, o aviso pode ser desligado pelo ecrã sensível ao toque, mas a verdade que é reativado sempre que for ligar o carro novamente.

As outras assistências ao motorista da BYD estão bem calibradas. O controlo de cruzeiro adaptativo mantém com segurança uma distância em relação ao carro da frente, e o assistente de manutenção de faixa empurra-o para trás entre as linhas brancas quando “foge” das linhas.

Segurança

O BYD Atto 3 possui classificação de segurança ANCAP cinco estrelas com base em testes realizados em 2022.

Esse teste obteve uma classificação de proteção de ocupantes adultos de 91 por cento, uma classificação de proteção de ocupantes infantis de 84 por cento, uma classificação de proteção de utilizadores vulneráveis de 69 por cento e uma classificação de assistência de segurança de 80 por cento.

Veredito: BYD Atto 3

Este veiculo dirige com o tipo de polimento que esperaria de uma marca que fabrica carros elétricos desde 2009 e está generosamente equipado considerando o seu preço tendo em conta os principais rivais mais diretos. O Extended Range tem alcance suficiente para cobrir a maioria das necessidades e traz consigo um aumento de preço mínimo em relação ao modelo Standard Range, o que faria com que fosse a minha opção.

Quanto ao que há de errado com este carro na nossa opinião, a única questão real é como a BYD se irá portar irão se comportar no que diz respeito ao tempo de serviço, isto é, no apoio no pós-venda. Tendo em conta que o seu importador é a Salvador Caetano, acredito que as coisas irão correr bem, pelo menos enquanto a Europa não encontrar uma forma de atacar os carros fabricados na China, como tem sido falado.

Mas nenhuma das nossas preocupações ou gosto pessoal a nosso ver seria suficiente para reter os compradores na sua decisão de compra.

REVER GERAL
Veredito: BYD Atto 3
ensaio-byd-atto-3-analiseEste veiculo dirige com o tipo de polimento que esperaria de uma marca que fabrica carros elétricos desde 2009 e está generosamente equipado considerando o seu preço tendo em conta os principais rivais mais diretos. O Extended Range tem alcance suficiente para cobrir a maioria das necessidades e traz consigo um aumento de preço mínimo em relação ao modelo Standard Range, o que faria com que fosse a minha opção.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui