Análise de Call of Duty Black Ops: Cold War (PS5) — extrai-se o melhor!

A icónica série Black Ops regressa com grande pompa e circunstância ao universo de Call of Duty, desta vez, ambientado na Guerra Fria, um ano depois do regresso de Modern Warfare — contemporâneo no estilo de combate. Black Ops: Cold War foi o nome atribuído e é uma estreia na franquia Call of Duty, permitindo toda uma nova abordagem a este período mais recôndito da história mundial. Confrontos que podiam ter escalado para uma terceira guerra mundial.

É rotineira a aposta, por parte de grandes produções, em jogos de guerra ambientados quer na primeira e segunda guerras mundiais. Contudo, poucas são as que procuram ir mais além na exploração da história mundial, permitindo excelentes narrativas e experiências multijogador. Black Ops é uma das musculadas séries no mercado dos videojogos, chegando mesmo a bater de frente com a concorrência e sair por cima no que diz respeito a vendas, muito graças à fiel comunidade.

Call of Duty Black Ops: Cold War chegou ao mercado no passado dia 13 de novembro de 2020 para as habituais plataformas — PlayStation, Xbox e Windows — com destaque para as edições de PlayStation 4 e PlayStation 5 que tiveram acesso antecipado. É nestas plataformas que também poderá tirar mais partido do desenvolvimento do jogo — fruto da relação entre a Activision e Sony Interactive Entertainment.

Ambientação

Call of Duty: Cold War alude aos obscuros anos da Guerra Fria, contextualizando toda uma história verídica com elementos ficcionados por forma a construir uma sólida narrativa que impacta o jogador no seu decurso. “Operation 40” é o mote da campanha, onde, durante o ano de 1961 o jogador e a sua equipa têm ordens para assassinar Fidel Castro. O falhanço da operação conduz-nos ao “presente” no contexto histórico de Black Ops: Cold War.

Perante a iminência de um novo conflito armado à escala mundial, a narrativa abeira-se da tentativa de subversão do poder norte-americano pelos soviéticos. Iremos poder contar com toda uma equipa de experientes operativos da principais agências de contraespionagem ao redor do mundo, acentuando a polarização entre o oriente e o ocidente. Nunca o mundo esteve tão próximo de uma catástrofe nuclear motivada por ideológicos obcecados por poder e domínio económico.

Esta abordagem é o mais próximo da na nossa história mais recente, em que o combate não é feito de infantaria ou de veículos blindados de combate como aconteceu no passado ou em guerras como as do Afeganistão. Esta foi uma guerra de sabotagens e de controlo estratégico por pequenos focos de combate ou eliminações focalizadas. É esta a abordagem em Cold War, na componente narrativa. O modo multijogador aborda, como não poderia deixar de ser, os conflitos armados organizados em diversos modos de combate.

Jogabilidade

Call of Duty: Cold War proporciona-nos um estilo de jogo mais rápido, onde tudo acontece lucidamente mais rápido. Personagens, armas, tiros e timing são todos mais rápidos, especialmente no modo multijogador. A campanha, um pouco mais suave, mas mantendo a sofisticação da série de Call of Duty e das operações especiais de Black Ops. Cold War assegura bons momentos de lazer, mas também de alta competição com outros jogadores.

A abordagem furtiva é garantida, permitindo uma estratégia tática bem conhecida do público. Este jogo também é sobre esse mesmo planeamento tático furtivo. Ainda que ficcionado, Black Ops: Cold War conta a história por detrás da Guerra Fria — onde as grandes potencias do capitalismo selvagem e do socialismo mais radical (o comunismo) se debatiam por estabelecer poder e ideologias contrastantes. É certo que falamos de guerra, mas numa vertente de espionagem e contraespionagem retratadas de forma bastante coerente.

Existe uma liberdade na escolha da abordagem a seguir dentro de jogo, não existindo uma obrigatoriedade em seguir sempre a mesma trajetória — que, por vezes, se torna em alguns jogos repetitiva. Contudo, este não é o caso deste jogo que permite finais alternativos e diferentes abordagens aos mesmo caminhos até ao final. Melhor do que descrever, é jogar. Convidamos os nossos leitores a experimentarem.

Face ao mais reduzido tamanho de mapas e cenários, foi possível conseguir-se maior suavidade das animações, bem como, uma maior densidade de pormenores (visto que não existe tanta preocupação com o tamanho do mapa). É bem-vindo, no entanto, graças ao timing mais rápido, acabou por gerar controvérsia e opiniões dispares, por se tratar de um jogo extremamente intenso.

