Em 2024 a Apple e Amazon irão fazer um ´reboot´ no transporte

Vamos começar com a companhia de Cupertino. A ZDNet refere saber que a Apple tem um projeto suficientemente grande e secreto em andamento que tem algo a ver com carros. Em 25 de junho de 2019, comprou a Drive AI, uma empresa que cria autocarros autónomos e tem partilha de boleias na área de Arlington, Texas, por uma quantia não revelada.

O autor do artigo refere não achar que esta seja uma versão de CarPlay que a Apple pretende licenciar para fabricantes de automóveis para permitir que eles liguem e conduzam como autónomos.

Estará sim a desenvolver um carro de verdade. Em dezembro de 2020, a Reuters noticiou que a Apple planeia lançar algum tipo de veículo elétrico em 2024. Mas não acredita que este seja um carro que alguém possa comprar, por si só. O que acha é que a Apple está a desenvolver a sua versão da Uber. Mas vai ser muito, muito melhor, e muito mais exclusivo.

A Apple, para continuar a diferenciar-se como uma marca de luxo, está a trabalhar para integrar a tecnologia ride-share com os seus produtos iOS. Um dos privilégios de propriedade de iPhone no futuro poderia ser acesso a um serviço exclusivo ride-share, propriedade da Apple, usando veículos elétricos premium sem condutor apenas disponível para esse serviço.

O que pagaria todos os anos para poder convocar o seu carro elétrico de luxo e robótico 24 horas por dia? Que tal $1.000 (cerca de 820€) ? Ou $2.000? (cerca de 1640€ )Ou $3.000 (cerca de 2455€)? E o que estaria disposto a pagar em média por viagem, se não por ano ou mês? Cinco dólares? Dez dólares? Por $3.000 (cerca de 2455€)por ano, posso considerar seriamente, mesmo que adore os meus carros. Talvez até $5.000 (cerca de 4091€) por ano. Ainda é consideravelmente mais barato do que um aluguer de carro de luxo e o custo total de propriedade. E a $1.000 (cerca de 820€) ou mesmo $2.000 (cerca de 1640€ ) por ano? Não é fácil.

Embora um serviço de partilha de boleias da Apple seja fantástico, provavelmente está um pouco mais longe do que gostaríamos. A tecnologia sem condutor está muito perto de estar totalmente pronta. Ainda assim, a legislação exigida a nível federal, muito menos uma base cidade-a-cidade, poderia facilmente levar cinco anos até que os EUA sequer permitam carros totalmente sem condutor na estrada.

A Apple é uma das poucas empresas que tem recursos financeiros e de engenharia consideráveis para trabalhar com um fabricante de automóveis como a GM, Chrysler, Nissan — ou até mesmo a Tesla — para construir um EV especializado para partilha de boleias e para criar a infraestrutura de carregamento automatizado para estas coisas, bem como o serviço depósitos para manter o funcionamento.

A Tesla seria um grande parceiro para tal atividade, uma vez que a sua rede de super-carregadores já está construída. Ainda assim, a Apple não precisaria necessariamente da sua ajuda porque a empresa pode comprar o seu caminho em qualquer coisa. A especulação original era que a Apple estava a considerar comprar a Tesla.

No entanto, Elon Musk afirmou recentemente que Tim Cook recusou a oferta de três anos, apesar de ser um caminho para a Apple conseguir um produto para o mercado de forma rápida. Mas também não me surpreenderia ver a Tesla, uma vez aperfeiçoado o seu software de condução autónoma, para criar um serviço de partilha de boleias uber. Enquanto a Apple labuta nisto em segredo e aperfeiçoa o seu ADN elétrico sem condutor, existe a Amazon.

A Amazon está a trabalhar em algo semelhante ao que acreditamos que a Apple está a criar, mas estará ligada a incentivos e recompensas como Prime, a linha do PrimeRide. Em 2020, a empresa comprou a ZOOX, uma empresa de veículos sem condutor que constrói carrinhas de transporte elétrico altamente especializadas. Recentemente mostrou como estes veículos se parecem, e são, de facto, extremamente futuristas. É uma coisa syd Mead-Esque, tipo pod para partilhar passeios para até quatro pessoas.

Com a AWS, a Amazon pode usar big data e outros tipos de técnicas de análise e aprendizagem de computador para agendar rotas de recolha de manhã e à tarde rapidamente. A Amazon pode rapidamente capitalizar a sua aquisição da Whole Foods, fazendo de cada local uma base das operações destes veículos para abastecer, carregar
e carregar entregas, se fizerem versões de utilidade destes veículos. E pegar e deixar as pessoas que querem ir às compras pessoalmente versus online.

Se os esforços da Apple ou da Amazon se concretizarem, a indústria automóvel será severamente perturbada. As empresas de aluguer de automóveis quase certamente enfrentarão mais consolidação, e veremos as empresas tradicionais de partilha de boleias enfrentar desafios significativos. Podem desaparecer completamente, especialmente quando utilizam elétricos sem condutor a tecnologia torna-se não só tecnologicamente madura, mas mais aceite legalmente e culturalmente.

Quando o software de condução autónoma for aperfeiçoado o suficiente para que praticamente todos os veículos que viajam em estradas e estradas se tornem sem
condutor, a nossa sociedade enfrentará uma total perturbação. Inicialmente, é provável que isso aconteça com a condução a longo prazo, onde as questões de segurança devido à fadiga do condutor são um verdadeiro problema.

A eliminação de acidentes e as melhorias que a indústria logística e de transportes irá desfrutar sozinha proporcionará aprendizagens para outras coisas, como as viagens de autocarro. Eventualmente, diferentes tipos de rideshare autónomo e outros serviços de transporte surgirão, que oferecerão uma gama de diferentes tipos de veículos autónomos dependendo da aplicação necessária e dos níveis de amenidade desejados. Como em tudo o resto, haverá orçamento, negócios e ofertas de luxo.

Possuir um carro não fará mais sentido, e bairros residenciais e comercialmente ´zonados´podem mudar radicalmente devido a uma necessidade muito reduzida de longo prazo ou lugares de estacionamento de curta duração. O espaço pode ser muito melhor otimizado se apenas 20% a 40% do estacionamento existente for necessário para veículos de propriedade pessoal. Apenas os verdadeiramente ricos, que quererão privilégios especiais e ofertas que estes serviços não podem fornecer, continuarão a possuir os seus carros.

Haverão outros benefícios adicionais: a nossa população envelhecida, que trabalhará muito mais tempo devido ao seu aumento de tempo de vida, terá liberdade de mobilidade – mesmo que eles possam não ser bem capazes para conduzir mais. Eles vão retirar o seu dispositivo móvel, pedir uma recolha, e a sua boleia estará lá em minutos. O que acontece com os motoristas? No futuro, será uma atividade que será considerada como um risco desnecessário, um vestígio de um tempo mais perigoso que a maioria de nós vai relegar para a história.

Serão considerados, talvez como pensamos hoje em dia, nos fumadores. Ou comedores de carne. Eles serão indivíduos persona non grata que colocam as suas próprias vidas em risco e aqueles que os rodeiam pelo seu comportamento imprevisível. Podem até ser removidos por lei da estrada durante o horário nobre ou segregados em cursos ou áreas de condução recreativa e talvez avaliados negativamente pelos seus emitentes de apólices sobre o seu risco de seguro. E é assim que à medida que as tecnologias sem condutor melhorarem, não haverá mais Uber, Hertz ou até proprietários de carros. E eis como a Apple e a Amazon nos levarão a todos para um passeio.

Como produto da Gen X, o autor do artigo refere que se encontra talvez entre a última geração a ser obcecada com a noção de propriedade de carros. E diz “Sim, adoro carros. Adoro como cada um conduz de forma diferente. Adoro a história e a cultura que rodeiam as diferentes marcas de automóveis. Adoro a atividade de sair para passeios sem objetivo além de levar a capota para baixo no meu Camaro descapotável e conduzir.” “Mas não gosto do fardo de ter carros, especialmente dois veículos. A minha mulher é a condutora mais frequente, por isso precisa de um carro todos os dias. Quando não conduzo, o meu carro senta-se na minha garagem, cerca de 90% do tempo, enquanto trabalho em casa.” “Antes da pandemia, eu e a minha mulher estávamos a uma média de apenas 11.000 km por ano em cada um dos nossos veículos. Agora, é ainda menos. Não é justificação para a propriedade do veículo.”

