Chineses desenvolvem ferramenta capaz de prever crimes

minority-report

Os famosos pregoc do filme “Minority Report” estão perto de se tornarem realidade através de software. Seres especiais capazes de prever crimes, os pregoc, davam à polícia a possibilidade de capturar criminosos antes de chegarem a cometer atos ilícitos.

Apesar de soar a ficção científica, este modelo pode tornar-se em breve realidade na China onde o governo e a China Electronics Technology têm em avançado estado de desenvolvimento uma ferramenta de software capaz de prever alterações da ordem pública ou de instabilidade social. Para esta finalidade a o programa informático baseia-se numa enorme quantidade de dados recolhidos dos cidadãos chineses: hábitos online, trabalho, preferências, movimentos das suas contas bancárias, locais visitados e com que pessoas se encontram.

A China foi a primeira nação a dar este passo, tendo os Estados Unidos tentado algo idêntico em 1994 na cidade de Nova Iorque. Este plano, teve como resultado a redução da criminalidade em cerca de 37% e visava assinalar algumas zonas ‘negras’. Apesar deste número ser elucidativo do potencial de localização de polícias de acordo com acontecimentos ilícitos anteriores, levou à detenção de muitos jovens de minorias étnicas apenas por se encontrarem em local suspeito.

Aproveitando este projeto americano o governo chinês pretende ir mais além ao vigiar zonas com alto índice de delinquência nas suas cidades. O software, que está já em testes, pode indicar indivíduos concretos, já que a China é conhecida por não dar muita privacidade aos seus cidadãos. O alerta faz-se soar quando certa pessoa efetua um grande depósito de numerário no banco, alterações nos hábitos de compra ou visita de sites pródemocracia, entre outros. O controle vigoroso e ativo da China sobre a utilização da Internet dá um enorme poder de vigilância sobre os cidadãos chineses.

A enorme base de dados em que se baseia o novo software de segurança é alimentada por um extenso sistema de vigilância no qual o governo chinês investiu muito nos últimos cinco anos sobretudo nas grandes cidades. Esta estratégia recebeu a designação de “estabilidade e segurança doméstica” e graças a ela a China tornou-se líder nas tecnologias de segurança e vigilância a nível mundial.

Além dos próprios sistemas de vigilância a China guarda na manga outro trunfo muito importante para obter informação sobre os seus cidadãos e empresas. A lei aprovada em dezembro que visa a luta contra o terrorismo dá ao governo chinês mais poderes no âmbito de requisitar a colaboração de companhias tecnológicas na referida vigilância. Ao abrigo desta legislação de questionável legitimidade ética o governo chinês pode forçar o acesso a interfaces técnicos e à descodificação de sistemas de encriptação.

Ou seja, se esta lei fosse válida nos Estados Unidos a Apple seria obrigada pelo FBI a desbloquear a encriptação do iPhone utilizado pelos terroristas no ataque de San Bernardino. Este caso tem recebido a atenção das autoridades chinesas, já que caso a Apple seja obrigada a ‘abrir’ o referido iPhone para o FBI poderá abrir um precedente que será aproveitado de imediato pelo governo chinês para aproveitar a aplicação da sua lei antiterrorismo.

Relembramos que em Los Angeles, a PredPol já lançou um software com resultados positivos.

Fonte: Ars Technica

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here