Narrativa

O título, Black Ops: Cold War, aborda o período da Guerra Fria e conta com uma equipa de elite — Russell Adler, Alex Mason, Frank Woods, Jason Hudson e Lawrance Sims e você —, onde terá a opção de personalizar o seu agente. Codinome “Bell”, é assim que somos identificados nos ficheiros classificados pertencentes à administração norte-americana. O seu agente pode ser um ex-KGB, FBI ou MI6 aquando do registo para começar a história, além de características psicológicas que traçam aquilo que pode ser o futuro enredo.

Persus torna-se o centro de toda uma conspiração contra os Estados Unidos da América e contra o mundo, e alvo de uma perseguição por parte da equipa constituída. Para mim, das opções de desenvolvimento escolhidas, a possibilidade de ter vários caminhos para chegar ao fim da história — no entanto, com pouco mais de sete horas de conteúdo narrativo. Embora seja reduzido, julgo que a possibilidade de recriar a mesma história de maneiras diferentes.

Cold War demonstra quase uma continuidade aos eventos acontecidos em Call of Duty: Black Ops I, mas de uma forma muito mais proeminente e presente. A mistura entre confrontos armados bastante intensos e missões mais furtivas demonstram aquilo que é a essência desta série, Black Ops. Entre missões e cenários diferenciados, Cold War aborda vários espaços temporais em estilo cinematográfico com diversas reviravoltas na história que terá a oportunidade de experienciar.

A fim de acrescentar mais imersividade à história e, intrinsecamente, ao jogo a Treyarch — a grande produtora por detrás do sucesso de Black Ops — acrescentou algumas imagens verídicas dos acontecimentos captadas por câmera. Por fim, gostaria ainda de evidenciar o foco em incluir pistas e evidências inteligentemente bem colocadas e adaptadas ao contexto de jogo — algo bastante curioso face ao nível de detalhe que figura.

O espírito de espionagem estabelecido pela Treyarch foi bastante importante para mim, na medida em que me conseguiu ligar positivamente ao jogo e às personagens, pois sou grande adepto das temáticas de espionagem e contraespionagem em filmes, séries e jogos. Para mim, esta foi sem dúvida uma narrativa bem conseguida e útil para conhecer um pouco mais dos meandros (ainda que ficcionado) da Guerra Fria — histórias que por vezes passam um pouco ao lado da maioria das pessoas.

Multiplayer — bastante mais rápido e dinâmico!

Gerou controvérsia pela sua abordagem. Ao contrário dos antecessores, parte do estilo operacionalizado em Black Ops: Cold War foi diferente em termos de combate, oferecendo uma resposta mais rápida, mas nem sempre eficaz. Call of Duty, por si só, já é uma série onde as partidas são de elevada intensidade. Contrariamente, o Battlefield, concorrente (ainda que com uma comunidade manifestamente inferior) que aborda um estilo de combate muito mais calmo e ponderado.

Contudo, o Cold War leva essa rapidez a um extremo ainda mais além do que expectado. Não é necessariamente mau, no entanto, quando se mexe com time-to-kill (TTK) e bullets-to-kill (BTK) as coisas mudam de figura. Recorde-se que um dos principais problemas de Battlefield 5 (entre muitos outros) foram as recorrentes mexidas neste parâmetros, desequilibrando loadouts e suas armas. Aqui, a Treyarch não foi tão longe simplificando a parametrização destes dois fatores acelerando em todos os casos a velocidade, levando a que haja mais pressão sobre todos os jogadores e mais ação.

Pessoalmente, não sou muito adepto de partidas muito rápidas. Aliás, se assim o quisesse iria jogar, por exemplo, CS:GO. Percebo que goste, é natural, existe uma maior adrenalina, no entanto, prefiro um TTK maior e BTK maior (desde que não comprometa o jogo em termos de timing) por forma a ter algum controlo under-fire. Assim torna-se muito mais ponderada cada ação dentro de jogo.

À parte disto, tudo permanece igual. Cada partida gera EXP para evoluir e desbloquear novos loadouts, novas armas e skills (ou se preferirem chamar, as afamadas “perks”) que lhe permitirão personalizar como pretendem o vosso estilo de jogo e de armamento dentro de jogo. Porém, a grande novidade neste regular estilo de partidas, é o agrupamento de jogadores com as mesmas capacidades durante o matchmaking entre cada partida. O famoso “Skill Based Matchmaking” permite que jogue com pessoas que se encontram no seu patamar de jogo, evitando desequilíbrios obscuros. Algo que a DICE tentou fazer com Battlefield ainda que tenha falhado. Ponto muito positivo, este. Parabéns Treyarch, pelo feito.

Qualidade gráfica

É irrepreensível em matéria de grafismo — desde a qualidade das texturas ao próprio motor gráfico — foi um excelente trabalho, digno de um Black Ops. Isto dito por um fã da criatividade e da imersividade gráfica de Battlefield. Call of Duty sempre teve um foco muito narrativo — que lhe dá bastante prestígio —, no entanto, desta vez, a qualidade gráfica foi muito além, oferecendo na PS5 (e até mesmo na PS4) texturas ultrarrealistas, onde era possível detetar suor e outras imperfeições da pele. Os cenários, as armas e as diversas animações associadas estavam otimamente trabalhadas.

A particularidade de podermos optar facilmente por uma maior cadência de frames ou uma melhor imagem é simplesmente fantástica. A consola permitiu-me a mim, que uso um monitor Full-HD, jogar em multiplayer em 120 fps nesta resolução (com alcance dinâmico dependendo do cenário), uma experiência imperdível. Contudo, se o foco passa por jogar com maior qualidade, os 60 fps são mais do que suficientes para nos preencher profundamente. A reflexão luminosa, as partículas e até mesmo os edifícios mostravam detalhes incríveis.

Durante a campanha, estas evidências tornam-se ainda mais sólidas, onde existe bastante mais conteúdo explorável e cenários de “jogar e chorar por mais”. Inicialmente, não julgava que o jogo me fosse surpreender desta maneira, pois não sou ávido consumidor da série Call of Duty, mas a performance e a qualidade gráfica (que para mim têm grande peso) favoreceram bastante a minha avaliação. Claro está, isto não é exclusivamente o mais importante, pois o combate também desempenha um importante papel.

O motor gráfico encontra-se devidamente enquadrado na nova proposta dos 120 fps, apresentando algum motion blur às extremidades do ecrã enquanto corremos pelo mapa, oferecendo uma maior imersividade — pois é o tipo de coisa que acaba por acontecer na realidade, a nossa visão periférica diminui à medida que a velocidade aumenta e pelo próprio esforço — isto é um exemplo de pormenores bem conseguidos em Black Ops: Cold War.

Experiência háptica — bem aproveitado!

Black Ops: Cold War foi, até agora, o jogo que melhor aproveitou o Dual-Sense (excluindo o Astro’s Playroom) em termos dos gatilhos adaptativos, das sensações e vibrações que imergem o jogador dentro da narrativa ou do combate (em partidas multijogador). Não exclusivo, ofereceu melhor desempenho háptico que, por exemplo, o Spider-Man: Miles Morales.

Como em tudo, existem contras. O feedback háptico é bom se for usado por todos, pois os gatilhos adaptativos apesar de trazerem mais realismo, retiram competitividade entre jogadores (que desativem a funcionalidade) para ficarem com tempos de resposta mais elevados. A distância e resistência do gatilho aumentam a resposta do jogador à ação ficando em desvantagem um para um. Este é o tipo de funcionalidade útil para um jogador ou muito experiente, ou apenas para jogar no modo campanha.

De resto, a experiência proporcionada pelo comando dentro do jogo é excecional — podendo identificar o disparo de diferentes armas pela resistência, sonoridade e vibração dos gatilhos e do comando durante a partida — a resistência não é igual para todas as armas, bem como, o seu comportamento. É algo que aguardo com ansiedade em outros títulos do género.

Veredito

Gostaria de realçar que esta proposta desenvolvida pela Treyarch e publicado pela Activision é muito atrativa — especialmente, para aqueles que gostam de uma boa dose de história com alguma ficção à mistura. Além disso, a qualidade gráfica é elevada a um nível ainda nunca visto em toda a série Call of Duty (algo esperado, mas ainda incrível). A possibilidade de jogar em 120 fps na PS5 é extremamente agradável quer para a visão, quer para a jogabilidade, em si mesma.

Visto isto, e tendo tudo o que foi mencionado anteriormente, deixamos ao critério de todos os jogadores a apetência ou não deste jogo. Convidamo-lo a experimentar o jogo, antes de o adquirir, se isto for possível, pois poderá constatar se o estilo de jogo (em termos de combate multijogador) é o adequado para si, ou se prefere as mecânicas de combate dos anteriores jogos. Esta obra encontra-se disponível em três versões: edição padrão (para PS4) por 69,99€; bundle cross-gen (para PS5 & PS4) por 74,99€ e a edição ultimate por 99,99€.

Por fim, depois de toda a análise do jogo Black Ops: Cold War, o mais recente título da série Call of Duty, agradeço solenemente à PlayStation Portugal por nos permitir usufruir desta magnifica obra de arte, permitindo que a redação desta análise ao jogo da Activision. Por questões editoriais, apenas hoje nos foi possível publicá-la. Continue a acompanhar-nos aqui e no nosso canal do Youtube para mais análises de produtos, veículos e videojogos.

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here