Amazon Echo (2020) : A melhor coluna-inteligente Alexa em anos

A Amazon tem vacilado recentemente com a sua principal coluna de som inteligente, uma vez que este artigo, mais amigo do orçamento tornou-se um melhor ponto de entrada no mercado, e o Echo Studio de 2019 oferece som de gama mais alta para ´audiofilófilos´. Isso deixa o Eco de $100 (cerca de 85€) como uma espécie de criança do meio indefinida na família crescente de audi-falantes movidos a Alexa.

Mas o Eco de 2020 é genuinamente diferente, e não é apenas por causa do novo perfil esferoidal. Este Eco apareceu com qualidade de som e acrescentou características de gama superior aos da concorrência, tudo para o mesmo preço de $100, apresentando um dos mais avançados ´speakers´ inteligentes lançados em anos.

O que é menos claro é como o Amazon Sidewalk, que a Amazon diz que será lançada ainda este ano, vai afetar os utilizadores do Echo. De acordo com uma publicação recente do blog da Amazon, Sidewalk vai permitir que os utilizadores “contribuam com uma pequena parte da sua largura de banda de internet, e que se irá reunir para criar uma rede partilhada que beneficie todos os dispositivos Sidewalk numa comunidade.”

E isso poderia significar quase uma rede funcional para dispositivos fora dos limites da sua propriedade , digamos ou em favor de dispositivos de rastreio. Podia ser uma boa ideia, embora o quanto beneficiamos dela vai depender em grande parte onde vivemos, e o quão grande esta mudança iria representar para a maioria dos clientes, ainda está para ser visto. O autor do artigo refere outra longa-metragem em casa que estaria entusiasmado para experimentar com o novo Echo e estava mesmo a criar um grupo de cinema em casa.

A ligação de um assistente de voz para o seu sistema de entretenimento parece uma melhoria real, se nunca o fez antes, e o novo Eco, usando Alexa, funciona bem neste conceito. O autor do artigo refere que usou um ´Fire tv stick 4K´ da Amazon para criar o grupo, e foi ótimo poder simplesmente dizer ” Watch The Boys”, para Alexa, apenas para ligar a TV e a começar a transmitir o prime show. Os alto-falantes trabalharam bastante bem, embora aconteceu uma queda de rede fora do grupo enquanto estava a testá-lo. Se tem Wi-Fi rápido, então parece que esta configuração funcionaria bem. Numa casa com várias pessoas em streaming ou a usar largura de banda de outras formas, poderá levar a mais frustrações.

O outro grande problema encontrado foi o streaming de música. Esperava ser capaz de transmitir música como de costume dos altifalantes Echo enquanto a televisão estava desligada. Infelizmente, a música de streaming nos Ecos conectados automaticamente passou para a TV, que percorria a letra das canções. E quando desliguei manualmente a televisão, a música também parou. Usar a Alexa para controlar a TV e ecos duplos para som estéreo à medida que transmitimos é fixe.

O altifalante inteligente echo da quarta geração da Amazon rola suave como uma bola, literalmente. O novo ´speaker´ de bancada Alexa é esferoidal, uma saída marcante dos alti-falantes suaves-cilíndricos das gerações passadas. Seis anos depois do primeiro Echo ter lançado 10.000 (ou pelo menos algumas dezenas) de colunas inteligentes, um design reimaginado estava então já atrasado.

A grande questão para a Amazon e o seu novo Eco é, bem, quão reimaginado é? Os assistentes de voz estão a crescer e a mudar a toda a hora, mas na maior parte, eles fazem o que têm vindo a fazer há anos: responder a perguntas, definir temporizadores, controlar os seus gadgets domésticos inteligentes, reproduzir música e assim por diante. Então, por que comprar um novo Echo? O Echo 2020 da Amazon conta com duas melhorias importantes que devem informar a sua decisão de comprá-lo ou não: melhorada a  qualidade de som e do hardware doméstico inteligente.

No que diz respeito ao som, o Echo representa uma melhoria significativa em relação ao ´Speaker´ de terceira geração de 2019, provavelmente, em parte, pelo facto de que o Eco de terceira geração essencialmente copiou o seu design quase na totalidade a partir de um dispositivo mais antigo. Além disso, o Eco tem som adaptativo, para que possa ajustar-se à acústica da sala em que o usamos. Pessoalmente, o autor do artigo não notou diferenças dramáticas na produção de som em sala, mas a coluna soou bem nas várias salas e nas várias superfícies usadas para testes.

O Eco soa melhor que a última geração, mas com o que mais se parece, comparado com a concorrência direta? O Nest Audio de 100 dólares (cerca de 85€) da Google, que estreou apenas algumas semanas antes do Echo, é um dispositivo sólido. Mas o Echo simplesmente tem mais potência: o volume do Echo a 85% é equivalente ao máximo do Nest. Além disso, entre o woofer de 3 polegadas do Echo e os duplos tweeters de 0,8 polegadas, os baixos e os médios de gama inferior são mais ricos e mais fortes.

Dito isto, se preferir música mais acústica, o Nest Audio proporciona um desempenho marginalmente melhor em canções complexas, médio-pesadas. Ambos os alti-falantes, no entanto, realmente captam a textura da música vocal-pesada. O Eco, com a sua gama ligeiramente melhor, soa um pouco melhor ao meu ouvido, ao tocar Johnny Cash em Hurt, enquanto o Nest Audio soa ligeiramente ´crisper´ no seu tratamento do vibrato subtil de Lianne La Havas em No Room for Doubt.

Tal como acontece com o novo altifalante da Google, um par de Ecos pode ser configurado para funcionar em formato estéreo. O efeito é grande, particularmente com canções que aproveitam ao máximo o som estéreo ou assimétrico, como o ´Seven Nation Army´ dos White Stripes´ ou  ´Money´dos Pink Floyd. Ao contrário do Nest Audio, o Echo tem uma porta de 3mm para ligar a outros altifalantes.

Tanto os altifalantes inteligentes da Amazon como os da Google oferecem uma grande qualidade de som para o preço de 100 dólares (cerca de 85€), mas depois dos testes lado a lado com dezenas de canções, o Echo leva o prémio por uma pequena margem, mas significativa. É mais poderoso, e se gosta de Hip-Hop ou Trap music, o Eco vai tratá-lo bem. Caso contrário, são bastante comparáveis, com o Nest com uma ligeira vantagem quando se trata de alguma música acústica e clássica.

O recetor Zigbee permite que o Echo se conecte com inúmeros dispositivos domésticos inteligentes, desde lâmpadas a sensores ´flood´, sem necessidade para um hub adicional – o dispositivo intermediário que traduz vários tipos de sinais de rádio para que os seus sensores de baixa potência possam comunicar com a sua rede Wi-Fi. Esta pequena decisão de design alargou seriamente a gama de gadgets que os utilizadores echo podem instalar em sua casa sem o auxílio extra e despesa de um centro de casa inteligente.  Tentei instalar alguns dispositivos Zigbee e achei o processo totalmente indolor.

Isto não é revolucionário – de facto, a Amazon incluiu recetores Zigbee no seu Echo Plus de $150 (cerca de 127€)e o seu Echo Show de 230 dólares (cerca de 195€) de segunda geração – mas está a trazer melhor conectividade doméstica para um público mais amplo, e isso é uma vitória clara para os clientes da Amazon.

As melhores mudanças no Eco de quarta geração podem ser a qualidade sonora e smarts domésticos, mas a mudança mais óbvia é o seu design esférico. Claro, este design não é uma revelação estética: a maioria dos alti-falantes inteligentes parecem basicamente multi-formas, com uma camada de malha de tecido sobre formas geométricas macias. O recente Nest Audio da Google é vagamente retangular, e a Apple está prestes a um… lançamento HomePod Mini , que é igualmente esferoidal.

O perfil semelhante à bola, de acordo com a Amazon, permite uma melhor saída de som, mas também vem com alguns inconvenientes práticos – principalmente uma área maior. Se está a planear substituir o Eco de terceira geração ou um Eco Dot por este altifalante, provavelmente irá ter que reorganizar ligeiramente a sua prateleira. É uma pequena mudança, mas a bancada da cozinha e alguns dos móveis de muitas casas, poderão não ser o ideal para aqueles como nós com espaço limitado.

O Eco vem em três cores: o carvão padrão (preto) e o glaciar branco, além de um azul crepúsculo silenciado. É um pouco mais conservador do que a variedade de pastéis da Google. Críticas à parte, o Echo de 2020 parece um gadget muito mais valioso do que o Echo de terceira geração do ano passado. Os poderosos sons distingui-lo-á da competição, e com uma Alexa sempre melhor, comprar um alti-falante inteligente não foi tão bom assim há anos.

Fonte: C!Net

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here