Análise iPhone 6S: 3D Touch vai alterar a forma como usamos o smartphone

dav

Um novo iPhone chega ao mercado português, o iPhone 6S. Como costuma acontecer, a versão não altera o design, mas muda o hardware. Conheça a nossa análise ao iPhone 6S.

Características e Acessórios
Design e ecrã
3D Touch e Desempenho
Câmara e Multimédia
Veredito: iPhone 6S

Foi em setembro que o iPhone 6S e o iPhone 6S Plus foram apresentados, que chegou a alguns países no final de setembro, mas apenas num segundo conjunto de países no mês de outubro, onde Portugal foi incluído.

A Apple acabou por não surpreender com este lançamento, já que, como nos tem vindo a habituar, as alterações nas versões S são, maioritariamente, de hardware e, neste ramo, a Apple acabou por seguir uma tendência que já se esperava.

Hoje temos o iPhone 6S, que visualmente é idêntico ao iPhone 6, sendo que apenas se difere por ter na parte traseira a designação de S. Será uma grande mudança comparativamente ao antecessor? Leia a nossa análise.

Características e Acessórios

  • davDimensões: 138.3 x 67.1 x 7.1 mm
  • Peso: 143 g
  • Sistema Operativo: iOS 9
  • Ecrã: IPS de 4,7″
  • Resolução: 750 x 1334p/326 ppi
  • Câmara traseira de 12MP e frontal de 15MP
  • Processador: Apple A9 com coprocessador M9
  • GPU: PowerVR GX7600
  • Memória RAM: 2 GB
  • Memória interna: 16/64/128GB, sem MicroSD
  • Bateria: 1715 mAh
  • Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, dual-band, hotspot
  • GPS com A-GPS e GLONASS
  • Bluetooth 4.2
  • NFC exclusivo para o Apple Pay
  • Nano-SIM
  • 4G
  • Jack de Áudio Normalizado de 3.5 mm

É mesmo nas especificações que o novo iPhone 6S se destaca e, tal como a própria Apple diz, “A única coisa que mudou foi tudo”.

A Apple em nada altera neste ramo, já que a caixa tem o mesmo estilo dos seus antecessores. Podemos contar com um cabo USB-lightning, uma tomada de parede e os, já, famosos auriculares da Apple.

Design e ecrã

davComo já referimos, a Apple tem-nos habituado a um design similar ao seu antecessor nesta versão S, que já não surpreende e é tal e qual o esperado. No entanto, há algumas coisas a ressalvar no design, primeiro as dimensões sofreram uma pequena alteração e também há uma cor nova.

Em termos de dimensões, o novo iPhone 6S ficou mais pesado, dos 129g passou para os 143g, e ficou um pouco mais grosso, dos 6,9mm para os 7,1mm. Apesar destas pequenas alterações, não notará qualquer diferença entre um e outro, já que tanto em termos de peso como na espessura as alterações são mínimas.

Mas é uma nova cor que acaba por marcar a diferença entre esta versão e a anterior, já que o iPhone 6S fica disponível em “Rosa-dourado”, que é a versão que testámos. Acaba por ser um rosa muito discreto e nada parecido com versões concorrentes, sendo que só com boa luminosidade conseguimos ter a certeza que é mesmo rosa. No entanto, esta versão é pensada para o público feminino e poderá fazer sucesso junto desse público.

davO ecrã continua a ser espetacular, como a Apple nos tem vindo a habituar. Mantém o mesmo tamanho de ecrã e a mesma resolução, e as alterações são poucas. Uma pequena melhoria na reprodução de cores e os ecrãs são um pouco mais brilhantes, bem como o vidro que protege o ecrã está mais forte, mas esperamos que nunca tenha de perceber isso.

A grande novidade no ecrã é mesmo a tecnologia 3D Touch, aliada ao software, que nos eleva a um novo nível de interação com o smartphone. Iremos detalhar o 3D Touch no tópico seguinte, não esquecendo de explicar que a tecnologia é um sensor de pressão por trás do ecrã, que permite saber a força da pressão do seu dedo no ecrã. Segundo a Apple, há 96 sensores de pressão presentes no smartphone.

