Análise Huawei P10: o melhor smartphone de 2017 até agora

Mais um ano que passa, mais um modelo topo de gama e, mais uma vez, a Huawei lança um smartphone topo de gama que impressiona. Neste caso, a grande diferença é que o Huawei P10 tem um design melhorado, sem arestas na parte traseira e conta um processador mais potente. Mas será muito melhor? Claro que sim.

Especificações e acessórios
Design e Ecrã
Desempenho
Câmara
Veredito: Huawei P10

O Huawei P9 está quase a fazer um ano e, na altura, o smartphone surpreendeu por ser um dos primeiros equipamentos móveis com duas câmaras traseiras, um sensor RGB e outro monocromático, ambos de 13MP. Agora, recebe um upgrade, com as mesmas câmaras do Huawei Mate 9, com um sensor RGB de 12MP e um sensor monocromático de 20MP.

Na análise ao Huawei Mate 9 já tínhamos referido que a fabricante chinesa estava a dar os passos certos para roubar o segundo lugar à Apple, mas com este Huawei P10 continuam na direção correta e se nos últimos anos a Huawei tem crescido, certamente que continuará, pois além de todas estas especificações topo de gama e um design que faz frente a qualquer,  com o preço que pratica está mais perto de convencer os utilizadores. Se é que há algum que precise de ser convencido.

Quando o comparamos com o Huawei P9 vemos bastantes melhorias e se o equipamento já tinha sido um sucesso de vendas, então este novo equipamento vai no mesmo caminho. É perfeito? Não é, pessoalmente, há mudanças que não me agradam minimamente, mas não deixa de ser um excelente equipamento, como assim se espera. Continuem a ler a análise e percebam porque é que o Huawei P10 é um topo de gama.

Especificações e acessórios

  • Dimensões: 145.3 x 69.3 x 7 mm
  • Peso: 145 g
  • Sistema Operativo: EMUI 5.1, Android 7.0 Nougat;
  • Ecrã: 5,1” Full HD; 2,5D
  • Câmara Traseira: Dual câmara 20MP+12MP, f/2.2, OIS, óticas Leica, Flash Duplo
  • Câmara frontal: 8 MP, f/1.9
  • Processador: Hisilicon Kirin 960, Octa-core (4×2.4 GHz Cortex-A73 e 4×1.8 GHz Cortex-A53)
  • GPU: Mali-G71 MP8
  • Memória RAM: 4 GB;
  • Armazenamento interno: 64 GB;
  • SIM+MicroSD até 256GB
  • Ligações: jack 3,5 mm jack
  • Sensores: impressões digitais; sensor de brilho; sensor de luz ambiente;
  • Conetividade: Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, dual-band, DLNA, WiFi Direct, hotspot
  • GPS: A-GPS, GLONASS, BDS, GALILEO
  • Bluetooth 4.2;
  • USB Type C
  • Bateria: 3200 mAh de capacidade;

Em termos de acessórios fiquei muito agradado, pois a Huawei decidiu fazer com o P10 o mesmo que já fazia com a gama Mate, adicionar uma capa protetora na aquisição do equipamento. Assim, e apesar de não ser o meu estilo favorito, o Huawei P10 vem com uma capa rígida transparante, o que permite ter o smartphone protegido assim que o comprar, sem ter de ir a correr comprar uma capa.

Em termos de acessórios, contamos com a capa protetora, uma tomada de parede, um cabo USB-USB Tipo C e uns auriculares.

Design e Ecrã

Não há grande dúvida que a Huawei tem-se esmerado no design dos equipamentos e apesar de a maioria das pessoas o comparar à concorrência, eu considero que é uma evolução normal do design metálico, tal como já tinha acontecendo por algumas marcas chinesas. Tal como, uma grande maioria, deixou os acabamentos plásticos e optou pelo metal.

Assim, o Huawei P10 tem um design hipnotizante e que convence assim que lhe pegamos, com acabamentos metálicos e sem qualquer aresta na parte traseira, o que oferece muitos pontos positivos. Primeiro, o design fica mais atraente, sendo que a ergonomia fica a ganhar, e muito. Nota-se quando lhe pegamos que o smartphone encaixa melhor na mão e com este tamanho considero quase perfeito para que consigamos mexer no equipamento sem qualquer problema e com uma mão.

