Cummins desenvolve um motor de 1.000 cv com dois pistões por cilindro

Ao contrário da grande maioria dos construtores, a Cummins, especializada no desenvolvimento de motores a gasóleo — um combustível que, na Europa, parece ter um fim à vista —, desenvolveu uma motorização turbo-diesel que pode revolucionar os motores de combustão interna a gasóleo, nomeadamente, no setor do transporte pesado de mercadorias.

A ideia não é nova, dado que desde a sua primeira aparição ocorreu nos aviões Junkers durante os anos 1920 a 1930 e, mais tarde, em veículos “Commer Knocker” que recorriam ao motor de três cilindros e seis pistões, Commer TS3. Contudo, com a presença do controlo eletrónico da injeção e hibridização das motorizações o conceito passa da ideia à prática com melhorias no consumo e potência.

O novo motor turbo-diesel foi co-produzido pela Cummins e Achates Power apelidado de “Advanced Combat Engine“, ou “Motor de Combate Avançado“, em português literal, com vista a ser introduzido no exército norte-americano. Até aqui tudo bem, mas o que tem a ver um equipamento de uso militar com veículos comerciais? O mesmo que a tecnologia da F1 pode ter num qualquer veículo comercializado.

Como funciona este motor?

Ao contrário dos motores de combustão interna convencionais, o novo Cummins ACE recorre a motor de 4 cilindros 14,3l a gasóleo que possuí o mesmo número de pistões de um motor de 8 cilindros — mas com a vantagem de partilharem a mesma mistura de ar e combustível e respetiva combustão.

Ao trabalharem opostos, um ao outro, os pistões eliminam a necessidade de existir uma “cabeça do cilindro”, logo, um menor esforço por parte de cada um dos pistões e a possibilidade de trabalharem com duas cambotas conectadas por meio de engrenagens que as convertem num único eixo de saída.

Prescinde da árvore de cames? Sim e não.

Face à estrutura do motor, a inclusão de uma árvore de cames não é uma realidade, no entanto, a entrada de ar para a combustão continua a ser necessária, pelo que a fabricante optou por incluir um sistema de válvulas que são acionadas pela movimentação do pistão na parede do cilindro “puxando” o ar através do seu movimento — ar esse que acaba por ser encaminhado para o meio dos dois pistões do cilindro.

Os quatro cilindros com mais de 14 litros, auxiliados por um compressor (acionado por força mecânica do motor), sobrealimenta este monstro a gasóleo, para além de contar com mais dois turbos compressores que permitem uma potência combinada de mais de 1000 cv às 2.600 rpm. Como é que isto é possível? Dada a necessidade de remover a árvore de cames, prescinde-se de um motor a quatro tempos, recorrendo apenas a dois tempos para a queima e expulsão dos gases gerados pelo motor. Segundo a fabricante, este novo motor quando agrupado com uma transmissão mais eficiente (no caso dos veículos pesados de combate, pelo menos) garante uma eficiência em até 90% no que a perda de potência diz respeito.

Hibridização das motorizações a gasóleo

Este novo motor incluí um pequeno gerador elétrico que permitirá colocar a força motriz a diesel a funcionar, estando a conectar a transmissão ao motor de 1.000 cv a gasóleo. Este gerador deve ser capaz de ter uma potência de 160 kW alimentado por 600 volts de baterias de iões de lítio.

O motor ACE é mais compacto e em forma de caixa, apresentando-se como uma solução mais compacta quando comparado com motores em V ou em linha, especialmente em termos de altura total, crucial neste caso para um veículo de combate — mas também pode contribuir no espaço ocupado em outro tipo de veículos.

Fonte CarAdvice

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here