AMD Desafia NVIDIA: Batalha Bilionária pelas GPUs de IA

Num mundo cada vez mais dominado pela tecnologia, a inteligência artificial (IA) tem-se destacado como uma das áreas de maior crescimento. Não é apenas o software que está a evoluir a um ritmo vertiginoso, mas também o hardware que alimenta essas capacidades de IA. A indústria de chips especializados para IA está a florescer e as projeções indicam que não vai abrandar tão cedo.

De acordo com a consultora Allied Market Research, o mercado de chips para IA poderá atingir um volume de faturação superior a 263.000 milhões de dólares até 2031. Para colocar em perspectiva, em 2021, este mercado estava avaliado em pouco mais de 11.000 milhões de dólares. Estamos perante um crescimento exponencial que reflete a importância crescente da IA em diversos setores, desde a saúde até à automação industrial.

Neste cenário de expansão, a NVIDIA tem-se destacado como o gigante incontestável, controlando cerca de 80% do mercado. A empresa tem beneficiado de uma inércia positiva que parece garantir um futuro risonho, sob a liderança de Jensen Huang. Contudo, a NVIDIA não está sozinha nesta corrida. A AMD, com o seu portfólio de GPUs para IA, nomeadamente a família Instinct MI300, está a posicionar-se como uma concorrente à altura.

A AMD, sob a direção de Lisa Su, tem perspectivas muito otimistas para o futuro próximo. Numa reunião com analistas financeiros e investidores, a empresa revelou que espera alcançar receitas na ordem dos 4.000 milhões de dólares em 2024, apenas com as vendas dos seus chips Instinct MI300. Este é um sinal claro da confiança da AMD na sua oferta de hardware para IA.

No último trimestre de 2023, a AMD começou a distribuir os primeiros chips Instinct MI300 aos seus clientes, ultrapassando já a barreira dos 1.000 milhões de dólares em receitas. Este sucesso inicial é um bom presságio para a empresa, que confia na sua capacidade de produção para satisfazer uma procura crescente. No entanto, vale ressaltar que a AMD depende da TSMC e dos seus processos litográficos de 5 e 6 nm FinFET para a fabricação destes chips, o que pode ser um fator limitante.

Por outro lado, a Intel, com os seus chips Gaudi 3 para IA, ainda tem um longo caminho a percorrer. A empresa espera gerar cerca de 500 milhões de dólares em 2024 com estes produtos, uma cifra significativamente inferior às expectativas da AMD e, principalmente, da NVIDIA. Analistas da indústria de semicondutores projetam que a NVIDIA possa vir a faturar cerca de 40.000 milhões de dólares com hardware para IA no mesmo ano, dez vezes mais do que a AMD.

A dependência de fabricantes como a TSMC para a produção de chips avançados é um fator crítico que pode influenciar o equilíbrio de forças no mercado. A capacidade de resposta às procuras de produção será tão importante como a inovação da tecnológica em si.

Na minha opinião, a diversidade de players e a competição saudável entre eles é benéfica para o avanço da IA. A liderança da NVIDIA é inegável, mas a pressão exercida pela AMD e pela Intel pode levar a saltos tecnológicos ainda maiores. Estamos perante uma era de transformação impulsionada pela IA, e os chips são os motores dessa revolução silenciosa.

Fonte: seekingalpha

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui