Análise do Huawei Mate Xs: o expoente máximo no mundo dos telemóveis

O Huawei Mate Xs é o precursor de uma tendência bastante consolidada de inovação no segmento dos foldable phones, ou em português, os telemóveis dobráveis. Este é o segundo modelo do género da fabricante chinesa, substancialmente melhorado, o novo Mate Xs promete assombrar a concorrência dentro da mesma gama. O preço? Não agrada a todos, mas os entusiastas não devem encontrar algo semelhante entre os demais concorrentes.

Os últimos dias foram de exaustivos testes à resistência do telemóvel para o dia-a-dia. É de surpreender qualquer um pela sua intuitividade quer do sistema, quer da experiência do utilizador e, sobretudo, pela sua forte autonomia mesmo com um ecrã tão grande. Não falamos apenas de mais um telemóvel, falamos de um equipamento extremamente versátil que tanto pode funcionar como um simples telemóvel para atender chamadas, como passar à função de tablet para um trabalho consolidado (focado no uso de programas de produtividade).

Este é, uma vez mais, um equipamento de nicho, não tem por objetivo agradar a toda a gente, pelo que deve ponderar se é realmente o dispositivo que irá satisfazer as suas necessidades. Esperamos que através desta análise consiga perceber se este será um investimento que valha a pena ou não.

Câmeras Leica: sempre a dar cartas à concorrência

O Huawei Mate Xs distingue-se, como acontece com outros modelos da fabricante, pelo uso da tecnologia Leica nas suas câmeras de telemóvel. Falamos de um modelo equipado com quatro sensores que, face à sua textura e dimensões oferece a possibilidade de recorrer ao sensor principal como câmera de selfie.

O Mate Xs conta com uma câmera wide-angle de 40 MP, com uma abertura de f/1.8, uma lente telephoto de 8 MP com 3x de zoom ótico, podendo alcançar 5x de zoom híbrido. Finalmente, recorre ainda a um sensor ultrawide de 16 MP com uma abertura de f/2.2 e um depth sensor TOF 3D (ideal para o desfoque em fotografias de retrato ou para reconhecimento facial). É importante mencionar que este conjunto de câmeras é extremamente versátil no campo fotográfico, mas especialmente, no campo da captação de vídeo — aliás, a surpresa foi maior no vídeo do que na fotografia.

O telemóvel é capaz de captar em 4K a 60 fps com auxílio da estabilização ótica, o que é incrível, por si só, porque a grande maioria dos telemóveis que é capaz de gravar em [email protected] fps não permite que façamos uso da estabilização, uma vez que iria sobrecarregar (ainda mais) o processador. Habitualmente, na grande maioria da concorrência, a estabilização ótica só é permitida a partir de [email protected] até resoluções mais baixas. Mas isto é importante, porquê? É importante pois imagens captadas a mais de 30 imagens por segundo são suscetíveis de se sentirem as trepidações das mãos ao segurar (em movimento, por exemplo) um telemóvel. A existência de uma estabilização ótica nesta cadência permite que o efeito seja substancialmente minimizado.

Os diversos modos fotográficos são interessantes, no entanto, modelos como o Huawei P40 oferecem melhores especificações — não é este o foco deste equipamento, no entanto, mesmo não sendo, não compromete, nem deixa a desejar. O modo noturno, ponto forte dos sensores Leica (presentes nos Huawei), já bem otimizado — faz uso de da abertura de f/1.8 do sensor de 40 MP que se encontra limitado a 12 MP (através de um processo de redução 1:3 pixéis a fim de extrair mais informação (imagem) no mesmo pixel (3x maior).

Desempenho

A capacidade preformante do novo Mate Xs é acima de tudo expectável, ainda que em alguns aspetos surpreendente. Falamos de um modelo topo de gama, pelo que é expectável que tenha qualidade em todos os aspetos, sobretudo no processamento e na rapidez, no entanto, a fluidez e a forma intuitiva como o Xs nos permite manusear o Android é simplesmente satisfatória.

CPU/GPU

  • Kirin 990 5G;
  • Octa-core (2×2.86 GHz Cortex-A76 & 2×2.36 GHz Cortex-A76 & 4×1.95 GHz Cortex-A55);
  • Mali-G76 MP16;

Segundo dados do Antutu Benchmark v8.4.1, o Huawei teve um comportamento muito bom em termos gerais de desempenho, uma vez que se apresenta como um smartphone high-end. O processador Hi-Silicon Kirin 990 faz com que este equipamento ultrapasse apenas 65% da concorrência com 136.311 pontos, o que ainda assim é surpreendente. Quando falamos do processamento gráfico, este modelo equipado com uma Mali-G76 ultrapassa apenas 61% dos seus oponentes. Por fim, quando falamos de UserExperience (UX), que conta com 67.323 pontos, alcança cinquenta por cento do mercado.

RAM/ROM

  • ROM 512 GB;
  • ROM expansível por microSD até 256 GB;
  • RAM 8 GB;

O desempenho da GPU é algo compreensível dado o foco deste equipamento, ainda para mais recorrendo a terceiros, à MediaTek, para o incorporar, no entanto, o CPU foi aquele de que esperávamos maior desempenho no teste, mas parece que isso não aconteceu. Os processadores Qualcomm Snapdragon continuam a dar cartas face à concorrência.

É, acima de tudo, um telemóvel muito competente em processar quase todo o tipo de tarefa, pelo que, não deve ter grandes receios face a compatibilidades (à exceção dos aplicativos do Google). O processador Kirin 990 é dos processadores mais competentes do mercado, especialmente, ao nível da inteligência artificial. Além disso, é um processador que já é compatível com o 5G, pelo que se planeia adquirir um equipamento multifuncional pensado para o futuro, este constitui uma alternativa muito interessante.

Autonomia: bastante alargada para as dimensões do ecrã

O uso do Mate Xs passa, em grande medida, pelo uso deste telemóvel dobrável, fechado. Dado este facto, a poupança da bateria é ainda mais evidente, pois o novo Huawei é capaz de gerir de uma forma incrível a bateria quando comparado com o seu antecessor, o Mate X. É importante mencionar que o modelo configura uma bateria de 4.500 mAh, ou melhor, duas baterias (em cada lado da dobra do equipamento), o que permite um carregamento rápido mais eficaz e duradouro.

Durante a nossa análise, fizemos uso do equipamento, tanto em modo estendido como no modo mais compacto (fechando o telemóvel), com o modo always-on-display. Em média, em uso moderado, a bateria aguentou dos 100% aos 5% cerca de 2 e em alguns casos 3 dias. O uso mais exaustivo pode levar a que o equipamento possa durar um dia e poucas horas.

Graças ao carregamento rápido de 55W, o novo Mate Xs consegue carregar dos 0% aos 85% em pouco mais de meia-hora e até 45 minutos ou 1 hora até aos 100% o que é bastante interessante, pois já permite uma grande autonomia em apenas meia hora. É uma implementação que compatibiliza o uso deste telemóvel mesmo em aplicativos que consumam muita bateria (sem ser num uso moderado, como foi o nosso caso). Assim sendo, se a bateria e autonomia forem um problema, pode ficar descansado que este dispositivo não o irá desapontar, mas por via das dúvidas, leve sempre um carregador consigo (se for um utilizador intensivo).

Ecrã

A nível de display, o dispositivo vem equipado com um ecrã OLED de 8 polegadas máximo estendido (~86,9% de rácio de screen-to-body). Este painel é um dos maiores do segmento e está substancialmente mais sólido do que aquele apresentado pela Samsung, no entanto, ambos frágeis como seria de esperar. Os riscos e defeitos no ecrã ocorrem com maior facilidade, pelo que recomendamos que afaste este telemóvel de ambientes arenosos ou húmidos.

A Huawei optou por incluir uma resolução modesta (muito em torno do FHD+ e o 2K), que não desilude de todo. Aliás, passava muito bem por 4K, se assim o fosse dito. O ecrã completo tem uma resolução de 2200 x 2480 pixels (com uma densidade de ~414 pixéis por polegada). Quando o telemóvel está fechado, estamos perante um ecrã com 6,6 polegadas e uma proporção de 19,5:9 num total de 1148 x 2480 pixels. Graças ao painel OLED, a opção “Always-on-display” que é bastante útil, especialmente neste modelo, funciona em perfeitas condições. A teoria dizia que um ecrã destas dimensões seria bastante produtivo, mas na prática deparamo-nos com uma realidade que não perde utilidade ao longo do tempo.

A colocação do conjunto das câmeras num pilar único lateral (onde se une o ecrã quando dobrado e fechado) é mais atrativo no sentido da utilidade e estética do equipamento. Deste modo, o dispositivo pode facilmente ser virado apenas quando pretendemos tirar uma selfie. Para uso banal, recorremos ao ecrã principal de 6,6 polegadas.

Design

Os telemóveis Huawei costumam ser dispositivos com elevado nível de requinte, desde os modelos introdutórios aos topo de linha, especialmente, em dispositivos como o Huawei P40 ou Mate 40 — todos eles têm linhas muito modernas e oferecem uma alternativa à Samsung e Apple. O Mate Xs oferece uma estética ainda mais poderosa e diferenciada do que existe no mercado, nomeadamente, do lado da concorrência, com o Samsung Fold 2.

O Huawei Mate Xs possuí uma dobradiça altamente tecnológica, que sozinha, conta com mais de uma centena de peças para que assegure uma durabilidade única, menor ruído no manuseio e resistência aos mais adversos eventos que possam ocorrer ao telemóvel. Contudo, deve ter em atenção que, face à elevada complexidade de dobradiças e ecrã, água ou areia poderão ser fatais — como em nenhum outro comum dos smartphones que contam com tecnologia IP68.

O telemóvel conta com uma moldura bastante requintada e discreta, no entanto, deve considerar utilizar uma capa para o equipamento — capa essa, que parece fazer parte do telemóvel (de tão bem pensada que está para o tipo de dispositivo). Fica assim reduzida a probabilidade de verter qualquer tipo de lixo para dentro de componentes mais sensíveis.

A parte traseira (em relação ao ecrã) oferece um revestimento em plástico mate (numa cor acinzentada) que lhe confere um conforto bastante interessante. O facto de termos uma bateria dividida em duas e em área, faz com que a espessura confira um volume bastante menor e, consecutivamente, uma espessura incrível para este tipo de telemóvel.

Preço

O Mate Xs encontra-se à venda, em Portugal Continental, por 2499€ em lojas como, a Worten, o El Corte Inglês ou, por exemplo, a FNAC — a opção de 512GB de ROM e 8GB de RAM. Por outro lado, se vive no Brasil, saiba que o modelo ainda não está disponível para aquisição até à data da análise, o que se pode traduzir num preço de R$ 11.870 antes de impostos.

Porquê da compra? Prós e Contras

Eis um pequeno resumo que permitirá, eventualmente, ao consumidor ter uma ideia do que pode contar na altura de adquirir este tipo de telemóvel. Saiba alguns dos aspetos que levantamos durante os nossos testes ao equipamento.

Vantagens

  • O peso do dispositivo;
  • Boa ergonomia;
  • Moldura resistente;
  • Câmeras de muito boa qualidade;
  • OLED display (com cores contrastantes);
  • Gravação em [email protected]/60 fps (com estabilização ótica);
  • Gravação em [email protected]/60/960 fps, ultra slow-motion;
  • Disponível em Portugal;
  • Produtividade melhorada;
  • Carregamento 55W;
  • Autonomia alargada;

Desvantagens

  • Ausência dos Serviços do Google;
  • Preço elevado;
  • Muito frágil;
  • Desempenho moderado;

Veredito

Os fortes do Huawei Mate Xs são, sem dúvida, a gravação de vídeo, a captação de imagem, o esplendoroso ecrã que nos fazem orgulhar de ter um dispositivo como este em mãos. O seu dinamismo físico permite um agradável e funcional uso do telemóvel em termos de produtividade. Além disso, para que não tenha que esperar muito tempo para voltar a utilizar novamente o equipamento, a Huawei optou por incorporar um carregador e bateria compatíveis com 55W. É com muita pena que dizemos que o grande defeito deste equipamento é a ausência dos Serviços do Google, face ao panorama atual da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos da América que proíbem a realização de atividades comerciais entre as tecnológicas norte-americanas e a chinesa, Huawei. De resto, não há muito mais a apontar para além do que foi referido em toda esta análise.

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here