Agência Espacial Europeia cria mapa espacial com 1,7 biliões de estrelas

Na quarta-feira a Agência Espacial Europeia divulgou um novo e extremamente detalhado mapa da nossa galáxia, a Via Láctea. O mapa é impressionante pois mostra o brilho e a posição de cerca de 1,7 biliões de estrelas diferentes! É o catálogo mais extenso de estrela da história da humanidade e inclui imensos detalhes de diversas destas estrelas, como a distância, movimento ou cor.

Para além de ser um importante trabalho de organização de conhecimento, terá também implicações práticas para a comunidade cientifica: será um auxílio importante para estudar a estrutura da nossa galáxia e a forma como se formou há biliões de anos atrás.

A principal fonte de dados para a formação deste mapa foi a nave espacial da Agência Europia, a Gaia. O engenho está em órbita desde 2013 e conta com dois telescópios para olhar e registar continuamente o espaço. O veículo roda uma vez a cada seis horas e a equipa da missão Gaia também roda a nave sobre o seu eixo de modo a que consiga captar “o céu inteiro” a cada dois meses. Ao captar múltiplas vezes o “céu inteiro”, a Gaia consegue medições repetidas das mesmas estrelas, tornando assim os seus dados mais objectivos.

Este mapa inclui informação de 1,7 biliões de estrelas. Dessas estrelas, existe informação em relação a distância, movimento, posição e brilho e cor de um número verdadeiramente impressionante: 1,3 biliões. Estes dados permitirão à comunidade científica pesquisar diversas informações sobre qualquer uma destas estrelas, como a sua idade ou composição.

Não são apenas estrelas distantes, mas também objectos “próximos de casa”

A informação da Gaia inclui também estrelas fora da nossa galáxia, porém, e pelos menos tão importante quanto as estrelas, inclui também informação sobre objectos do nosso sistema solar. Os cientistas conseguiram indicar com precisão a posição de 14,000 asteróides no nosso sistema solar graças à informação deste engenho espacial.

A missão ainda não chegou ao fim

A missão ainda não chegou ao fim, e já se fala em estender durante mais 5 anos a missão que deveria terminar ainda este ano. Assim sendo, é esperado que nos chegue mais informação das estrelas ao longo dos próximos anos.

Fonte: The Verge

Veja também...

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

avatar
  Subscrever  
Notificar de