Outro aspeto que considero muito positivo é que, ao contrário do Mate 9, a câmara não tem qualquer saliência, um erro que a Samsung e a Apple continuam a fazer nos seus equipamentos de topo. Ok, se calhar os sensores fotográficos não cabem noutros sítios, mas se a Huawei consegue, a Samsung e a Apple têm a obrigação de também conseguir. E, a qualidade fotográfica também não é pior por causa disso.

Em termos de design, o que gostei menos é a mudança da localização do sensor de impressões digitais, que deixou de estar na parte traseira e passou a estar por baixo do ecrã, funcionando de botão Home. Esta acaba por ser uma opção pessoal, já que ambas as localização têm pontos positivos e negativos.

O ecrã continua a ser Full HD e parece que a Huawei não quer mudar esta ideia tão cedo. Muitos concorrentes já estão no QuadHD, mas a fabricante chinesa continua na resolução anterior. Será que vale a pena ter uma resolução superior que, praticamente, os olhos não conseguem diferenciar e pagar muito mais por isso? A Huawei quer oferecer o melhor smartphone possível ao melhor preço possível e isso só se consegue oferecendo as especificações de topo essenciais.

Como já é habitual, o ecrã é de grande qualidade com cores excelentes, bem como bons ângulos de visualização e bom desempenho em exteriores. Uma coisa que me agrada bastante é a possibilidade de personalização da temperatura de cores, o que permitirá aos mais entendidos personalizar um pouco o ecrã.

O ecrã é IPS e ficamos rendidos com o resultado, já que o AMOLED é considerado o topo de gama nesta área, mas o desenvolvimento dos IPS têm caminhado numa boa direção e, apesar de ainda não serem melhores que o AMOLED, estão cada vez mais próximos.

Desempenho

Em termos de desempenho temos do melhor que há no mercado, até agora. O processador e a memória RAM são os mesmo que o Mate 9, Kirin 960 e 4GB de RAM, mas há um melhoramento no desempenho deste equipamento. Não é que se note qualquer diferença na utilização, mas nos resultados dos testes de desempenho verifica-se alguma superioridade do Huawei P10.

Agora, porque é que o Huawei P10, que tem as mesmas especificações, é superior ao Mate 9? Boa pergunta, mas vou apostar que a justificação estará no software, já que o Huawei P10 já conta com o EMUI 5.1, uma versão mais recente do equipamento e que ainda não está disponível para o Mate 9. Novidades visíveis, não há muitas, já que é uma pequena atualização do EMUI 5.0, baseado no Android 7.0 Nougat.

O EMUI 5.1 vem melhorar o desempenho do equipamento e é por isso que nos testes de desempenhos verificamos um melhoramento, que esperamos que também aconteça assim que a atualização chegue ao Mate 9. As novidades em relação ao EMUI 5.0 são um melhoramento na gestão da memória RAM, uma nova aplicação da câmara, o botão “Home” substitui os três botões habituais e mais algumas pequenas modificações.

Uma das novidades que mais notamos neste equipamento é termos, apenas, um botão “Home”, que não é botão físico,  mas sim touch. Podemos ter os botões no ecrã, mas para podermos utilizar todo o ecrã, a Huawei adicionou funcionalidades ao botão touch para podermos usar o “Voltar, Home e aplicações”. Como?

Com um toque voltamos ao ecrã anterior, com um toque mais longo vamos para o ecrã inicial e deslizando da esquerda para a direita temos acesso às tarefas recentes. Não é novo, a Meizu já tinha adicionado uma funcionalidade deste tipo nos seus smartphones, mas obrigará a uma aprendizagem que não é vantajosa, atualmente.

Já que estamos a falar do botão, o sensor de impressões digitais continua a ser de grande qualidade e com um excelente desempenho, muito rápido. Continua a ser um dos melhores sensores do mercado. No entanto, esta mudança de localização não me agrada minimamente, mas não deixa de ser uma questão pessoal e certamente que encontrarão outras pessoas que gostam mais desta localização.