Embora os automóveis tenham permitido que as cidades modernas se tornassem megalópolis de hoje e tenham dado às pessoas liberdade quase ilimitada para viajar,
nós somos, em certa medida, prisioneiros dos nossos carros. Para muitos de nós, a propriedade requer pagamentos mensais e apólices de seguro com base nas probabilidades de acidentes criados por seres humanos. Possuir um veículo também vem com a responsabilidade da manutenção. E, claro, os custos do combustível. E estacionamento?

Toda a ideia de estacionar um automóvel autónomo é um desperdício e absurdo porque fica num local o dia todo quando não se está a viajar para o trabalho. Convencemo-nos que isto é algo que vai ser cada vez mais raro desde que o COVID-19 provou que a maioria de nós podia trabalhar a partir de casa. O autor do artigo refere que só usa o seu carro se está a fazer recados ou a visitar pessoas (também, provavelmente mais irregular no futuro.)

Então, todo este imobiliário em projetos modernos da cidade é desperdiçado porque todos nós precisamos ter um lugar para colocar o carro. E o volume de tráfego é também um indesejável subproduto de quantas pessoas precisam de ter veículos pessoais para chegar a qualquer lugar ou para as empresas transportarem materiais.

Muitos grupos de pessoas, em particular, millennials e gen-Z, estão a arrefecer a ideia de não só possuir casas, mas também possuir carros. Não admira que serviços como a Uber e a Lyft, pelo menos antes do COVID-19, fossem tão populares: oferecem às pessoas uma enorme liberdade pessoal sem o fardo do carro e pagamentos de seguros automóveis, consumo de combustível /energia e manutenção.

O autor refere que costumava alugar carros quando fazia viagens de negócios. Mudou há cerca de cinco anos. “Se eu estivesse numa cidade onde a Uber e a Lyft tinham serviço, já não o fazia. Foi apenas muito mais conveniente para pegar o meu smartphone, clicar num botão, e ter um motorista convocado em poucos minutos.” Sem problemas de estacionamento ou preocupações com a devolução do veículo. Nenhuma preocupação sobre ter que gasolina, e nenhum relatório de despesas para um aluguer de carro caro. A única coisa com que se tinha de se preocupar era com os recibos de táxi, que a Uber tem todo o gosto em enviar automaticamente.

“E, em casa, na Flórida, frequentemente convoquei a Uber só para que eu e a minha mulher pudéssemos ir lá fora para os muitos restaurantes que oferecem uma happy hour e ter um par de bebidas sem ter que se preocupar em chegar em casa em segurança. Quando as coisas voltarem ao semi-normal, e a maioria da população dos EUA é vacinada, provavelmente começarei a usar esses serviços novamente”, refere ainda. A tendência de partilha de boleias era tão popular pré-pandemia que se pensaria que os serviços existentes de partilha de boleias tinham um futuro brilhante pela frente. “Dito isto, acho que a Uber e a Lyft podem ter apenas alguns anos.”

Em 2019, a Lyft foi pioneira num serviço de condução autónoma em Las Vegas com o seu parceiro, Aptiv, e completou dezenas de milhares de passeios. No entanto, na opinião do autor do artigo, só há duas empresas que podem alterar suficientemente a forma como a indústria automóvel e de partilha de boleias funciona: a Apple e a Amazon. Mas nem a Apple nem a Amazon tinham muito a ver com carros agora. O transporte está prestes a ter um reboot baseado na tecnologia. Os detalhes ainda estão a ganhar forma, mas os futuros sistemas de transporte estarão certamente ligados, orientado por dados e altamente automatizado.

Fonte: ZDNet

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here