Civilization VI: o regresso de Portugal como um Império ao mais recente jogo da série

Portugal era, muito provavelmente, a civilização mais aguardada entre a comunidade de Civilization, sobretudo a lusófona, quer pelo seu crescimento como pela autonomia e dimensão nos tempos áureos do império português — tempos que marcaram a História entre virtudes e disvirtudes. Em Civilization V, o aparecimento de Portugal foi uma excelente notícia para a maioria dos jogadores. Contudo, para tristeza da maior parte, o aparecimento lusitano não viria a acontecer na sexta edição da série.

A fim de relembrar os melhores momentos histórios nacionais, alguns modders resolveram recriar o império português através de algumas linhas de código e imagens (um pouco amadoras) criar toda uma civilização para todos aqueles que procurassem alguma nostalgia do passado e que de alguma forma pudesse ser recriada para dar forma e contexto histórico ao jogo.

Isto parece ter suscitado impacto na equipa de desenvolvimento, tanto o é que foi apresentado no passado dia 15 de março a inclusão da civilização portuguesa — como última civilização — no “New Frontier Pass” — a mais recente DLC para Civilization VI. Durante os últimos dias (desde o anúncio) têm sido apresentados alguns dos detalhes por detrás da nova atualização. Esta segunda-feira, dia 22 de março, foram publicados alguns intrumentais clássicos portugueses alusivos à temática fadista (que marca a história do nosso país).

Portugal entre em Civilization 6 pelas mãos do rei D. João III, frequentemente apelidado de “o Piedoso” ou “o Colonizador” foi o rei de Portugal e Algarves durante o período de 1521 até 1557 (aquando da sua morte). Durante o seu reinado foi capaz de gerir todo um império vasto, entre ilhas atlânticas, território continental na Malásia, Índia, África e Brasil — onde concentrou a sua ação expansionista. Existem até registos de pelas mãos de João III, os portugueses terem chegado a Nagasaki no Japão em 1543.

João III foi um indivíduo muito afeito à religião Católica, tendo permitido a introdução da inquisição em Portugal em 1536, o que motivou a fuga de mercados judeus e os chamados “cristãos-novos”. Iniciou a colonização do Brasil, a fim de garantir a segurança dos mares e território continental contra a pirataria — que comprometia as trocas comerciais entre a ex-colónia e a nação portuguesa. Durante o seu reinado, aguentou a morte dos dez filhos que gerou e ainda o despoletar de uma crise que se viria a agravar com o desaparecimento do futuro rei D. Sebastião.

A nova atualização traz consigo uma unidade única (de invenção portuguesa), a Nau, e também duas estruturas amplamente difundidas pelo mundo (quer em sabedoria, como pela sua presença): a Escola de Navegação e a Feitoria (muito utilizada, sobretudo, no continente africano). Para além disto, a “Casa da Índia” — que remonta ao tempo da rota comercial indo-portuguesa — e que aumenta significativamente os rendimentos em trocas comerciais internacionais.

O líder em questão, João III de Portugal, tem a habilidade única, a “Porta do Cerco“, que concede a todas as unidades visão expandida sobre o território, aumentando também a capacidade de rotas comerciais sempre a civilização portuguesa encontrar uma nova cidade, permitindo também uma abertura de fronteiras mais alargada com todas as cidades-estado (intensificando a nossa excelente diplomacia, que remonta à época medieval).

Os temas compostos para fazer parte da banda sonora de da DLC de Portugal são “Portugal — The Ancient Era (Fado Menor)” da autoria de Cordeone; “Portugal — The Medieval Era (Fado Menor)” da autoria de Geoff Knorr; “Portugal — The Industrial Era (Fado Menor)” também da responsabilidade de Geoff Knorr; “Portugal — The Atomic Era (Fado Menor)” desenvolvidas por Geoff Knorr e Phill Boucher.

Fonte Civilization

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here