Análise ao Samsung Galaxy S7: Performace e elegância na palma da mão

Samsung Galaxy S7 (1)

Lançado pela Samsung no mês de fevereiro de 2016, eis o novo Samsung Galaxy S7. Com um hardware de topo e um design muito semelhante ao anterior S6, esta é a resposta da Samsung aos seus rivais mais diretos e que a volta a colocar no topo dos melhores smartphones Android do mercado.

Índice:
Características
Design e Ecrã
Desempenho
Câmara
Veredito: Samsung Galaxy S7

Leia a nossa análise e fique a conhecer o novo S7.

CARACTERÍSTICAS

Samsung Galaxy S7 (6)O novo flagship da Samsung vem recheado de especificações dignas de um smartphone de topo. O processador não desilude já que apresenta uma excelente capacidade de processamento e multitaskingmuito bem auxiliado pelos 4GB de RAM. A memória interna de 32 GB não impressiona, mas é expansível através de cartão microSD. O processador gráfico permite correr qualquer jogo ou aplicação disponível na loja do Google Play, sem se registar qualquer lag.

O ecrã Super AMOLED de 5.1″ de excelente qualidade contribui para a excelente experiência de utilização deste telefone e está incorporado de forma muito elegante e ergonómica no corpo do telefone. O corpo, com laterais metálicas e a traseira com revestimento brilhante tornam este aparelho muito elegante, ao mesmo tempo que muito discreto.

Abaixo fica uma lista das principais características deste telefone.

  • Processador: Exynos 8890 Octa: Quad-core 2.3 GHz Mongoose + quad-core 1.6 GHz Cortex-A53
  • GPU: Mali-T880 MP12
  • Memória RAM: 4GB
  • Memória interna: 32GB (expansível até 128 GB com cartão microSD)
  • Sistema operativo: Android OS, v6.0 (Marshmallow)/TouchWiz UI
  • Ecrã: Super AMOLED /Capacitivo/ 16M de cores / 5.1 ” /72.1% racio corpo-ecrã/ Corning Gorilla Glass 4
  • Câmara traseira: 12 MP/ f/1.7 / tamanho do sensor: 2.6″ / OIS/ LED flash/ Auto HDR
  • Câmara frontal: 5 MP, f/1.7/ Auto HDR
  • Gravação de video: [email protected]/ [email protected]/ [email protected]/ HDR
  • Bateria: Não removível/ Li-Ion / 3000 mAh
  • Wi-fi: 802.11 a/b/g/n/ac / dual-band / Wi-Fi Direct/ hotspot
  • Conectividade: GSM/HSPA/LTE
  • GPS: A-GPS/GLONASS/ BDS
  • Bluetooth: v4.2/ A2DP/ LE/ apt-X
  • Sensores: Impressão digital, acelerómetro, giroscópio, proximidade, bússula, barométrico, batimento cardíaco (ótico), SpO2 (volume de oxigénio – ótico)
  • Dimensões: 142.4 x 69.6 x 7.9 mm
  • Peso: 152 g

DESIGN E ECRÃ

Samsung Galaxy S7 (7)No que diz respeito ao design, pouco ou nada mudou em relação ao anterior modelo (S6). No entanto não podemos criticar o design. Este é bastante simplista e elegante, com excelentes acabamentos.

Na parte frontal, em baixo, encontramos os botões retroiluminados e, entre estes, ao centro, o botão “home” que também inclui um sensor de impressões digitais. Este é saliente, o que, para além de permitir uma fácil distinção dos botões não físicos retroiluminados, ainda facilita bastante a leitura da impressão digital. Em cima, ao centro, encontramos o auscultador, o sensor de proximidade e a câmara frontal de 5 MP.

Na lateral direita encontramos o botão de power e na lateral esquerda encontramos os botões de volume.

Em baixo encontramos a coluna, o microfone, a porta USB e a entrada jack 3.5 mm. Em cima temos a entrada para o cartão nano SIM e outro microfone.

Na parte traseira, numa posição central temos a câmara de 12 MP e do se lado direito, o flash LED e o sensor de infravermelhos (batimento cardíaco, volume de oxigénio, etc). A câmara é uma grande melhoria face ao modelo S6, dado que é muito menos saliente, estando agora muito bem integrada na traseira do telefone, com uma saliência de aproximadamente 1 mm.

Samsung Galaxy S7 (12)Outra característica de relevo é o facto de quer a parte frontal, quer a parte traseira estarem cobertos pelo novo gorila glass 4, o que confere uma excelente resistência ao choque e aos riscos a este equipamento. No entanto, o facto de ter sido colocado gorila glass na parte traseira do telefone faz com que este seja um pouco escorregadio na mão, o que, por vezes, dificulta o manuseamento só com uma mão.

Também o facto de se ter aplicado o gorila glass na parte traseira, faz com que esta fique engordurada e com marcas de dedos muito rapidamente (à semelhança do que acontece com os ecrãs), sendo que temos de frequentemente limpar a traseira do telefone com um pano. Teria sido interessante que a parte traseira tivesse algum tipo de textura por forma a mitigar este problema. No entanto, este facto não inviabiliza, de todo, a utilização deste telefone e confere-lhe um look muito moderno e elegante.

Ainda em relação à parte traseira, esta possui os cantos arredondados. Apesar de se tratar de um pequeno pormenor, na verdade é de extrema importância porque faz com que este telefone seja extremamente ergonómico, encaixando-se perfeitamente na palma da mão.

Neste modelo, a Samsung optou por não utilizar a porta USB-C. Apesar da na atualidade não ser problemático, dado que a grande maioria dos cabos USB que temos não sejam do tipo C, a verdade é que no futuro cada vez mais se irá apostar em USB-C e sendo este o topo de gama da Samsung, teria sido interessante a aposta neste tipo de porta.

Samsung Galaxy S7 (10)Outra excelente característica é o facto de a Samsung ter conseguido incorporar a possibilidade de expansão de memória através de cartão microSD, sem que, no entanto, tenha havido interferências no design, sendo que este está bem “escondido” na parte superior do telefone. Interessante também é o facto de este telefone ter obtido a certificação IP68, o que significa que pode ser submergido até profundidades de 1 metro, até 30 minutos sem que haja dano no telefone.

No que diz respeito ao ecrã, tem 5.1″, super AMOLED, QHD com uma resolução 2560 x 1440 pixeis e uma densidade de 577 pixeis por polegada (ppi), e é simplesmente perfeito. O contraste de cores é extraordinário bem como a nitidez de tudo aquilo que reproduz. Sem dúvida, é o ponto mais forte deste telefone.

As cores reproduzidas são muito vividas e o ecrã funciona na perfeição em todas as condições de luminosidade, mesmo usando para quem utiliza óculos com lentes polarizadas.

Uma característica interessante, possível graças à tecnologia AMOLED é o facto de que quando o telefone está em standby, as horas, a data, notificações e o estado da bateria são mostrados no ecrã. Isto só é possível porque recorre-se à tecnologia AMOLED, todos os pixeis estão desligados com exceção dos usados para mostrar os dados enumerados, permitindo um consumo desprezável de bateria, ao mesmo tempo que nos fornece informações úteis.

É uma excelente alternativa à solução apresentada pela LG no seu modelo V10 que, para conseguir o mesmo, recorreu a um ecrã secundário dedicado. Pena que para já, apenas seja possível ver notificações de chamadas e mensagens, sendo que as notificações de outras aplicações (Facebook, Whatsapp, etc) não são mostradas.

Desempenho

Samsung Galaxy S7 Desempenho (1)O novo Samsung S7 vem equipado com o mais recente processador Exynos 8890 desenvolvido pela Samsung de oito núcleos, um Quad-core 2.3 GHz Mongoose e outro quad-core 1.6 GHz Cortex-A53. Em alguns países, o Samsung Galaxy S7 vem equipado com o mais recente CPU da Qualcomm: o MSM8996 Snapdragon 820. Ambas as unidades de processamento são muito potentes e não desiludem no campo do desempenho.

A nível gráfico, vem equipado com o GPU Adreno 530 (Qualcomm) ou Mali-T880 MP12 (Exynos). Aliado a este potente CPU vêm 4 GB de RAM e 32 GB de memória interna, que podem ser expandidos através de cartão microSD até 128 GB. Este hardware traduz-se em 131029 pontos no AnTuTu, e 2095 pontos (single core) e 6295 pontos (multi core) no GeekBench. No AnTuTu apenas é ultrapassado pelo iPhone 6S, o Samsung Galaxy S7 Edge e o Xiaomi Mi5, sendo que a diferença para o primeiro lugar é de “apenas” 5850 pontos. No caso do Geekbench, quer em single core quer em multi core, o Samsung S7 fica à frente dos segundos classificados, o HTC Nexus 9 (single core) e do Samsung Galaxy S6 (multi core).

Samsung Galaxy S7 Desempenho (3)Números à parte, este hardware traduz-se num desempenho fluído. Corre qualquer aplicação sem qualquer problema, mesmo em multitasking. E o Samsung Galaxy S7 permite fazer multitasking como poucos, já que permite fazer uma divisão de ecrã, permitindo correr e visualizar duas aplicações em simultâneo.

Mesmo correndo jogos mais pesados e exigentes graficamente, o Samsung Galaxy S7 não registou qualquer problema de fluidez. Notou-se sim algum sobreaquecimento, o que, consequentemente, leva a que a bateria se esgote mais rapidamente. A bateria tem 3000 mAh de capacidade e, com uma utilização diária normal (no meu caso inclui redes sociais, conversação, jogos e utilização de GPS) dura para um dia inteiro, chegando ao fim do dia ainda com 15% disponíveis. Se fosse possível remover a opção de mostrar sempre as horas, a data e o estado da bateria quando o telefone estivesse em stand-by, certamente que seria possível esticar a duração da bateria. A bateria pode ser também recarregada via wireless.

No que diz respeito à memória interna, o Galaxy S7 vem equipado com 32 GB, expansível através de microSD até 128 GB. Ao contrário do que acontece com as versões nativas do Android 6.0 Marshmallow, que permite combinar a memória interna do telefone com a memória do cartão microSD por forma a que seja possível a instalação de aplicações diretamente no cartão de memória, como se de memória interna se tratasse, o S7 não permite essa possibilidade, sendo que o cartão microSD apenas servirá para armazenar ficheiros.

Samsung Galaxy S7 (8)Em termos de GPS, o desempenho também não desilude. Em condução (utilizando o Waze), o cálculo das rotas é rápido e o cálculo da posição é preciso. Em corrida (utilizando o Strava), o desempenho também é bom, tendo sido realizadas corridas com o wifi e dados ligados e desligados. Só com GPS, o desempenho é bom, sendo apenas satisfatório em zonas de prédios altos. O caso muda de figura quando ativamos o wi-fi e os dados móveis. Aí, a precisão aumenta drasticamente, obtendo-se um desempenho muito bom.

O Samsung S7 vem equipado com um sensor de impressões digitais, que se destaca por estar mais elevado que o ecrã em cerca de 1-2 mm. No entanto, a precisão deste ficou atrás dos sensores da Huawei e da Apple, sendo que se atingiu uma taxa de desbloqueio na ordem dos 90%.

No campo do som, julgamos que a Samsung poderia ter apostado em melhor qualidade. Só temos uma coluna, localizada na parte inferior do telefone, e o som que sai dela é apenas aceitável. Ainda para mais, a sua localização está num sitio onde bloqueamos facilmente a coluna com as mãos, quando seguramos o telefone na horizontal (situação mais comum para jogos ou visualização de vídeos). Também em chamadas, o som que sai do auscultador não é fenomenal, sendo que é frequente darmos por nós a procurar constantemente uma melhor posição no ouvido.

O Galaxy S7 vem equipado com o Android 6.0 Marshmallow, sendo que utiliza a já habitual UI: touchwiz. A sua utilização é fluida e simples e não se registou qualquer bug. Apenas há a criticar o facto de haver demasiado bloatware, que não é possível de desinstalar, como por exemplo, a suite do office ou as aplicações da Samsung. A única aplicação que considero interessante é a S Health, dado que permite a utilização do sensor ótico para medição do ritmo cardíaco, stress e volume de oxigénio.

CÂMARA

Samsung Galaxy S7 (13)Invertendo a tendência das marcas na aposta de sensores com cada vez maior resolução, a Samsung decidiu apostar num sensor de apenas 12 MPX. Quem faz fotografia sabe que a resolução do sensor não é tudo (a menos que o utilizador queira imprimir posters). Na verdade, apesar de ter uma resolução mais baixa, a Samsung apostou, à semelhança do Nexus 6P, na utilização de um sensor de maiores dimensões. A utilização de um sensor de maiores dimensões traduz-se numa maior captura de luz, o que permite uma melhor qualidade de imagem em condições de pouca luminosidade (por exemplo, à noite) bem como adicionar efeitos de bokeh, impossíveis de alcançar com um sensor de menores dimensões.

Aliado a isto, a Samsung também decidiu aumentar a abertura do diafragma, para f1.7, ao invés das câmaras de outros aparelhos, cuja abertura varia entre f2.0 e f2.2. Uma maior abertura traduz-se, mais uma vez, na captura de uma maior quantidade de luz, com as vantagens atrás enumeradas. Mesmo com uma abertura tão grande, as fotografias não perdem nitidez, apresentando uma qualidade excecional. As cores capturadas são muito vividas. Quer a grande nitidez, quer as cores vividas são possíveis graças ao facto de os pixeis utilizados nesta câmara serem de maiores dimensões (a Samsung designa-os por dual-pixel).

Samsung Galaxy S7 Fotos (1)

A tecnologia dual-pixel permite também que o foco seja muito rápido, bem como a mudança de pontos de foco. O contraste obtido é excecional. De longe, esta é a melhor câmara de smartphone que me passou pelas mãos. As fotos que se tiram com esta câmara roçam o profissional. E só notamos os 12 MP quando importamos as fotografias para um PC e fazemos zoom.

A aplicação nativa da câmara é muito boa e completa. O modo automático já permite obtermos imagens fenomenais, mas se mesmo assim o utilizador não ficar satisfeito, a aplicação disponibiliza um modo manual, onde é possível variar o ISO, o tempo de abertura, balanço de brancos, exposição, etc. Uma aplicação muito completa sem dúvida.

Segue-se as fotografias captadas com o Galaxy S7 redimensionadas para o site, mas poderão visualizar as originais na nossa página do Flickr:

Samsung Galaxy S7 Fotos (19) Samsung Galaxy S7 Fotos (18)

No que diz respeito à gravação de vídeo, o novo Samsung Galaxy S7 grava em 4K e QHD a 30 fps, full HD a 60 fps e 720p a 240 fps, o que permite fazer vídeos em câmara lenta. Em qualquer dos casos, os vídeos obtidos são de boa qualidade, sendo que ajuda em muito a estabilização de imagem.

Veredito: Samsung Galaxy S7

Para quem procura um telefone topo de gama, com Android e com specs de topo, o novo Samsung Galaxy S7 é sem dúvida uma ótima escolha. O desempenho é fenomenal, fluído e é capaz de correr qualquer aplicação sem qualquer problema de fluidez. O ecrã é excecional, com um contraste muito bom, graças à tecnologia super AMOLED.

O telefone é ergonómico, leve q.b. e os materiais utilizados são de boa qualidade, apesar da utilização do gorila glass na parte traseira que, apesar de impedir riscos, torna o telefone muito escorregadio nas mãos e faz com que a parte traseira esteja constantemente engordurada e com dedadas.

A câmara é fenomenal, sendo uma excelente opção para aqueles que procurem um telefone com uma câmara muito boa. Dadas as suas características, as fotografias obtidas são muito nítidas, com um excelente contraste de cores e permite fazer fotografia com efeitos profissionais muito facilmente.

A bateria também não desilude, durando cerca de um dia em utilização normal, que no meu caso envolve jogos e utilização do GPS.

Pontos a Favor:

  • Desempenho
  • Ecrã
  • Câmara
  • Multitasking
  • Sensor IR de batimentos cardíacos

Pontos Contra:

  • Qualidade de som
  • Gorila glass na capa traseira contribui para se notarem dedadas

Agradecemos à Samsung por nos ter facultado o seu novo modelo para teste. O Samsung Galaxy S7 pode ser adquirido por 729,99 desbloqueado e 699.99 euros nas operadoras. Abaixo fica a nossa galeria de imagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here