O desempenho da bateria continua a estar dentro do que estamos habituados. Sinceramente, não é dos melhores desempenhos e esse é um dos grandes motivos porque eu prefiro o Huawei Mate 9 a este P10, além do tamanho do ecrã. Para conseguir dois dias de utilização, terá de ser um utilizador moderado, mas a grande vantagem da Huawei é que tem o modelo de carregamento mais rápido do mercado, tal como já tinha referido no Mate 9. Com este equipamento, provavelmente, terá de o carregar todos os dias, com uma utilizarão normal.

Câmara

A câmara continua a ser o grande destaque do Huawei P10, mas só notará diferença se vier de modelos anteriores ao Mate 9, pois neste equipamento encontramos as mesmas câmaras da gama Mate, bem como já vem acompanhado do OIS, uma das grandes falhas da Huawei que já vem corrigido neste equipamento.

Um smartphone que se quer destacar pela câmara, tem de ter tecnologia de ponta nesta área e ter um smartphone sem estabilizador ótico de imagem, não faz grande sentido. No antecessor, apenas o P9 Plus tinha este sensor, mas felizmente que no Huawei P10 já temos o  OIS e isso reflete-se, e muito, no resultado final das fotografias. As fotografias em monocromático continuam a ser uma coisa do outro mundo.

Com o Huawei P10 verifica-se um melhoramento da qualidade fotográfica quando captamos fotos com pouca luminosidade, o que é, ainda, o grande tendão de aquiles dos smartphones. Felizmente, o Huawei P10 já consegue um desempenho bastante razoável nestas condições e conseguimos tirar fotografias muito agradáveis. Apenas podemos apontar contra uma reduzida abertura (f/2.2), que o Huawei P10 Plus já melhora com uma abertura de f/1.8 e que já rivaliza com a concorrência.

O melhor mesmo é ver o resultado nas fotos seguintes, mas poderá ver as fotografias originais na nossa página do Flickr:

Em termos de vídeo, o Huawei P10 já permite a captação de vídeo 4K e, também a qualidade de vídeo é boa, ajudada pelo OIS que melhora o resultado final de qualquer vídeo.

Temos, ainda, de falar da aplicação da câmara, que com o EMUI 5.1 recebeu melhoramentos e, além da associação com a Leica, a Huawei estabeleceu uma parceria com a GoPro, que integra um novo álbum de fotos, bem como o Quik vem pré-instalado, uma aplicação de edição de vídeo e pode facilmente partilhar as edições nas redes sociais.

Veredito: Huawei P10

Não há grandes dúvidas que este Huawei P10 é um smartphone espectacular e a Huawei lançou e colocou no mercado antes de todos os outros concorrentes, o que lhe dá uma vantagem teórica. O smartphone tem um design muito bom e corrige uma das falhas que que, para mim, tinha, a falta de estabilizador ótico. Com esta novidade, melhorou, muito, as fotografias com pouca luminosidade. O P10 Plus certamente que será melhor, pois tem uma melhor abertura (P10 Plus tem f/1.8 enquanto o P10 tem f/2.2), mas oferece bons resultados.

A Huawei tem melhorado o design do P10, que segue uma tendência no design dos smartphones, removendo as arestas e tornado o equipamento mais arredondado e ergonomicamente melhor. O design do Huawei P10 é, sem dúvida, um dos grandes aspetos positivos do equipamento.

Em termos de aspetos negativos, a falta de resistência a pó e água é uma desvantagem, até porque a maioria da concorrência já oferece isso, até em equipamentos mais fracos e baratos. Também a nova localização do sensor de impressões digitais considero negativo, já que a anterior localização é, na minha opinião, a melhor num smartphone.

Pontos a Favor:

  • Design
  • OIS
  • Fotografias com pouca luminosidade melhores

Pontos Contra:

  • Localização do sensor de impressões digitais
  • Falta resistência ao pó e água

Desde já agradecemos à Huawei Portugal por nos disponibilizar uma unidade do Huawei P10 para testes. O Huawei P10 já está à venda nas lojas de retalho por 659€, enquanto a versão Huawei P10 Plus custa 789€. Segue-se a nossa galeria de imagens:

Veja também...

Deixe o seu comentário