Aqui está a lista completa de carros com tecnologia Android Automotive

O que os fabricantes de automóveis parecem gostar muito no Android Automotive é o suporte para skins personalizados, e , em teoria, o sistema operativo pode ser personalizado por cada empresa com uma interface de utilizador diferente, apesar da funcionalidade permanecer praticamente a mesma. O que isso significa para os condutores é que o Android Automotive pode até acabar a parecer diferente de uma marca para outra, mas por baixo do capot, ainda é o mesmo sistema operativo com a mesma linha de recursos.

Por ser um produto bastante novo, o Android Automotive ainda não se tornou um sistema operativo amplamente adotado, embora a Google esteja a trabalhar bastante com fabricantes de automóveis, para garantir que mais deles acabem por adotá-lo.

Essa estratégia obviamente avança a um ritmo lento, especialmente porque um sistema operativo como o Android Automotive precisa do hardware certo para funcionar corretamente, e , ao contrário do Android Auto, em que uma atualização da unidade principal é a única coisa necessária, mais melhorias internas devem ser feitas desta vez.

blank

Além dos carros que já usam o Android Automotive (e listados abaixo), existem várias outros construtores que já confirmaram que usariam o sistema operativo nos seus carros. O primeiro deles é o grupo Renault-Nissan-Mitsubishi, que já anunciou que planeia instalar o Android Automotive em alguns dos modelos lançados pelas suas marcas. O primeiro é o Renault Megane E-Tech Electric, já anunciado no início deste mês.

A General Motors também confirmou que começaria a equipar os carros com Android Automotive, assim como a Stellantis, que deverá instalar o sistema operativo nos seus modelos a partir de 2023. Os carros Ford e Lincoln também farão a mudança para a mesma plataforma em dois anos, enquanto outros, incluindo alguns modelos Dodge e o Lucid Air, usam um sistema baseado em Android Automotive sem o Google Automotive Services. E é assim que, sem dúvida, o gigante das buscas com base em Mountain View já está a discutir com outros construtores também, mas, embora nem seja preciso dizer isto a instalação do Android Automotive num novo modelo não pode acontecer da noite para o dia.

blank

Entretanto, a adoção do Android Auto também está a aumentar, com estatísticas a mostrarem que o modo ´wireless´ já está a funcionar em não menos de 100 milhões de veículos, sem contar os que atualmente apresentam uma unidade principal de terceiros com os mesmos recursos. Aqui está a lista completa de carros atualmente confirmados com Android Automotive em setembro de 2021 (e novos modelos são adicionados à medida que vão sendo confirmados):

  • 2020 Polestar 2
  • 2021 Volvo XC40 P8
  • 2021 Volvo XC40 Recharge
  • 2022 GMC Hummer EV
  • 2022 Renault Megane E-Tech Electric
  • 2022 Volvo XC60
  • 2022 Volvo S90
  • 2022 Volvo V90
  • 2022 Volvo V90 Cross Country
  • 2023 Ford cars
  • 2023 Lincoln cars

Agora, a primeira diferença entre os dois é a forma como são alimentados. Embora o Android Auto exija a existência de um smartphone Android, o Android Automotive é executado diretamente na unidade principal, sem a necessidade de um cabo ou qualquer outra coisa. O Android Auto oferece acesso fácil a aplicativos como Google Maps, Waze, Spotify e ainda chamadas telefónicas, mas o Android Automotive também.

Na verdade, o maior benefício do Android Automotive a correr nativamente numa unidade principal, é que ele oferece integração mais profunda com os serviços do Google. Portanto, embora o Android Auto só possa controlar as aplicações em execução no telefone, como a navegação ou reprodução de música, o Android Automotive também tem acesso às funções do carro, como o sistema de ar condicionado.

blank

O Google Assistant é responsável por potencializar a experiência de viva-voz, mas, mais uma vez, no Android Auto, ele só tem acesso às aplicações instaladas no dispositivo móvel. A maneira mais fácil de ver a enorme diferença que a integração do Android Automotive faz é examinar os recursos de recursos do Google Maps. Já sabemos como o Google Maps funciona no Android Auto, pois os recursos disponíveis na unidade principal são praticamente os mesmos de um telefone móvel. Mas no Android Auto, tudo é levado a um novo nível, pois o Google Maps pode monitorizar o nível da bateria e calcular a rota para um destino definido de acordo com o seu alcance.

O Google Maps pode direcioná-lo para estações de carregamento sempre que estiver com pouca bateria, tudo porque os serviços Google têm acesso a mais informações sobre o carro e outras funções. Portanto, no geral, dado que é o sistema operativo que alimenta a unidade de infoentretenimento, o Android Automotive pode oferecer recursos muito mais avançados, enquanto o Android Auto se limita a apenas espelhar o ecrã do telefone no ecrã maior dentro da cabine. Desnecessário dizer que o Android Auto é a solução mais económica para a maioria das pessoas, especialmente considerando que o Android Automotive requer um carro novo, mas no futuro, o gigante das buscas baseado em Mountain View espera expandir em ambas as frentes para conquistar uma parte muito maior do setor automóvel.

Portanto, embora as duas empresas estejam a utilizar abordagens diferentes para expandir no setor automóvel, no final do dia, a meta final para ambos é expandir os seus serviços além do ecrã típico de um dispositivo móvel e um computador. A Google já oferece o Android Auto há algum tempo, mas agora a empresa está a trabalhar sem parar no Android Automotive, um Sistema operativo completo, que vem pré-carregado nas unidades principais como parte de parcerias entre a empresa de pesquisa e os construtores.

Uma coisa que vale a pena ter em mente é a última experiência nativa sem a necessidade de um smartphone para potencializar toda a experiência ao volante. Anunciado em 2017, o Android Automotive é, portanto, a plataforma que impulsiona tudo relacionado ao infoentretenimento nos carros onde está instalado, embora em comparação com o Android Auto, também ofereça funcionalidades mais avançadas, como integração com funções do próprio veículo.

Fonte: Autoevolution

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here