Antigo colaborador da Google fala sobre o “lado mais negro” da Internet

Durante nove meses um colaborador da Google visualizou os conteúdos mais negros da Internet. Pornografia infantil, tortura, mutilações, necrofilia… tudo aquilo que não é suposto os utilizadores comuns verem quando acedem aos vários sites da gigantesca companhia.

No final, não foi contratado – mas a Google pagou-lhe uma sessão de terapia para que conseguisse ultrapassar todas as coisas que fora forçado a ver. O homem, que falou com o BuzzFeed, foi contratado a recibos verdes pela multinacional norte-americana logo após terminar a faculdade. “Por telefone, o recrutador informou-me que iria lidar com «conteúdo sensível». Não me ocorreu que o faria sem qualquer apoio técnico ou emocional”, explicou ao site.

“Uma das partes mais chocantes do meu trabalho era trabalhar com pornografia. A pornografia infantil é uma grande preocupação nas companhias de Internet. Por lei, temos de remover [este tipo de conteúdos] até 24 horas depois de sermos notificados e reportá-los às autoridades federais. Ninguém da Google queria fazer este trabalho. Eu lidava com todos os produtos da Google. Se alguém os utilizasse para pornografia infantil, eu teria de vê-los. Eram cerca de 15 mil imagens por dia. Google Images, Picasa, Orkut, Google search…”, desabafou o indivíduo que perferiu manter o anonimato.

O ex-funcionário acrescentou mais alguns pormenores ao relato. “Não tinha ninguém com quem falar. Não podia falar com a minha namorada porque não a queria sobrecarregar com tudo isto. Durante sete, oito, nove meses, olhei para estas coisas e  pensei que estava bem, mas tudo isto estava a levar-me até um lugar muito negro.”

Segundo o antigo colaborador da Google, muitas pessoas partilham a sua história: gente que aceita fazer um trabalho horrível a troco da promessa de um contrato. No final, a maioria é dispensada. Antes de abandonar a companhia, o homem ainda teve direito a uma consulta de terapia paga pela Google. Depois aconselharam-no a sair e procurar o seu próprio terapeuta.

“Mas ninguém fala sobre isto” acrescentou o antigo colaborador. “Como um tipo que eu conhecia no YouTube. Ele era o homem que sabia tudo sobre pornografia infantil, sabia tudo sobre decapitações. Trabalhei muito próximo dele e sempre que um novo vídeo da Al Qaeda aparecia, ele era o primeiro a vê-lo. Ele tinha de o ver antes de toda a gente. Mas ele era um colaborador a recibos verdes e não o contrataram. Ele não faz ideia porquê. O gerente dele chamou os recrutadores e disse, fazem alguma ideia do que este homem faz? Eles não faziam ideia. Se és um colaborador a recibos verdes, és só um nome e um departamento”.

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here