Bosch investe €400 milhões em instalações de semicondutores

Bosch investe em força na atualização das atuais instalações de semicondutores para melhorar a capacidade produtiva de circuitos integrados (chips) para fazer face à crise mundial de semicondutores enfrentada em diversos setores de atividade em todo o mundo. Vários fabricantes automóveis têm suspendido ou diminuído o fluxo de produção para fazer face aos elevados custos e escassez de materiais.

Atualmente, a Bosch conta com instalações em Dresden e Reutlingen, na Alemanha e Penang na Malásia. Estes €400 milhões (£343 milhões) serão aplicados nestas três instalações fabris para potenciar a capacidade de enfrentar o mercado e satisfazer as necessidades de uma procura “que cresce a uma velocidade avassaladora” com um reforço da oferta.

Esta crise apresenta uma explicação única e parte de um conjunto de ocorrências e circunstâncias que dificultam a gestão e comercialização de metais semicondutores — as mais prejudicadas têm sido as construtoras automóveis — que operam com margens muito restritas, onde qualquer flutuação de preço e das quantidades armazenadas, toma proporções muito amplas.

blank

A propósito da crise, a Renault não avança “[…] quaisquer estimativas que possam estar incorretas muito rapidamente” acerca do desenrolar deste fenómeno de escassez. É importante mencionar que as vendas gerais da Renault caíram 1,1% para €8 mil milhões (US $10 bilhões), com perdas na produção de “dezenas de milhares” de automóveis durante o ano de 2020 pela pandemia, mas intensificado pela crise de semicondutores.

A produção de automóveis no Reino Unido regista o seu volume mais baixo desde 1982, segundo o SMMT, e fabricantes como a Jaguar Land Rover, acabaram por ter de estender os prazos de entrega, enquanto outros removeram algumas opções mais tecnológicas (ou eletrónicas) dos seus modelos. Na Alemanha, a Mercedes-Benz já tem encomendas a 6 e 12 meses, algo que se tem refletido por toda a Europa.

blank

O Grupo Volkswagen confirmou ainda no início da semana passada que os lucros caíram no terceiro trimestre de 2021 e que isso se ficou a dever, em grande parte, ao problema da escassez de circuitos integrados usados nos painéis de instrumentos digitais, sistemas de info-entretenimento, ajudas eletrónicas, entre outros. Os resultados têm vindo a melhorar, mas a saturação do mercado continua a pressionar as fabricantes e a isto, junta-se a crise energética.

A propósito disso, o presidente da Bosch, Volkmar Denner, afirma que “a procura por circuitos integrados continua a crescer a uma velocidade vertiginosa, pelo que, à luz dos desenvolvimentos atuais, estamos a expandir sistematicamente a nossa produção de semicondutores para podermos fornecer aos nossos clientes o melhor suporte possível”. Para o devido efeito, os alemães da Bosch vão investir 150 milhões de euros na sua fábrica de testes avançados de Wafer, acrescentando 150 postos de trabalho, enquanto o complexo de Dresden irá aumentar a produção de semicondutores.

blank

Outra parte do investimento segue para a criação de um espaço clean-zone (ou zona limpa) de 4 mil metros quadrados, uma área de ambiente controlado cuja temperatura, presença de organismos vivos, iluminação, ruído e outros fatores da atmosfera são fortemente rigorosamente monitorizados. Isto é importante para a melhoria do controlo de qualidade da produção.

Harald Kroeger afirma que o “nosso objetivo é o aumento da produção de circuitos integrados em Dresden antes do planeado e, em simultâneo, expandir a capacidade da clean-zone em Reutlingen”. A Bosch planeia construir um novo centro de testes automatizado de semicondutores em Penang, na Malásia, com previsão de conclusão em 2023.

Fonte Autocar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here