3D Touch e Desempenho

Normalmente nesta área falamos sobre o iOS e a interface, mas como já fizemos uma análise completa ao iOS 9, aconselhamos a seguir o link se quiser saber as novidades sobre a mais recente atualização do iOS. Neste tópico iremos focar-nos na grande novidade exclusiva dos modelos iPhones 6S: o 3D Touch.

Sem dúvida, que o 3D Touch é uma das grandes novidades e funcionalidades do novo iPhone 6S. É esta tecnologia nos smartphones, e a forma como a Apple a decidiu integrar com o software, que mudará a forma como utiliza o smartphone.

Com o 3D Touch, o simples facto de pressionarmos em algumas aplicações, ou dentro de algumas aplicações, abre um novo mundo de opções, isto é, atalhos. Por exemplo, se carregar na aplicação da câmara, abre logo a opção de tirar uma selfie ou de gravar um vídeo, no browser podemos ir logo para os marcadores/favoritos ou se for nas notas poderemos saltar para uma fotografia ou um desenho.

Mas também dentro das aplicações há novas possibilidades, como num site se pressionamos num link abre um popup com uma pré-visualização e se depois arrastarmos para cima disponibiliza-nos novas opções, como abrir num novo separador, adicionar à lista de leitura ou copiar. Também no email podemos pressionar para pré-visualizar a mensagem e depois arrastando oferece-nos opções: para o lado esquerdo podemos arquivar, para o lado direito podemos marcar como não lida e se for para cima podemos responder, reencaminhar ou marcar, como podemos ver nas imagens seguintes.

Na altura do teste ao iPhone 6S, só conseguimos ver o 3D Touch a funcionar com as aplicações da própria Apple, mas sem dúvida que esta nova funcionalidade irá abrir um sem número de opções aos programadores e assim que a tecnologia esteja a ser mais utilizada nas aplicações da App Store, sem dúvida que teremos uma funcionalidade muito interessante.

Para perceber como o 3D touch funciona, o Engadget criou um gif que demonstra isso mesmo e que publicamos aqui.

3dtouchdemo-compressor

Agora vamos para o desempenho do iPhone 6S e, como não poderia deixar de ser, é soberbo. Sim, o Apple A9 continua a ser um dual-core, mas desta vez acompanhado por 2GB de RAM, sendo o primeiro iPhone a ver aumentado o RAM de 1GB para 2GB. Como costumo dizer, não podemos olhar para o Apple A9 pelas suas especificações técnicas e compará-lo aos smartphones Android, sendo que a mais pura da verdade é que é suficiente para que o iPhone 6S tenha um desempenho igual ou superior aos topos de gama Android.

O iPhone sempre foi conhecido pelo seu excelente desempenho nas mais variadas tarefas e a mesma qualidade mantém-se nesta nova versão. Experimentamos passar entre as aplicações, jogos, multimédia, tudo funcionou muito bem.

davOutra novidade é o TouchID que está muito melhor e mais rápido. Já era um dos melhores sensores de impressões digitais, mas desde o iPhone 5s que era o mesmo sensor, sendo que a Apple atualiza para a segundo versão do TouchID no iPhone 6S. E assim que o configuramos e começamos a utilizar percebemos que a diferença é clara.

Por agora, o Huawei Mate S era o melhor sensor de impressões digitais do mercado, mas a Apple coloca-se ao lado da fabricante chinesa. O TouchID está muito mais preciso e mais rápido a ler a impressão digital, e é complicado de dizer qual dos dois é melhor.

Podemos apenas apontar algumas coisas que a Huawei ainda está à frente nesta área das impressões digitais, como a leitura da impressão independentemente da posição a que se encontra o dedo, bem como com o dedo húmido, ou que o smartphone da Huawei não precisa de estar ligado para ler a impressão, ao contrário da Apple. O TouchID para funcionar, primeiro temos de ligar o smartphone e só depois ele lê a impressão digital.

E é a ligar que percebemos que a impressão digital do iPhone 6S funciona muito mais rápido, já que, normalmente, para ligarmos o iPhone 6S utilizamos o botão Home e é tão rápido a ler que assim que carregamos no botão Home o smartphone desbloqueia. Tão rápido que se quiser ligar o smartphone para ver as notificações, não o conseguirá, como demonstrámos no vídeo das primeiras impressões do iPhone 6S criado pelo nosso colaborado Rúben Campanacho.

Uma dica: Se quiser ver apenas as notificações, não utilize o mesmo dedo que usa para o TouchID, será difícil não desbloquear logo o smartphone.

Depois ficámos um pouco desiludidos na bateria. Na pouca utilização que fizemos, o iPhone durou pouco mais de um dia, não sei se por causa do 3D Touch, mas a verdade é que acabei por ficar negativamente surpreendido. Normalmente estava habituado a que os iPhones durassem dois dias sem grande dificuldade, mas nos primeiros dias que tive com o smartphone apenas consegui um dia, sendo que passados os primeiros dias de utilização intensiva, já consegui chegar aos dois dias de bateria, mas “chegava ao carregador” já com a bateria no vermelho.

iPhone 6S Interface (1)Entretanto também já houve atualizações ao iOS e foram reportadas diversos problemas em relação ao consumo de bateria, como a aplicação do Facebook, mas também já chegou a versão beta do iOS 9.2, o que poderá dar a entender que a Apple está a tentar resolver alguns bugs do iOS, o mais rapidamente possível.

A Apple, por seu lado, também criou um novo modo de poupança de bateria, o Low Power Mode, que é similar ao que já encontramos no Android e desliga várias funcionalidades que consumem muita bateria, como as atualizações de email, o siri ou aplicações que trabalham em background.

Portanto, resumindo, numa fase inicial dificilmente conseguirá os dois dias, já que irá aprender a utilizar o smartphone e a nova tecnologia 3D Touch, mas após esta fase inicial conseguirá utilizar o smartphone durante dois dias sem ter de o carregar, mas dependerá de si. Também é verdade que a Apple reduziu o tamanho das suas baterias quando comparado com o iPhone 6, mas esperemos que consiga resolver o problema através da atualização do software.

Câmara e Multimédia

E chegamos a uma das novidades do iPhone 6s, a câmara. Finalmente, já que o mesmo já era pedido há algum tempo, a Apple aumentou os megapixéis da sua câmara dos 8MP para os 12MP, não esquecer que a Apple utiliza 8MP desde o iPhone 4.

davTambém temos de referir que não são os megapixéis que tornam a câmara melhor, existe outros fatores muito mais importantes que isso, mas é sempre uma novidade bem-vinda. Aliada a uma abertura f/2.2 e a várias outras novidades mais técnicas, a câmara do iPhone 6S está cada vez melhor.

Sim, o iPhone 6S tem uma das melhores câmaras nos smartphones e as fotos apresentam-se (um pouco) melhor que o iPhone 6. Mas onde fiquei muito surpreendido foi nas fotos noturnas. Por base, costumo tirar uma fotografia sempre da mesma forma a um pequeno pote, sendo que dois LEDs estão ligados a uns 6 metros de distância no meu hall de entrada, enquanto o objeto encontrasse na sala, na área oposta à porta de acesso ao hall. A luminosidade é muito reduzida e é bom para testar as câmaras neste modo e o iPhone 6S surpreendeu por termos uma fotografia bastante razoável.

Também testei com o Galaxy S6 e o resultado não foi tão bom como o conseguido com o iPhone 6S, o que demonstra, por parte da Apple, uma boa evolução neste sentido. Quanto ao LG G4, que também me passou pelas mãos mas foi analisado pelo António Maciel, obteve um resultado muito similar ao iPhone.

iPhone 6S Fotos (5)

Apesar do excelente desempenho em fotos noturnas, todas as fotografias são de grande qualidade, sendo que tirámos fotografias nas mais variadas situações, tanto com a luz diretamente no ecrã, como macros, e tudo funcionou às mil maravilhas. Pode ver as fotos originais na nossa página do Flickr.

iPhone 6S Fotos (6) iPhone 6S Fotos (1) iPhone 6S Fotos (4)

De indicar que o iPhone 6S não tem estabilizador ótico, o que para pessoas que tremem um pouco mais poderá ser difícil quando é necessário permanecer estático durante as fotografias, mas nota-se muito a falta desta tecnologia no vídeo. O vídeo comporta-se corretamente e como esperado neste equipamento. Ainda há a salientar que o iPhone 6S já permite gravações em 4k, apesar de não ser qualquer um que já tem equipamentos de reprodução 4K.

Temos, ainda, de referir o software da câmara do iPhone 6s, não pelo software para tirar fotografias, que não difere do iPhone 6S, mas que vem com uma nova funcionalidade, o Live Photos.

O Live Photos realiza um pequeno vídeo de 1,5 segundos sempre que tira uma foto. Basicamente, sempre que tira uma foto e grava um pouco antes e um pouco depois de vídeo e áudio, oferecendo as “fotos vivas”. Sinceramente, uma funcionalidade não muito interessante e que não é nada funcional, até porque o mais normal é começar a gravar quando estamos a mexer o smartphone antes de tirar a foto e terminar a baixarmos a câmara quando acabamos de tirar a fotografia e queremos ver o que fizemos.

Para partilhar as Live Photos, apenas pode ser com outros utilizadores iOS 9, WatchOS 2 ou Mac OS X El Capitan, o que volta a questionar-nos a utilidade desta novidade. No futuro, também poderemos partilhar diretamente nas redes sociais, mas mesmo assim, continuo a não ficar muito entusiasmado.

davTambém temos de nos lembrar que o Live Photos ocupa o dobro (ou mais) espaço de uma foto normal, o que nos leva a outro ponto negativo do iPhone 6S que é o espaço. 16GB de armazenamento no modelo mais barato já nos parece pouco, até porque toda a concorrência já oferece 32GB e basta olharmos para os modelos do iPhone 6S seguintes (64GB e 128GB), que parece que a Apple nos quer obrigar a pagar mais para termos mais espaço. Então com estas funcionalidades todas que nos fazem ocupar o pouco espaço que temos…

Em termos de multimédia como jogos, visualização de vídeos e som, continua muito bom tal como a Apple nos tem vindo a habituar. O jogo que testamos sempre é o Real Racing 3 e tudo funcionou como deve ser, portanto nada a acrescentar nem a criticar nesta área.

Veredito: iPhone 6S

A Apple diz que no iPhone 6S  “A única coisa que mudou foi tudo”, mas acho que exageraram, até porque há muitas coisas que poderiam mudar e outras que ficaram pior. Mas o iPhone 6S é um excelente smartphone e, sem dúvida, uma das melhores opções do mercado.

davDas melhores funcionalidades que vimos adicionadas o 3D Touch é, sem dúvida, a melhor, já que é uma funcionalidade bastante útil. Terá um tempo de adaptação, mas que assim que perceber como funciona perceberá que é algo que adorará. Claro que ainda vai demorar um pouco a que os programadores adaptem esta nova funcionalidade, mas qualquer um percebe que é uma ideia com futuro.

Em termos de aspetos positivos, também temos a câmara que está melhor, nomeadamente nas fotografias com pouca luminosidade, bem como o desempenho. Também o TouchID está muito melhor, muito preciso, com cada vez menos falhas, e muito rápido a responder, por vezes até rápido demais.

Mas um dos pontos onde mais nos desiludimos foi na bateria e a na sua duração, uma das primeiras questões quando percebemos que a Apple tinha reduzido o tamanho da bateria. Chegará aos dois dias de utilização, mas poderá ser mais difícil do que antes. Também o Live Photos não nos deu grande entusiasmo, bem pelo contrário, até porque aumenta o espaço ocupado pelas fotografias, espaço que está limitado, já que a versão base, ainda, é de 16GB, quando os concorrentes têm a versão mais barata com 32GB de armazenamento. Parece que a Apple quer-nos obrigar a comprar o produto mais caro.

Pontos a Favor:

  • 3D Touch é realmente útil
  • Câmara
  • Desempenho exemplar
  • TouchID está melhor

Pontos Contra:

  • Bateria parece durar menos
  • Live Photos não surpreende
  • 16GB de ROM

Desde já temos de agradecer à Vodafone por nos ter disponibilizado o iPhone 6S para teste, no caso a versão “rosa-dourado” que é a grande novidade. O iPhone 6S pode ser adquirido na Vodafone a partir dos 749,90€. Segue-se a nossa galeria de fotos:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here