Como será o futuro do FIFA sem poder usar seu atual nome?

A notícia sobre a EA Sports querer mudar o nome de um de seus jogos mais populares, o FIFA, foi uma surpresa que gerou muitas dúvidas nos adeptos do jogo e do desporto. Afinal a tradição do FIFA é de mais de duas décadas e gerações após gerações disputaram nas consolas e computadores milhões e milhões de jogos.

Desde a criação do FIFA International Soccer em 1993 e os sucessivos FIFA anuais desde o 94, este é o jogo de futebol mais famoso e leva o nome da federação internacional que controla o esporte e organiza a Copa do Mundo. Há alguns rivais, como o Pro Evolution Soccer, que teve seu nome mudado para eFootball recentemente e é desenvolvido pela Konami.

Depois de quase três décadas, muita coisa mudou. O desporto tornou-se ainda mais global, os direitos de transmissão são vendidos para televisões, mas também empresas de tecnologia, o jogo pode divertir quem tem uma consola, mas também um telemóvel e páginas web transmitem jogos com imensa qualidade.

Por exemplo, quem quiser ver um jogo em um site de apostas desportivas e quiser tentar antecipar o que irá acontecer no jogo, em tempo real, pode receber seu código promocional bet.pt e fazer isso.

E essa possibilidade em plataformas de apostas existe não só para jogos das principais ligas europeias e da Champions League, mas também jogos de ligas de países sem tanta tradição futebolística e até de divisões inferiores.

A internet mudou tudo e no caso do jogo FIFA, isso também se aplica. Se antes a única fonte de renda de um jogo era conquistada quando um jogador comprava em uma loja, agora há inúmeras fontes de renda com fases, itens especiais e minijogos dentro do grande jogo que cobram extra.

Atenta a todo esse dinheiro, a FIFA estaria a pedir o dobro para que o produto seja licenciado, com as negociações a acontecer por dois anos sem avanços significativos, segundo o New York Times.

Não há perigo grande para a EA Sports

Referência nos jogos de desporto, sendo também responsável pelo jogo da NFL (futebol americano) e com um título de UFC, Fórmula 1 e NHL (liga de hóquei norte-americana), ter esse licenciamento é muito importante para a EA Sports.

Mas ao mesmo tempo, a EA Sports tem contratos de licenciamento com competições como a La Liga (até 2030), Bundesliga, Copa Libertadores, Premier League e a Liga dos Campeões.

O cenário é complicado já que ao mesmo tempo, o Barcelona, por exemplo, tem parceria global com a Konami. Mas a EA Sports segue com a dianteira no mercado e na percepção dos jogadores, apesar de algumas decepções com cada lançamento que passa, com reclamações sobre a falta de inovação, inteligência artificial um pouco falha e outros fatores.

O contrato com a instituição FIFA acaba em 2022 e além dos valores, o pedido por mais exclusividades da EA Sports também é outro item que impede as negociações de chegar a um acordo.

Quais são os próximos passos?

Em outras ligas, como a NBA (liga de basquete norte-americana), é normal essas discussões sobre licenciamento e vários jogos que lutam pelo dinheiro dos adeptos. A EA Sports já estaria a pensar nos próximos passos e licenciou a marca EA Sports FC na Europa e Estados Unidos.

Quem gosta do jogo não irá mudar da noite para o dia e a EA Sports deve continuar como líder e a investir no que dá resultados desde o início de sua caminhada no futebol. A dúvida é o que a FIFA irá fazer, já que não terá o dinheiro da EA Sports nem um jogo para chamar de seu. Pensar em outro desenvolvedor é um passo lógico, mas quem?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui