Análise Huawei Mate 50 Pro: continua a ser a melhor câmara para smartphones

O Mate 50 Pro é o principal telefone da Huawei em 2022 sendo que, tal como “antigamente”, continua a demonstrar o que de melhor a marca consegue fazer no mercado de smartphones. Quer dizer, o melhor nas áreas em que pode.

A verdade é que a Huawei continua a ser líder nas câmaras para smartphones e isso não somos nós a dizer, mas sim a DxOMark, que terminou o ano de 2022 com o Mate 50 Pro como o melhor smartphone na área da fotografia. E, para nós, sem dúvida que é um dos melhores e deixa-nos tristeza pela situação em que a marca está.

Obviamente que apesar de o smartphone ser incrível e excelente, não nos podemos esquecer das suas limitações, que é a falta dos serviços da Google e do 5G. Por enquanto, o 5G não considero um problema, enquanto os serviços da Google é, sem dúvida um problema, mas há que aplaudir a forte aposta da marca nos seus próprios serviços que não ficam atrás dos da Google. No entanto, os Huawei Mobile Services, no mundo ocidental, não deixam de ter alguma resistência por parte dos consumidores, principalmente devido à dependência  que os utilizadores têm em relação à Google.

Design e ecrã

O Huawei Mate 50 Pro é um telefone apelativo. Continua o estilo dos antecessores, colocando as câmaras traseiras num círculo gigante – um disco que se destaca na traseira do equipamento. Aliás, um grande disco.

Mas olhando para o design geral do equipamento, verificamos que a Huawei apostou aqui no vidro, sendo que o Mate 50 Pro parece uma sanduíche de dois painéis de vidro curvos, com alumínio no meio. Um anel de metal assenta à volta do disco da câmara, com detalhes finos ao longo do seu topo. Pessoalmente, não sou um grande adepto de saliências, mas até gosto do disco, que lhe dá um toque Premium ao equipamento

O Mate 50 Pro tem uma excelente resistência IP68 à água e ao pó. É também um dos poucos telefones de topo com memória expansível. No entanto, só se pode usar um dos cartões NM do tamanho nano-SIM da Huawei. Também não há compartimento de 3,5mm para auscultadores, e os altifalantes resultam num som bastante impressionante, com uma tonalidade rica e suave.

O Huawei Mate 50 Pro tem um ecrã de 6,74 polegadas com uma resolução de 2616×1212 pixels. Isto é apenas um pouco mais alto que a norma de 1080p. Está bem abaixo dos 3088 x 1440 da Galaxy S22 Ultra e ligeiramente abaixo dos 2796 x 1290pixéis do iPhone 14 Pro Max. No entanto, penso que a maioria das pessoas não se deve importar tanto assim. A qualidade do ecrã é boa e não foi possível ver qualquer imprecisão durante a nossa utilização.

No interior, o Mate 50 Pro oferece até 535 nits de brilho – um pouco melhor do que a maioria – e à luz direta do sol, atinge no máximo 825 nits.

Também penso que o modo de cor por defeito deste telefone é óptimo. A Huawei diz que o mesmo alterna entre os padrões de cor para se adequar à aplicação utilizada – e funciona realmente bem. A cor das suas fotografias não está amplificada na galeria, e as cores dos ícones do ecrã de entrada parecem vibrantes. Em alternativa, o modo Vivid usa cores extra-saturadas o tempo todo, o que eu não recomendaria, mas permite a personalização que quiser.

Outros aspectos do visor são exatamente o que se esperaria de um telefone de alta qualidade. Tem uma taxa máxima de actualização de 120Hz para uma rolagem suave, e suporta vídeo HDR.

Desempenho

A Huawei foi uma das fabricantes que decidiu, e conseguiu, criar o seu próprio processor com um grande qualidade. Além da Huawei, apenas a Apple e a Samsung o conseguiram, sendo que as outras duas grandes fabricantes são a Qualcomm e a MediaTek. No entanto, o processador próprio da HiSilicon acaba por ser uma das afetadas e se no P50 Pro ainda equiparam os modelos, no novo Mate 50 Pro a Huawei optou pelo Qualcomm Snapdragon 8+ Gen 1.

Este é um processador super-poderoso com um fantástico desempenho gráfico, sendo um processador poderoso do mercado com excelentes desempenhos. A versão “+” da Qualcomm dos 8 Gen 1 aqui vista foi parcialmente concebida para lidar com os problemas de calor da versão original, utilizando uma arquitetura mais eficiente. No entanto, a versão que equipa o Mate 50 Pro é uma versão apenas com 4G.

E se é verdade que os equipamentos têm tendência para um grande aquecimento, a verdade é que o Huawei Mate 50 Pro não ficou tão quente como esperava enquanto joguei o Fortnite. Esse jogo corre lindamente neste telefone, sendo que não fica nada atrás a outros smartphones de topo e com todas as opções gráficas desbloqueadas, incluindo o modo 90fps.

No entanto não podemos deixar de falar da falta da Play Store. Existe formas de contornar esta situação e, hoje em dia, até bastante fiáveis, mas vamos testar o smartphone sem essas possibilidades. É que, como sabemos, desde 2019, os telefones Huawei não têm aplicações Google. Isso significa que não há Play Store, nenhum Gmail ou Google Maps.

No seu lugar, obtém-se a AppGallery da Huawei, Petal Maps, etc. – as apostas da Huawei, os HMS, Huawei Mobile Services. Mas uma coisa é certa, a marca tem apostado forte na sua oferta para que o cliente não “sinta a falta” dos serviços da Google. Mas, o problema é que estamos habituados a eles. E apesar da forte aposta da Huawei na sua loja de aplicações e da adição de milhões das principais aplicações do mundo Android, certamente que haverão algumas que não encontrará na App Gallery.

Aqui, nesta situação, tem de haver um esforço da parte do utilizador para procurar uma alternativa (Que certamente encontrará). Até o próprio email da Google, o Gmail, poderá ser acedido através da aplicação de email da Huawei. Mas para facilitar as situações de aplicações em falta, a Huawei adiciona o Petal, uma ferramenta de pesquisa que lhe mostra outros lugares que não AppGallery onde pode encontrar aplicações descarregáveis.

No entanto, com um pouco de esforço conseguirá resolver o problema e, ou encontra alternativas às aplicações que utiliza agora, ou então pode sempre verificar em sites especializados como instalar os serviços da Google no Huawei Mate 50 Pro.

Câmara

Mas vamos falar do que melhor a Huawei faz. O Huawei Mate 50 Pro tem uma óptima máquina fotográfica – uma que é um divertimento para usar em qualquer altura. Embora pareça que há quatro câmaras na parte de trás, na verdade são três. Recebe-se uma câmara primária de 50 megapixels, uma ultrawide de 13 megapixels e uma zoom periscópico de 64 megapixels 3,5x.

A grande novidade para este ano é a abertura variável. A abertura refere-se ao tamanho do orifício que deixa entrar luz, e quase todos os telefones têm um orifício fixo. A lente principal do Mate 50 Pro pode abrir-se em quatro fases. Pode observar as pequenas lâminas a moverem-se à medida que muda a configuração da abertura.

No entanto, uma coisa é certa, tirar fotografias com o Mate 50 Pro é incrível e fiquei tão impressionado quando da análise que fizemos ao Vivo X80 Pro. É uma das melhores câmaras telefónicas que usei durante todo o ano, e isto é 95% menos do que o zoom. Permite tirar fotos muito melhores à distância, e a própria câmara é de qualidade suficiente para ter o seu próprio efeito suave de desfoque de fundo quando o seu sujeito está apenas a alguns metros de distância.

As imagens a 10x são bastante suaves – não correspondem exatamente às de uma Samsung Galaxy S22 Ultra 5G e da sua câmara 10x, e quando abusamos do zoom, o desfoque e grau é notório, tal como acontece com a grande parte dos concorrentes. Mas até às 20x, conseguimos uma qualidade fotográfica bastante boa para a situação.

A qualidade geral da imagem é óptima a partir da câmara principal. As fotografias noturnas podem parecer incríveis, quer se utilize o modo Noturno ou não – tende a aumentar um pouco a cor e a aumentar a nitidez da imagem, mas em grande parte através do processamento. A cor é geralmente boa, com uma tendência para alguns tons parecerem um pouco mais quentes/muito saturados em certas cenas.

O vídeo pode ser capturado com uma resolução até 4K, 60fps, e a qualidade da imagem é boa tanto a 4K como a 1080p.

A câmara frontal do Mate 50 Pro também é muito boa: um 13-megapixel com um plano focal invulgarmente perfeito, o que significa que pode aproximar-se do telefone sem que a sua cara se torne uma confusão. De referir que também no teste da câmara frontal o DxOMark coloca o Mate 50 Pro como um dos melhores do mercado, neste caso a par do iPhone 14 Pro e iPhone 14 Pro Max.

Duração da bateria

O Huawei Mate 50 Pro não tem velocidades de carregamento líderes na indústria, oferecendo 66W, enquanto outros de Xiaomi têm 120W ou mesmo mais. Contudo, o Mate 50 Pro demora 42 minutos a carregar totalmente a sua bateria até aos 100%. É verdade que não tem evoluído como os concorrentes, mas não nos esquecemos que foi com o Huawei Mate 20 Pro que fiquei impressionado com um carregamento super rápido.

O carregamento sem fios é excelente, com 50W de potência máxima quando utilizado com a carregador que o suporte. Embora não tenha conseguido testar isto, a Huawei está a aproximar-se do sonho de alcançar uma paridade próxima entre os métodos com e sem fios. O carregamento sem fios de 5W invertido também está disponível, caso se pretenda carregar um par de auscultadores que suportam o carregamento Qi.

A capacidade da bateria do Mate 50 Pro é de 4700mAh – inferior ao que normalmente se encontra num telefone mais barato deste tamanho, porque quando se faz um telefone caro, este tem de ser fino (aparentemente).

A Huawei sempre foi muito forte na área da bateria e se é verdade que nos tempos de carregamentos já existem tecnologias superiores, a verdade é que em termos de duração de bateria continua a ser uma das melhores. É, também, verdade que não consegui utilizar totalmente o smartphone já que algumas aplicações não estão disponíveis, mas facilmente consegui dois dias de duração de bateria, algo que é cada vez mais raro e que, ainda me lembro, de que acontecia com a Huawei.

Veredito: Huawei Mate 50 Pro

Vou começar por dizer que o preço é realmente alto, mas vai ao encontro de grande parte da concorrência, já que os modelos topo chegaram ao mercado por valores superiores a 1200€ e este não é diferente. No entanto, também não o vai encontrar facilmente à venda em Portugal.

Para encontrarmos tivémos de fazer uma pesquisa intensiva e nem no KuantoKusta nos foi possível encontrar. Encontramos num site nacional especializado, através de um parceiro, com um preço de 1282€ e numa pesquisa do Google encontramos por 1089€, sempre de lojas importadoras, já que a venda global deste equipamento é limitada. E percebe-se porquê. Atenção, o Huawei Mate 50 Pro é espetacular, mas a verdade é que as pessoas têm dificuldades às mudanças e para utilizar este equipamento são necessárias mudanças por parte dos utilizadores.

A qualidade fotográfica deste Huawei continua excelente e um dos melhores do mercado, bem como uma excelente duração de bateria e design, no entanto não é possível deixar de referir que a falta dos Google Mobile Services tornam um desafio para os consumidores. Já para não falar do preço elevado, que não vem com 5G.

Temos de terminar esta análise referindo o sentimento agridoce da utilização deste equipamento durante vários dias, pois senti enormes saudades dos tempos em que os modelos Huawei P e Mate dominavam o mercado e faziam séria concorrência à Samsung e Apple com excelentes equipamentos e câmaras espetaculares, mas é um autêntico desafio fazer uma alteração tão drástica e deixar toda a nossa dependência da Google para trás.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui